Artigos Café Brasil
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

665 – O Vale
665 – O Vale
A trilha para o sucesso envolve trabalho duro e ...

Ver mais

664 – Sobre lagartas e borboletas
664 – Sobre lagartas e borboletas
Cara, como mudar é difícil... perder peso...manter ...

Ver mais

663 – A crisálida
663 – A crisálida
A maturidade entende que existe a escuridão no mundo, ...

Ver mais

662 – A importância da cultura
662 – A importância da cultura
Qual a importância da cultura? Que baita pergunta do ...

Ver mais

LíderCast 153 – Rafael Bernardes
LíderCast 153 – Rafael Bernardes
Empreendedor em TI, que capacita outros profissionais ...

Ver mais

LíderCast 152 – Lucia Moyses
LíderCast 152 – Lucia Moyses
Escritora, psicóloga e neuropsicóloga, um papo sobre ...

Ver mais

LíderCast 151 – Irineu Toledo
LíderCast 151 – Irineu Toledo
Radialista, uma das vozes mais marcantes e conhecidas ...

Ver mais

LíderCast 150 – Ana Letícia Maciel
LíderCast 150 – Ana Letícia Maciel
Executiva que larga tudo para empreender com um ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Eu não acredito na democracia moderna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Eu não acredito na democracia representativa moderna. * * * Concordo com Schumpeter: no modelo de democracia do século XX, os indivíduos comuns são simplesmente consumidores de produtos políticos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro tende a ser considerado melhor presidente do país até 2022?
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157323556458631

Ver mais

Em defesa do Olavo de Carvalho
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Amigos, as revistas Veja e Isto É decidiram atacar o escritor Olavo de Carvalho nas matérias centrais das suas edições da semana. A que se deve esse ataque, orquestrado pelas duas maiores ...

Ver mais

O like é a droga do século
Henrique Szklo
O sistema em que vivemos foi criado com o objetivo claro de deixar-nos ansiosos e estressados para que utilizemos o consumo como forma de aplacar nossa desventura crônica. Mas surpreendentemente ...

Ver mais

Cafezinho 178 – O Exorcista
Cafezinho 178 – O Exorcista
O Brasil está sofrendo um imenso exorcismo, e o demônio ...

Ver mais

Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
A negatividade tem suas raízes no medo de ser ...

Ver mais

Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Gostou? Compartilhe! Só assim, fazendo a nossa parte, ...

Ver mais

Cafezinho 175 – Não use sua ignorância
Cafezinho 175 – Não use sua ignorância
Quando você não conhece o objeto de sua análise, será ...

Ver mais

A descoberta

A descoberta

Luciano Pires -

Após uma de minhas palestras, perguntaram como cheguei na posição de Diretor de uma grande empresa. Lembrei da lenda que conta que, saindo de Portugal com destino à Índia, Pedro Álvares Cabral acabou descobrindo o Brasil. De que terão servido os planos de navegação para aqueles aventureiros que acabaram chegando noutro continente?

Prefiro imaginar que serviram para motivar para a ação, que deram segurança aos homens para que se atirassem numa aventura com um risco de morte altíssimo. Para se atirar numa empreitada como essa, é necessária uma visão, um objetivo.

Mas hoje lidamos com montanhas de dados e informações e temos pouca gente com conhecimento, criatividade e coragem para tomar decisões.

O que mais vemos é o medo pela incerteza.

Uma pesquisa realizada em Londres na segunda guerra, quando a cidade era alvo das bombas alemãs, é reveladora. As bombas eram imprecisas e, embora tivessem como destino o centro de Londres, muitas vezes caiam nos bairros mais afastados. A pesquisa mostrou que as pessoas que viviam nos bairros afastados, onde as bombas caíam de vez em quando, apresentaram maior índice de distúrbios cardíacos que as pessoas que viviam no centro da cidade, onde sempre caíam as bombas. A incerteza era o problema…

Quando você tem um plano, mesmo que a bomba venha, você sente a segurança de estar no caminho mais seguro possível. Ou ao menos de ter tomado as providências possíveis. Sem um plano, sem saber onde você quer chegar, qualquer caminho serve, lembra do gato conversando com a Alice?

A resposta que dei àquela pergunta foi uma: tracei um plano, sim, para chegar a um Brasil que idealizei: aos 17 anos de idade eu queria ser um grande cartunista e escritor brasileiro. Estudei na área que me interessava, comunicação, me expus a situações, escolhi caminhos, me privei de prazeres e trabalhei como louco. E um dia percebi que não ia rolar. Que a vida como cartunista ou escritor seria difícil, eu estava recém-casado, sem grana, só com incertezas. Bolei então um plano estratégico: deixaria de lado, guardado, o sono de ser cartunista e escritor, e arrumaria emprego num grande empresa, onde eu tivesse a segurança de um salário mensal, férias, décimo terceiro e tudo mais. Ficaria na empresa por 3 ou 4 anos, tempo suficiente para eu amadurecer, guardar algum dinheiro e aprender como era a vida de casado. Então eu sairia da empresa e montaria meu próprio negócio, para viver do cartum e da escrita.

E assim fiz. E meu plano quase deu certo… Só não deu porque em vez de 4 anos, eu fiquei 26 anos na empresa. E 12 na função de diretor.

De repente lá estava eu, de terno e gravata, executivo de multinacional, viajando o mundo, tentando mostrar para os gringos que o Brasil era um país sério e ajudando a vender… autopeças.

Muito distante do sonho do escritor e cartunista.

Mas e aquele plano lá dos 17 anos de idade? Continuou ali, adormecido. E tudo que aprendi no caminho de me tornar um escritor e cartunista, me ajudou imensamente na carreira de executivo. Escrevi pra caramba, desenhei pra caramba, aprendi pra caramba. E quando em 2008 o destino quis que meu tempo na empresa se encerrasse, aos 52 anos, eu decidi sair da empresa. Fiz um acordo e no dia seguinte eu estava sentado em meu escritório, no Café Brasil Editorial, fazendo palestras, prestando consultoria e… escrevendo e desenhando.

Aos 17 anos de idade, como Cabral, eu fiz um plano: eu ia para o Brasil de meus sonhos.  Eu não sabia se chegaria no Rio Grande Sul, em Santos, na Bahia ou em Fortaleza. Mas sabia que chegaria ao Brasil que visualizei.

Foi aquele plano, traçado 43 anos atrás e adaptado conforme o tempo passava, que me trouxe até aqui.

Eu tinha um plano. Sem ele, em vez de Brasil, talvez eu tivesse chegado na Índia.

E você? Tem um plano?

Ou apenas esperanças?