Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Olha, os dias andam um saco! Todo mundo nervoso, ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

5 ações de marketing para ajudar a superar a crise do coronavírus
Michel Torres
Negócios em todo o mundo estão sentindo os efeitos da pandemia: menos clientes, menor receita e o medo de não ter condições de aguentar esse tempo de prejuízo. Precisamos salvaguardar a saúde e o ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Qual janela você escolheu para ver o mundo?

Ver mais

Depende do ponto

Depende do ponto

Luciano Pires -

O Island Peak no Nepal

Em oito de abril de 2001 eu estava a 4.300 metros de altitude, num povoado chamado Dingboche – mais propriamente um ajuntamento – no Nepal, a caminho do Campo Base do Everest. Chegamos até lá depois de passar pelo monastério de Tiangboche, onde assisti ao pôr do sol mais fantástico de minha vida. Relato esse momento emocionante em meu site www.omeueverest.com.br e no livro e palestra homônimos. Em meio àquele espetáculo reparei num morrinho em frente ao imponente Everest. Perguntei ao guia:

– Que morrinho é aquele?

– É o Island Peak, uma montanha com 6.180 metros de altura…

O tal “morrinho” tinha o dobro da altura do pico mais alto do Brasil! Perplexo, descobri que eu estava vivendo uma crise de paridade.

Paridade quer dizer igualdade, equidade. Designa o processo que usamos para entender o mundo. Por exemplo, quando vamos comprar um carro, comparamos os atributos da oferta (potência, design, preço, consumo, etc) com tudo o que conhecemos sobre automóveis. Praticamos um exercício de paridade. E concluímos se o negócio é bom.

Mas na trilha do Everest, a paridade era impossível. Não tínhamos árvores, ônibus, prédios, casas ou estradas. Nada familiar, que nos ajudasse a fazer as comparações a que estamos acostumados para determinar distâncias, dimensões e tempo. Sem referências, a imensa montanha virava um morrinho… Os vinte minutos que achávamos que levaríamos “daqui até ali”, demorava duas horas.

Porém, numa coisa a paridade estava presente. Eu estava num lugar onde não existe um interruptor na parede para ligar a luz. A vida é mantida por um aquecedor no centro da sala das casas, cujo combustível é estrume seco. As mulheres tomam banho com uma bacia na soleira da porta da rua. As crianças andam sem a parte de baixo da roupa, até mesmo descalças, em temperaturas abaixo de zero. Eu vi a miséria de um jeito como nunca pensei que veria. Ao retornar ao Brasil, encontrei o país mergulhado numa grande discussão alimentada pelo PT em campanha eleitoral: éramos um país de miseráveis! Mais de 40 milhões de infelizes abandonados. Fui atrás. Afinal, quantos miseráveis existiam no Brasil? Num estudo da Fundação Getúlio Vargas, encontrei 59 milhões. No programa Fome Zero achei 46 milhões. Nos documentos do PT, o número usado para se eleger: 44 milhões. Num trabalho do IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, do Ministério do Planejamento, 22 milhões. E num trabalho da pesquisadora Sonia Rocha do IBRE – Instituto Brasileiro de Economia, da FGV, 16 milhões…

Bem, 59, 46, 44, 22, 16, não importa. Ninguém pode se conformar com a existência de um miserável que seja. Mas quando ouvi o rótulo de “país de miseráveis”, imediatamente pratiquei a paridade. Eu havia acabado de ver a miséria com 15 graus abaixo de zero! E minha conclusão foi: comparado ao Nepal, somos um país abençoado.

A cada dia tenho mais certeza de que o Brasil tem uma lixeira. Mas por mais que tentem nos convencer, o Brasil não é a lixeira. Só que para acreditar nisso é necessário ter com o que comparar.

O ponto de vista depende do ponto.

Luciano Pires