Artigos Café Brasil
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

682 – LíderCast 13
682 – LíderCast 13
É isso que é o LíderCast. Uma homenagem a quem ...

Ver mais

681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
Agrotóxicos surgiram na Segunda Guerra Mundial, para ...

Ver mais

680 – Nova Previdência 2
680 – Nova Previdência 2
A Nova previdência é o primeiro passo para colocar o ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
Marilia Guimarães e Eduardo Dantas – a dupla ...

Ver mais

LíderCast 168 – Pedro Hipólito
LíderCast 168 – Pedro Hipólito
CEO da Five Thousand Miles, empresa portuguesa que se ...

Ver mais

LíderCast 167 – João Kepler
LíderCast 167 – João Kepler
Especialista em empreendedorismo, startups, marketing e ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro exagera?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Como se já não enfrentássemos todos os problemas possíveis – e mais uns imaginados – Bolsonaro parece se esforçar para piorar os reais e parir os imaginários. Por qual razão o ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – CARACTERÍSTICAS GRAMATICAIS DOS SUBSTANTIVOS (parte 3)
Alexandre Gomes
Até agora mostrei maneiras um pouco diferentes de se ver um SUBSTANTIVO. Usando um tanto de Lógica e  Filosofia para explicar SUBSTANTIVOS e ADJETIVOS. E só para te lembrar: toda a Realidade é ...

Ver mais

Viva Narciso
Jota Fagner
Origens do Brasil
A nossa vaidade nos impede de construir um ambiente mais tolerável A palavra “insentão”, popularizada nos últimos anos, serve para classificar a pessoa que não se deixa iludir pelo canto da ...

Ver mais

O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento  “A leitura é a chave para se ter um universo de ideias e uma tempestade de palavras.” Eduarda Taynara Gonçalves Pereira  (ex-aluna da EEEP ...

Ver mais

Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Basta uma olhada nos jornais televisivos diários para ...

Ver mais

Cafezinho 210 – Gosto médio
Cafezinho 210 – Gosto médio
Vida em sociedade implica no exercício diário da ...

Ver mais

Cafezinho 209 – Sobre fatos e desejos
Cafezinho 209 – Sobre fatos e desejos
Quem mostra a você o ato, conclui a intenção e sonega a ...

Ver mais

Cafezinho 208 – O Mas
Cafezinho 208 – O Mas
Preste atenção em quem usa o “mas” como desculpa ou ...

Ver mais

De frente para o vazio

De frente para o vazio

Luciano Pires -

Dez anos atrás, em Manhattan, escrevi um texto que repriso hoje.

Aqui estou, no “Ground Zero”, ao sul de Manhattan, onde há pouco mais de um ano se erguiam as torres imponentes do World Trade Center. São duas da manhã. Barracas vendendo quinquilharias para todo lado, gente do mundo inteiro olhando aquele canteiro de obras.

No dia seguinte, passo por lá outra vez. Com o sol brilhando é possível perceber o tamanho da tragédia. Caminhando pelas avenidas retilíneas de Manhattan é impossível olhar para aqueles outros prédios sem imaginar o que foi a cena do avião entrando pela parede. O barulho infernal, a bola de fogo e a queda das torres. Na descrição de quem viu, primeiro um barulho de aço torcido e depois uma sequência de explosões sincronizadas, conforme cada andar vinha abaixo.

E a nuvem de cinzas e pó.

Em pé, de frente para aquela área imensa, vazia, a mente voa. Terá sido assim – guardando as proporções – a Londres depois dos bombardeios alemães? Hiroxima e Nagasaki? O Libano? A Sérvia? E todos os conflitos onde o homem lançou suas armas de destruição atingindo a população civil? Talvez, mas com as torres gêmeas havia uma diferença fundamental, não existia uma guerra. E vem daí o choque: houvesse a guerra, seria de se esperar.

Agora eu estava ali, ao vivo, vendo milhares de oferendas penduradas nas paredes próximas, as fotos dos desaparecidos, os bilhetes de seus familiares e amigos. Uma bandeira do Brasil com várias frases. Uma garota, cara de chinesa, pendurando um bilhete na cerca, com palavras de amor e saudades para uma das vítimas.

De frente para o vazio é impossível não imaginar o que vem depois. A obra de Bin Laden foi perfeita na execução, nos objetivos, na eficiência e na capacidade de chocar. E agora, o que é que pode nos chocar? Um artefato atômico dentro da grande cidade? Pode apostar. E com consequências muito mais catastróficas! Mas não tenho certeza se repetindo o impacto de 11 de setembro de 2001.

Aquele canteiro de obras é uma cicatriz gigantesca, mas que só dói mais que as tragédias do Oriente Médio, da África, da Europa Central porque foi ao vivo, em cores, atingindo gente igual a gente e não uma tribo perdida num país de nome estranho.

Dói porque teve mídia.

De frente para o vazio, revivo cada momento daquela manhã. Ouço os sons, sinto o cheiro, sufoco com o pó, corro de medo, choro com o bombeiro, pego no colo a criança, grito por vingança. De frente para o vazio, me pergunto o que mudou depois de 11 de setembro. E descubro, entristecido, que quem mais sofreu foi a liberdade. Passamos a ser mais vigiados, mais restringidos, mais desconfiados.

De frente para o vazio, senti meu coração vazio. Louco para voltar para a paz (!), a segurança (!), a falta de preconceito (!) do meu Brasil.

Ao menos para isso serviu aquela tragédia.

Luciano Pires