Artigos Café Brasil
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

678 – Dominando a Civilidade
678 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

677 – Teorias da Conspiração
677 – Teorias da Conspiração
Vivemos numa sociedade assolada por grandes ...

Ver mais

676 – Homem na Lua 2
676 – Homem na Lua 2
Cinquenta anos atrás o homem pousou na Lua. Mas parece ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
Um dos mais influentes profissionais de comunicação ...

Ver mais

LíderCast 164 – Artur Motta
LíderCast 164 – Artur Motta
Professor que fez transição de carreira e usa podcasts ...

Ver mais

LíderCast 163 – Amanda Sindman
LíderCast 163 – Amanda Sindman
Profissional de comunicação, jornalista e mulher trans. ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Resumo da Aula 2 do Curso On-line de Filosofia (COF)
Eduardo Ferrari
Resumos e Artigos
A segunda aula do COF, ministrada em 21 de março de 2009, teve a duração de 3h43min e foi resumida em menos de cinco minutos de leitura, com o objetivo de levar ao conhecimento do leitor uma ...

Ver mais

A quem interessa a divisão da sociedade?
Jota Fagner
Origens do Brasil
O atual estado de intolerância ao pensamento diferente, manifesto nas agressões que começam nas redes sociais e terminam em confrontos físicos no meio da rua, é o resultado de um processo de ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – MORFOLOGIA CATEGOREMÁTICA (parte 2)
Alexandre Gomes
Depois de listar todas as CATEGORIAS DE PALAVRAS, de acordo com a Gramática Geral irei tratar com mais calma de cada categoria. Seguindo a lista da lição anterior, vamos começar pelo grupo das ...

Ver mais

Simples assim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Simples assim Excelência em Educação Dia 10 de agosto, compareci a um evento muitíssimo interessante. Estimulado pela chamada do convite eletrônico – Avanços na educação pública: o que podemos ...

Ver mais

Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
O problema do agrotóxico no Brasil não é dos ...

Ver mais

Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Ainda existe hoje uma cultura, muito estimulada por ...

Ver mais

Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Quem é o idiota que quer deliberadamente envenenar seus ...

Ver mais

Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Se não bastassem as dificuldades para comprar, ...

Ver mais

A Próxima Bomba

A Próxima Bomba

Luciano Pires -

No canal GNT foi ao ar algum tempo atrás um documentário sobre as crianças israelenses e palestinas, mostrando o ódio que aprendem a nutrir entre si desde que nascem. Depois de uma extensa negociação, no momento mais dramático, o jornalista reúne numa mesma sala os dois grupos inimigos. O clima é pesadíssimo. A desconfiança, o ódio e o medo impregnam o ambiente.

São crianças normais, bonitas e divertidas. Os olhares são curiosos, mas naquele instante elas só são crianças na forma, nas feições. A expressão dos olhares não deixa dúvidas: o sentimento é de medo e ódio ao inimigo.

Posso entender o medo no olhar de uma criança. Mas não entendo o ódio.

Eu também era criança quando comecei a acompanhar a questão Israel x Palestina. E como minha fonte de informação primária é a imprensa, desconfio. Cada um conta a história com as cores que lhe interessam e neste caso recente dos ataques israelenses à faixa de Gaza, a grande arma é mesmo a imprensa. Mais propriamente: as fotografias. Principalmente as fotografias das crianças. Não existe argumento que justifique uma imagem de crianças mortas, cena capaz de destruir nossa capacidade de discutir racionalmente as circunstâncias daquelas mortes.

Crianças mortas são uma ofensa à humanidade. Ponto. Não interessam as razões. Elas estão mortas e isso é inaceitável.

Imagens têm uma força genuína que muda a história. O general vietnamita dando um tiro na cabeça do prisioneiro algemado. A menina correndo nua com o corpo queimado pelo Napalm. O monge imolando-se em praça pública… Foram imagens fortes que mudaram o destino da guerra do Vietnan, por exemplo.

Mas imagens – quando na mídia – são mais que a captura de um momento. São editoriais. Opiniões emitidas por quem tem um lado.

Por isso desconfio. Desconfio do enquadramento. Da iluminação. Do vermelho do sangue. Do choro da mãe. Dos olhos abertos da criança morta. Do posicionamento da foto na página. Da sequência com que são publicadas. O terror da morte está lá, é inegável e indigno. Mas quem é que está me passando a mensagem? Que intenção está embutida nela? Que valores estão presentes ou ausentes? Se eu fosse palestino, como reagiria a ela? E se eu fosse israelense? Em que contexto a imagem foi obtida? Que reação pretendem que eu tenha diante dela? Indignação? Contra quem?

Estamos vivendo a guerra da propaganda, que extrapola o campo de batalha para tomar conta das televisões, jornais e revistas do mundo todo. Sempre foi assim, mas agora está mais rápido. Mais cru. Mais tendencioso. E com a internet, então, mais manipulável.

E não interessa se somos pró-israelenses ou pró-palestinos. Devemos ter o cuidado de ouvir todas as opiniões, conhecer não só o contexto histórico, mas principalmente as idéias, ideologias e valores de quem está nos transmitindo a informação. Sobre quem está tentando nos convencer acerca do certo ou do errado.

Crianças mortas serão sempre um erro. Concluir sobre as responsabilidades é muito mais complicado.

E então acontece um momento mágico naquele documentário do GNT.

O jornalista pergunta para as crianças sobre o que elas mais gostam e a resposta é imediata e unânime entre palestinos e israelenses: futebol.
E quando ele pergunta para quem elas torcem, abrem-se sorrisos e os olhares tornam-se cúmplices: Brasil. O clima de horror desaparece. O ódio transforma-se em sorrisos. Fica a paz, a satisfação. O futebol brasileiro, naquele momento, torna-se mais importante que a guerra. E as crianças esquecem as diferenças, quebram as barreiras e transformam-se naquilo que realmente são: crianças.



Pelo menos até a próxima bomba.