Artigos Café Brasil
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

674 – Balde de Caranguejos
674 – Balde de Caranguejos
O termo “mentalidade de caranguejo” é utilizado em ...

Ver mais

673 – LíderCast 12
673 – LíderCast 12
Mais uma temporada do LíderCast, agora é a 12. Mais um ...

Ver mais

672 – A mão invisível do mercado
672 – A mão invisível do mercado
Você certamente já ouviu falar de livre mercado, aquele ...

Ver mais

Café Brasil 671 – Antifrágil
Café Brasil 671 – Antifrágil
Um dos livros sumarizados no Café Brasil Premium foi o ...

Ver mais

LíderCast 161 – Murilo Gun
LíderCast 161 – Murilo Gun
Criador, inovador, pensador, provocador. Uma figura ...

Ver mais

LíderCast 160 – Parker Treacy
LíderCast 160 – Parker Treacy
Norte americano do setor automotivo ­financeiro, ...

Ver mais

LíderCast 159 – Paulo Ganime
LíderCast 159 – Paulo Ganime
Jovem deputado federal pelo partido Novo, engenheiro e ...

Ver mais

LíderCast 158 – Georgios Frangulis
LíderCast 158 – Georgios Frangulis
Fundador e CEO da Oakberry Açaí Bows, que está ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Resumos das aulas do COF e temas diversos
Eduardo Ferrari
Resumos de aulas do COF
Bom dia, Boa Tarde, Boa noite! Vida longa ao Café Brasil e à Confraria! Em primeiro lugar, gostaria de agradecer ao Luciano Pires pelo espaço e a oportunidade de publicar alguns dos meus resumos. ...

Ver mais

Não se sai do campo de concentração de ônibus com ar condicionado….
Carlos Nepomuceno
LIVE COMPLETA.

Ver mais

Velhos amigos
Chiquinho Rodrigues
Como é que pôde um simples pedaço de pau, preso em seis cordas, mexer tanto  com a vida de uma pessoa?

Ver mais

A análise do discurso histórico do Paulo Guedes na XP
Carlos Nepomuceno
LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157462927933631

Ver mais

Cafezinho 195 – No mundo da lua
Cafezinho 195 – No mundo da lua
Colocar o homem na lua custou mais de 20 bilhões de ...

Ver mais

Cafezinho 194 – O banco
Cafezinho 194 – O banco
E aquele monte de dinheiro à minha disposição? Esqueça. ...

Ver mais

Cafezinho 193 – A zona do equilíbrio
Cafezinho 193 – A zona do equilíbrio
Quer saber? Antes de ser do meretrício, as zonas eram ...

Ver mais

Cafezinho 192 – A arte de comer picanha
Cafezinho 192 – A arte de comer picanha
Antes de dizer “não comi e não gostei” ou “não leio ...

Ver mais

Crônica para Charlie Hebdo

Crônica para Charlie Hebdo

Luciano Pires -

O atentado ao jornal Charlie Hebdo, que terminou com 12 mortos, entre eles cinco cartunistas franceses de grande expressão, fez com que aquele clima de ano novo, de esperança, de “agora vai”, fosse apagado num piscar de olhos. Saímos do sonho para a realidade em meio à barbárie. Pensei numa forma de escrever sobre o tema sem cair no nhénhénhém dos críticos sociais de Facebook que hoje abundam. Vamos ver se consigo.

Para mim é impossível imaginar que alguém possa perder a vida por manifestar sua opinião, por mais imbecil, ofensiva, preconceituosa ou violenta que seja. No entanto, tem gente que não só acha que é possível como defende os assassinos! Não sei quem é mais bárbaro…

Opiniões devem ser combatidas com opiniões. Ou com a lei. Quando a opinião é calada pela violência física, econômica, psicológica ou de que forma seja, à margem da justiça, deixamos de viver num estado de direito para experimentar uma ditadura onde vence o mais forte, o mais violento, o que menos se importar com o ser humano. Onde acaba o direito.

E veja que interessante: justamente por não aceitar essa violência é que tolero ler o raciocínio idiota de gente que culpa as vítimas. Aliás, li nas mídias sociais manifestações que praticamente justificaram o atentado, e que me deram vergonha de ser humano.

Atenção, eu não escrevi “do ser humano”, mas “de ser humano”.

Fiquei realmente impactado com o acontecimento, me recolhi a meus livros e num deles encontrei uma imagem que, para mim, serve como a Crônica à Charlie Habdo. É a imagem que ilustra este texto.

Trata-se de uma pintura que está no Museu Nacional de Varsóvia, na Polônia, um dos trabalhos mais famosos do pintor polonês Jan Matejko, que realizou a obra em 1862, quando tinha apenas 24 anos de idade.

Matjeko pintou Stańczyk, o bobo da corte, durante um baile quando a Polônia estava no auge de seu poder cultural, econômico e político. Era a Renascença polonesa no reinado de Sigismundo I, o Velho, entre 1506  e 1548.

Além da fama como bobo da corte, Stańczyk era conhecido e respeitado por sua eloquência, inteligência e perspicácia. Diferente dos bobos da corte de outros países, era considerado muito mais que um palhaço. Era um homem sábio que usava a sátira, a ironia e o humor para comentar o passado, o presente e futuro do país. Como os bobos da corte, Stańczyk  exagerava até o grotesco os vícios e características da sociedade. Como os bobos da corte, era o único súdito a quem era permitido gozar o rei…

E o que essa imagem tem de especial? Bem, o título da obra é “Stańczyk durante um baile na corte da Rainha Bona, diante da perda de Smolensk”.

O bobo da corte é representado de forma sombria, triste, pensativo, enquanto a festa acontece em outra sala. Sobre a mesa, uma carta com a data 1514 e o nome Smolensk, que era uma das maiores cidades da união Lituânia/Polônia. A carta dava conta da tomada da cidade pelo exército de Vasily III da Russia.

O palhaço, o bobo, o gozador, é o único a perceber a gravidade do que estava acontecendo.

Enquanto isso, a corte bailava.

Feliz ano novo.