Artigos Café Brasil
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

678 – Dominando a Civilidade
678 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

677 – Teorias da Conspiração
677 – Teorias da Conspiração
Vivemos numa sociedade assolada por grandes ...

Ver mais

676 – Homem na Lua 2
676 – Homem na Lua 2
Cinquenta anos atrás o homem pousou na Lua. Mas parece ...

Ver mais

675 – Homem na lua
675 – Homem na lua
Em 20 de Julho de 1969 uma nave feita pelo homem pousou ...

Ver mais

LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
Um dos mais influentes profissionais de comunicação ...

Ver mais

LíderCast 164 – Artur Motta
LíderCast 164 – Artur Motta
Professor que fez transição de carreira e usa podcasts ...

Ver mais

LíderCast 163 – Amanda Sindman
LíderCast 163 – Amanda Sindman
Profissional de comunicação, jornalista e mulher trans. ...

Ver mais

LíderCast 162 – Aldo Pini
LíderCast 162 – Aldo Pini
Ex-diretor de planejamento da agência África, que ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Simples assim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Simples assim Excelência em Educação Dia 10 de agosto, compareci a um evento muitíssimo interessante. Estimulado pela chamada do convite eletrônico – Avanços na educação pública: o que podemos ...

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2019
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2019 Memoráveis citações “O Brasil é um país onde você passa quinze dias fora e muda tudo, mas passa quinze anos fora e não muda nada.” Cássio Casseb  “Quando alguém tem ...

Ver mais

O que podemos aprender com a tragédia que virá da Argentina?
Carlos Nepomuceno
O que podemos aprender com a tragédia que virá da Argentina? Live completa.

Ver mais

Ni nóis não
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A história todo mundo conhece, pelo menos no enredo do samba: Criminosos de extenso currículo (estelionatários, ladrões, traficantes) foram contratados para espionar telefones privados de ...

Ver mais

Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Quem é o idiota que quer deliberadamente envenenar seus ...

Ver mais

Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Se não bastassem as dificuldades para comprar, ...

Ver mais

Cafezinho 201 – Agrotóxicos – melhor seria não usar
Cafezinho 201 – Agrotóxicos – melhor seria não usar
Agrotóxicos são a bola da vez. Da forma como é ...

Ver mais

Cafezinho 200 – Food For Fish
Cafezinho 200 – Food For Fish
"Food for fish"- Comida Pra peixe - é uma expressão que ...

Ver mais

Debaixo de vara

Debaixo de vara

Luciano Pires -
“Me preocupa um ex-presidente da República ser conduzido debaixo de vara”, disse o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), sobre a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para prestar depoimento à Polícia Federal no âmbito das investigações da Operação Lava Jato.
 
“Debaixo de vara”… logo vem à mente a imagem de Lula protegendo a cabeça enquanto agentes da polícia descem a vara sobre ele não é? Mas de onde vem essa vara? Fiquei curioso e fui atrás:
 
A vara, como insígnia do poder dos juízes, vem lá da Roma antiga. A vara era uma haste que os juízes conduziam para serem reconhecidos, também servindo para distinguir os juízes letrados dos leigos. Os letrados carregavam uma vara branca, os leigos uma vara vermelha. Filipe I, da Espanha, sancionou em 1595 as Ordenações Filipinas, uma compilação jurídica que entrou em vigência no reinado de Filipe II, em 1603 e que constituíram a base do Direito Português, com muitas de suas disposições tendo vigência no Brasil até o advento do Código Civil de 1916. Nelas havia até uma previsão de multa aos juízes que saíssem às ruas sem a vara:
 
“E os juízes ordinários trarão varas vermelhas e os juízes de fora brancas continuadamente, quando pella Villa andarem, sob pena de quinhentos réis, por cada vez, que sem ella forem achados” (Ordenações Filipinas, Liv. 1, Título LXV).
Na parte criminal, as Ordenações determinavam que os oficiais de justiça poderiam conduzir testemunhas e réus que resistissem ao convite, debaixo de vara, isto é, à força. O sujeito era conduzido debaixo da vara do juiz…
No Brasil, o Código de Processo Criminal do Império, promulgado em 29 de novembro de 1832, disciplinou a matéria da seguinte forma:
 
“Art. 95. As testemunhas, que não comparecerem sem motivo justificado, tendo sido citadas, serão conduzidas debaixo de vara, e soffrerão a pena de desobediencia.”.
 
Com o Código do Processo Penal de 1941 o uso da vara nas conduções coercitivas desapareceu:
 
“Art. 218. Se, regularmente intimada, a testemunha deixar de comparecer sem motivo justificado, o juiz poderá requisitar à autoridade policial a sua apresentação ou determinar seja conduzida por oficial de justiça, que poderá solicitar o auxílio da força pública.”
O termo “vara” então, deixou de designar um bastão para designar o local do exercício da magistratura, uma espécie de sinônimo de juízo. “Vara da Infância e Juventude”, “Vara do Trabalho”, “Vara da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher”, etc.
 
Mas e a vara do Lula? No despacho/decisão do Juiz Sérgio Moro para a condução coercitiva de Lula (http://bit.ly/1StXTB1) está escrito (as palavras em maiúsculas estão no texto original):
“Evidentemente, a utilização do mandado só será necessária caso o ex-presidente, convidado a acompanhar a autoridade policial para prestar depoimento na data das buscas e apreensões, não aceite o convite. Expeça-­se quanto a ele mandado de condução coercitiva, consignando o número deste feito, a qualificação e o respectivo endereço extraído da representação.
Consigne-­se no mandado que NÃO deve ser utilizada algema e NÃO deve, em hipótese alguma, ser filmado ou, tanto quanto possível, permitida a filmagem do deslocamento do ex-­Presidente para a colheita do depoimento.
Na colheita do depoimento, deve ser, desnecessário dizer, garantido o direito ao silêncio e a presença do respectivo defensor.
O mandado SÓ DEVE SER UTILIZADO E CUMPRIDO, caso o ex-Presidente, convidado a acompanhar a autoridade policial para depoimento, recuse­-se a fazê­-lo.”
 
Por duas vezes está escrito: a vara só será usada se o ex-Presidente se recusar a acompanhar a autoridade policial. Conforme relato do delegado que foi buscar o ex-presidente, Lula primeiro teria afirmado que só sairia de casa algemado, mas depois de conversar com seu advogado, acompanhou os policiais, que chamou de “gentis e educados” até o local designado para prestar o depoimento.
Não houve portanto, o uso da vara.
 
O que me deixa invocado com essa história é que, se fosse comigo e eu dissesse um “mas” para o delegado, também não haveria vara.
 
Haveria pescoção.
 
Afinal, sou um brasileiro de categoria inferior à de Lula, não é?