Artigos Café Brasil
Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil no Top 10 Podbean
Café Brasil no Top 10 Podbean
O Café Brasil está entre os Top 10 numa das maiores ...

Ver mais

705 – Empreendedor: Meu malvado favorito
705 – Empreendedor: Meu malvado favorito
Meu, como tem empreendedor no Brasil, não é? Parece que ...

Ver mais

704 – 45 Minutos do Primeiro Tempo
704 – 45 Minutos do Primeiro Tempo
Patrick Santos é um jornalista que tem uma trajetória ...

Ver mais

703 – Fogo no Hall
703 – Fogo no Hall
Já fizemos diversos programas tratando da liberdade de ...

Ver mais

702 – Saindo da Bolha
702 – Saindo da Bolha
O Saindo da Bolha se anuncia como um podcast para quem ...

Ver mais

LíderCast 188 – Emerson Muzeli
LíderCast 188 – Emerson Muzeli
Homem da televisão, que dirigiu novelas, programas de ...

Ver mais

LíderCast 187 – Rabino Ventura
LíderCast 187 – Rabino Ventura
Um homem de fé, um rabino, com uma história fascinante ...

Ver mais

LíderCast 186 – Jorge Cury Neto
LíderCast 186 – Jorge Cury Neto
Radialista, um estudioso do impacto da voz humana na ...

Ver mais

LíderCast 185 – Sérgio Victor
LíderCast 185 – Sérgio Victor
Jovem Deputado Estadual do partido Novo por São Paulo, ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Criativo que se leva muito a sério não merece ser levado a sério
Henrique Szklo
Iscas Criativas
Muitos dos que trabalham com criatividade no dia-a-dia costumam sofrer de delírios relacionados à sua relevância para a sociedade e para a raça humana, mesmo que não se conheça uma razão palpável ...

Ver mais

Desencontros da educação com o mundo real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Desencontros da educação com o mundo real “Infelizmente, poucas pessoas entendem a conexão entre criatividade e inovação. Fala-se muito sobre a ‘lei da inovação’, mas ninguém fala sobre a ‘lei da ...

Ver mais

Resenha: Meu Pai, o Guru do Presidente
Jota Fagner
Origens do Brasil
Meu Pai, o Guru do Presidente, escrito pela Heloísa Helena de Carvalho Arribas e Henri Alfred Bugalho, é um livro que pretende retratar a conturbada relação entre Olavo Luiz Pimentel de Carvalho ...

Ver mais

Todas mesmo?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Levado pelos ventos da modinha do movimento americano Me too, nascido da hipocrisia e do revanchismo de gente (genta, Dilma?) que não admite seu passado arrivista e joga para a plateia enquanto ...

Ver mais

Cafezinho 258 – O poder do Mau
Cafezinho 258 – O poder do Mau
Para sobreviver, a vida tem de vencer todo dia. A ...

Ver mais

Cafezinho 257 – O Jobs de Mogi
Cafezinho 257 – O Jobs de Mogi
Nada é mais nocivo que a ignorância que gera confiança.

Ver mais

Cafezinho 256 – Mundos Morais
Cafezinho 256 – Mundos Morais
Talvez vivamos em mundos morais diferentes e nenhum ...

Ver mais

Cafezinho 255 – Melhores Inimigos
Cafezinho 255 – Melhores Inimigos
Queremos é o barraco

Ver mais

A ética da agressão

A ética da agressão

Luciano Pires -

Fiz uma série de programas discutindo a questão da maioridade penal e a área de comentários do site pegou fogo. Muita gente a favor e muita gente contra, debatendo um tema polêmico que sempre esquenta as discussões. Mas o que verdadeiramente me incomodou foi a quantidade de pessoas que não conseguem argumentar e apelam para o xingamento e desqualificação dos interlocutores.

É interessante, pois aparentemente todos querem o mesmo objetivo, uma sociedade mais justa, mais segura, mais harmoniosa. Mas ao divergir sobre os métodos para atingir o paraíso, colocam as pessoas em campos opostos, como adversários numa disputa. Isso se reflete imensamente na nossa (in)capacidade de resolver os problemas. Posso estar motivado na busca de uma solução, mas ao me deparar com um adversário todas as minhas energias serão canalizadas para o enfrentamento, para me defender das ofensas e ataques, ou atacar. E, no processo, acabo me afastando do objetivo inicial, reduzindo meu ímpeto para fazer acontecer, aumentando o tempo para a resolução dos problemas. Ou simplesmente desistindo.

Um amigo relatou uma imagem que representa muito bem a realidade atual. Somos dois perdidos no oceano, num barquinho. Cada um se atacando com o remo, tentando impor seu jeito de remar. Quando colocamos o remo na água, giramos em círculos, incapazes de remar na mesma direção. Quanto dispêndio de energia!

Observe os grandes temas que tem ocupado nossas discussões: homo x hetero, liberação das drogas, legalização do aborto, cotas raciais, índios, agronegócio, infaestrutura… Todos são discutidos em termos de vencedores e vencidos, duelos e batalhas, conflitos e disputas. Não existe a busca por cooperação. Nem me refiro a consenso, pelo perigo de mediocrização das soluções, mas à cooperação, à conciliação.

Esqueça. Parece que a única forma de discutir um assunto é juntar o contra e o a favor e gritar: sangue!!!!

No livro The Argument Culture da autora Debora Tannen, encontrei muitas explicações para esse estado das coisas. Ela define ali a “ética da agressão”: passamos a valorizar as táticas agressivas pelo prazer de discutir, de confrontar, especialmente se existir uma plateia. Os que buscam a conciliação são os bobos, os manés…

E quando a imprensa entra no jogo, colocando lenha na fogueira, rotulando, tirando frases do contexto e incentivando o confronto, o bicho pega de vez.

De acordo com Tannen, as relações humanas nos obrigam a encontrar maneiras de obter dos outros o que desejamos, sem parecer que os estamos dominando. Quando agimos como adversários, inimigos, é muito fácil criar uma tensão, uma antipatia, um ressentimento, que permanecerão vivos mesmo depois de resolvida a questão. Assim, da próxima vez que encontrar meu adversário, não perderei a chance de me vingar da derrota passada. E passarei a avaliar suas propostas não pelo mérito das ideias, mas pela intenção de derrotá-lo.

Ah, é isso que você está vendo por aí?

Pois é.

Luciano Pires