Artigos Café Brasil
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

678 – Dominando a Civilidade
678 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

677 – Teorias da Conspiração
677 – Teorias da Conspiração
Vivemos numa sociedade assolada por grandes ...

Ver mais

676 – Homem na Lua 2
676 – Homem na Lua 2
Cinquenta anos atrás o homem pousou na Lua. Mas parece ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
Um dos mais influentes profissionais de comunicação ...

Ver mais

LíderCast 164 – Artur Motta
LíderCast 164 – Artur Motta
Professor que fez transição de carreira e usa podcasts ...

Ver mais

LíderCast 163 – Amanda Sindman
LíderCast 163 – Amanda Sindman
Profissional de comunicação, jornalista e mulher trans. ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Resumo da Aula 2 do Curso On-line de Filosofia (COF)
Eduardo Ferrari
Resumos e Artigos
A segunda aula do COF, ministrada em 21 de março de 2009, teve a duração de 3h43min e foi resumida em menos de cinco minutos de leitura, com o objetivo de levar ao conhecimento do leitor uma ...

Ver mais

A quem interessa a divisão da sociedade?
Jota Fagner
Origens do Brasil
O atual estado de intolerância ao pensamento diferente, manifesto nas agressões que começam nas redes sociais e terminam em confrontos físicos no meio da rua, é o resultado de um processo de ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – MORFOLOGIA CATEGOREMÁTICA (parte 2)
Alexandre Gomes
Depois de listar todas as CATEGORIAS DE PALAVRAS, de acordo com a Gramática Geral irei tratar com mais calma de cada categoria. Seguindo a lista da lição anterior, vamos começar pelo grupo das ...

Ver mais

Simples assim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Simples assim Excelência em Educação Dia 10 de agosto, compareci a um evento muitíssimo interessante. Estimulado pela chamada do convite eletrônico – Avanços na educação pública: o que podemos ...

Ver mais

Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
O problema do agrotóxico no Brasil não é dos ...

Ver mais

Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Ainda existe hoje uma cultura, muito estimulada por ...

Ver mais

Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Quem é o idiota que quer deliberadamente envenenar seus ...

Ver mais

Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Se não bastassem as dificuldades para comprar, ...

Ver mais

As Trombadas

As Trombadas

Luciano Pires -

Estive dezenas de vezes em diversas cidades dos EUA, onde volta e meia me deparava com acidentes de trânsito. Nunca eram pequenas batidas, mas escandalosos acidentes com automóveis destruídos e vítimas fatais, coisas graves mesmo. Eu examinava os arredores: o pavimento perfeito, a sinalização perfeita, áreas de escape à vontade e uma profunda disciplina com respeito às leis de trânsito. Quem já enfrentou um cruzamento sem farol nos EUA e viu cada um respeitando a hierarquia do outro sabe do que estou falando. Por isso eu nunca me conformava:

– Cada baita trombada, sô!

Concluí que a razão é uma só: eles não sabem dirigir defensivamente. Atiram-se às ruas confiando cegamente nos outros motoristas. Têm certeza que ninguém mudará de faixa, ninguém ultrapassará pela direita, ninguém cruzará o sinal vermelho, ninguém trafegará acima do limite. Quando surge um fariseu quebrando as regras, pega todos desprevenidos. Não há tempo para brecar, desviar ou simplesmente deixar passar. E então acontecem as colisões. Aliás, as “trombadas”, como se dizia em Bauru.

Quando comparo com o Brasil, não deixo de me divertir. Aqui aprendemos a dirigir defensivamente. Temos certeza que o outro motorista vai mudar de faixa. Que um maluco vai cruzar o farol vermelho. Que um idiota vai ultrapassar pela direita. Que um motoqueiro vai sair do nada pra entrar debaixo do nosso carro. Que o caminhão estará em banguela na descida. Estamos sempre preparados para o pior. Quando batemos, não são “trombadas”. São colisões. Um amassado aqui, um arranhão ali, discussões, encheção de saco  – e a vida continua.

Pausa. Preciso colocar aqui um “existem exceções” que evitará que uns chatos me encham a caixa postal de emails repletos de “mas”.

Voltando ao tema: brasileiros sempre esperam pelo pior. Nossos processos e atitudes sempre têm uma “saída pela esquerda”. Sempre há um “colchão”. Guardamos sempre uma gordurinha para queimar, uma alternativa para adotar, uma saída de emergência. Nunca somos enxutos, definitivos ou focados em alvos milimétricos. Nossos alvos são grandes, podemos acertar no centro, nas margens… E assim vamos vivendo, com o famoso jogo de cintura que às vezes chamamos de “jeitinho”.

Quando damos de cara com um estadunidense, japonês ou alemão, é conflito na certa. Esses caras são “sharp”. Não têm margens para manobra. Quando têm, as margens fazem parte do plano. Os gringos têm uma expressão (“just in case”) que equivale ao nosso “vai que”, que eles usam para as exceções. Nós usamos como regra…

Vejo um pouco dessa nossa “flexibilidade” nos italianos, portugueses e latinos em geral. Mas no Brasil ela é meio de vida.

Portanto não é de estranhar que na tal crise global assistimos os EUA e a Europa entrando pelo cano desesperados enquanto aqui vamos levando a coisa com relativa calma. E, por favor, não venham me dizer que o mérito é do Lula. O mérito é de nossa direção defensiva. A gringalhada nunca se preparou para a crise. Nós nascemos nela. Vivemos com ela. Precisamos dela.

O que fazer? Manter o seguro em dia, os reflexos em forma e torcer para que o trânsito melhore. E nunca, jamais, cismar de dirigir aqui como os gringos fazem lá.

Nada disso garante que vamos escapar das trombadas. Mas ajuda para que sejam só trombadinhas.

Xi!…