Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Olha, os dias andam um saco! Todo mundo nervoso, ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

5 ações de marketing para ajudar a superar a crise do coronavírus
Michel Torres
Negócios em todo o mundo estão sentindo os efeitos da pandemia: menos clientes, menor receita e o medo de não ter condições de aguentar esse tempo de prejuízo. Precisamos salvaguardar a saúde e o ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Qual janela você escolheu para ver o mundo?

Ver mais

A síndrome do consenso

A síndrome do consenso

Luciano Pires -

O Jornal Nacional teve em 2010 o menor índice de audiência dos últimos dez anos. Explicações ideológicas virão, mas não vou aqui focar no conteúdo político e ideológico do telejornal. Alô patrulheiros, entenderam? Não vou tratar aqui do conteúdo político e ideológico.  Tratarei de questões formais com base no que aprendi como palestrante: faltam erros no JN. Explico.

O JN é um telejornal extremamente bem acabado do ponto de vista estético. Soberbo. Reúne alguns dos melhores e mais experientes jornalistas brasileiros. É visível que cada fração de segundo é controlada. Tempos atrás o editor-chefe e apresentador Willian Bonner foi acusado de chamar os telespectadores do JN de “Hommers Simpsons”, em alusão ao personagem do desenho animado que é um sujeito medíocre. Foi um escândalo, Bonner se esmerou em esgrimar as palavras para tentar dizer que não era bem assim, mas sabemos que é assim. E aí está a pista para a queda do JN: a “Síndrome do Consenso”.

A Síndrome do Consenso é uma doença que acomete quem quer audiência cavalar (asinina deveria ser o termo): tem que agradar a gregos e troianos, tem que falar para o índio do Xingú, para a dona Maria de Nazaré das Farinhas e para o executivo da avenida Paulista. Então não pode ser erudito demais. Nem popular demais. Tira o sal, a pimenta… o tempero. Nivela até transformar em algo parecido com leite desnatado: aguado, sem gosto, sem graça. Sorrisos irônicos, expressões de medo, angústia, raiva ou indignação por parte dos apresentadores são proibidos por causa das patrulhas. Comentários pessoais então… 

E assim vemos uma coisa cada vez mais perfeita. E menos humana.

O surgimento em 2010 do Tiago Leifert, o garoto que revolucionou o jeito de apresentar o Globo Esporte, parece que não ensinou nada para a Globo. Muito diferente dos “mauricinhos” certinhos que o precederam, Tiago levou ao ar o espírito de um garotão – divertido, bonachão e irreverente. Imprevisível. Tremendo sucesso. O mesmo sucesso que fez o pessoal do Pânico quando encheu a tela de gente politicamente incorreta. O CQC foi na mesma linha. E se voltarmos no tempo, Chacrinha era assim. Faustão lá no Perdidos na Noite era assim. Quando surgiu, Ratinho era assim. Todos excessivos, escrachados, opiniáticos, não preocupados em ficar na média, sendo amados ou odiados, mas provocando e indignando.

Não acho que seja preciso ir a extremos, mas eu adoraria ver alguém de carne e osso, que faça xixi e cocô, apresentando o JN! Alguém que ri, chora e fica indignado. Alguém que erre! Que transmita a vibração do mundo real. To de saco cheio do bando de robôs lindos e desprovidos de sentimentos.

Pois é… Mas um ser humano com liberdade para verter lágrimas ou demonstrar ironia no comando do telejornal mais importante do Brasil agregaria uma carga de instabilidade e imprevisibilidade impossível de ser aceita pelos patrulheiros de plantão. Dentro e fora da Globo.  

Por isso não vi novidade quando soube que o JN perdeu um em cada quatro espectadores nos últimos dez anos. 

O JN não tolera erros. E quem não erra, humano não é.

Luciano Pires
PS: por favor, NÃO me mande emails comentando o posicionamento ideológico do JN. Esse não é o tema deste texto.