Artigos Café Brasil
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

665 – O Vale
665 – O Vale
A trilha para o sucesso envolve trabalho duro e ...

Ver mais

664 – Sobre lagartas e borboletas
664 – Sobre lagartas e borboletas
Cara, como mudar é difícil... perder peso...manter ...

Ver mais

663 – A crisálida
663 – A crisálida
A maturidade entende que existe a escuridão no mundo, ...

Ver mais

662 – A importância da cultura
662 – A importância da cultura
Qual a importância da cultura? Que baita pergunta do ...

Ver mais

LíderCast 153 – Rafael Bernardes
LíderCast 153 – Rafael Bernardes
Empreendedor em TI, que capacita outros profissionais ...

Ver mais

LíderCast 152 – Lucia Moyses
LíderCast 152 – Lucia Moyses
Escritora, psicóloga e neuropsicóloga, um papo sobre ...

Ver mais

LíderCast 151 – Irineu Toledo
LíderCast 151 – Irineu Toledo
Radialista, uma das vozes mais marcantes e conhecidas ...

Ver mais

LíderCast 150 – Ana Letícia Maciel
LíderCast 150 – Ana Letícia Maciel
Executiva que larga tudo para empreender com um ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Eu não acredito na democracia moderna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Eu não acredito na democracia representativa moderna. * * * Concordo com Schumpeter: no modelo de democracia do século XX, os indivíduos comuns são simplesmente consumidores de produtos políticos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro tende a ser considerado melhor presidente do país até 2022?
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157323556458631

Ver mais

Em defesa do Olavo de Carvalho
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Amigos, as revistas Veja e Isto É decidiram atacar o escritor Olavo de Carvalho nas matérias centrais das suas edições da semana. A que se deve esse ataque, orquestrado pelas duas maiores ...

Ver mais

O like é a droga do século
Henrique Szklo
O sistema em que vivemos foi criado com o objetivo claro de deixar-nos ansiosos e estressados para que utilizemos o consumo como forma de aplacar nossa desventura crônica. Mas surpreendentemente ...

Ver mais

Cafezinho 178 – O Exorcista
Cafezinho 178 – O Exorcista
O Brasil está sofrendo um imenso exorcismo, e o demônio ...

Ver mais

Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
A negatividade tem suas raízes no medo de ser ...

Ver mais

Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Gostou? Compartilhe! Só assim, fazendo a nossa parte, ...

Ver mais

Cafezinho 175 – Não use sua ignorância
Cafezinho 175 – Não use sua ignorância
Quando você não conhece o objeto de sua análise, será ...

Ver mais

Lá Vem O Negão

Lá Vem O Negão

Luciano Pires -

– Lá vem o negão… Cheio de paixão… Te catá, te catá, te catá… Foi em 1994 que o Cravo e Canela – um daqueles grupos musicais que surgem com um sucesso para desaparecer em seguida – lançou a música “Lá vem o negão”.
Pois sempre que vejo as cenas do Supremo Tribunal Federal tratando do caso dos mensaleiros, o refrão volta: “Lá vem o negão. Cheio de paixão. Te catá, te catá…”
Pretendo mandar a música de presente pro Zé Dirceu e seus companheiros. Eles saberão que por “negão” me refiro a Joaquim Benedito Barbosa Gomes, primeiro negro nomeado ministro do Supremo Tribunal Federal. O ministro Joaquim Barbosa, como relator do processo do “mensalão”, desempenhou papel fundamental na transformação daqueles 40 “suspeitos” em réus, que responderão por formação de quadrilha, peculato, evasão de divisas, lavagem de dinheiro, etc, etc, etc…
Tem gente que vai achar ruim – talvez até me chamem de racista – eu chamar o Ministro de “negão”. Não percam tempo. Não existe outro termo. Ele é negão, sim senhor, um rótulo políticamente incorreto mas impossível de ser substituído. Afro-brasileiro não carrega o afeto que o termo “negão” expressa. Tem que ser “negão” mesmo…
Olha o que achei sobre ele, em artigo do Correio Braziliense:



“Em 1970, um adolescente pobre da cidade de Paracatu (MG) mudou-se para Brasília em busca de estudo. Tinha 16 anos. A cidade natal era muito pequena, com horizontes igualmente curtos. Conseguiu uma vaga no colégio Elefante Branco. Ia a pé ao colégio. Formou-se e passou no vestibular para Direito, na Universidade de Brasília. Morou em várias repúblicas estudantis. Trabalhava das onze da noite às seis da manhã. Dormia à tarde e estudava entre seis da tarde e dez da noite. Formou-se, fez concurso público e conseguiu fazer mestrado e doutorado na Universidade de Paris. Ontem, no dia 7 de maio de 2003, o menino pobre, filho de pedreiro e dona de casa, voltou a Brasília. Desta vez, para ser indicado a um posto na mais alta corte do país. Joaquim Benedito Barbosa Gomes será o primeiro negro a ocupar uma vaga no Supremo Tribunal Federal. Há dez anos, em Paris, foi perguntado por um ministro do Supremo francês sobre suas chances de chegar ao STF brasileiro. A resposta foi imediata: ´Nenhuma´. Ligará para dar a notícia.”



Que história bonita, não? Ligar a televisão e ver sua figura, o único negro num grupo de brancos – a maioria com expressão de supremo enfado –, lutando para que a justiça prevaleça, tem sido um sopro de esperança para quem achava que o Brasil não tem mais jeito.
O Brasil tem jeito, sim. Quem não tem são alguns “brasileiros” que continuam achando que estão acima do bem e do mal.
O ministro Joaquim Barbosa – negro de origem humilde – talvez ainda não tenha percebido o que representa para a sociedade brasileira. Precisamos desesperadamente de referências políticas e culturais nas quais possamos confiar. De suas mãos podem sair decisões que vão ajudar a colocar o Brasil nos trilhos. E, num momento em que a mídia só dá espaço para oportunistas, bandidos, aproveitadores e medíocres, o negão Joaquim surge para nos redimir. Para baixar a crista dos que acham que podem tripudiar sobre a Justiça e a Moral.
Pois o negão que se cuide. Junto do Procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, está sob os holofotes. Será acusado de “jogar para a platéia”, de ególatra, de golpista e todos aqueles adjetivos que a turma dos quarenta usa quando se sente ameaçada. Torço sinceramente para que não apareça um daqueles “dossiês” capazes de manchar seu passado. 
Pois saiba, Senhor Ministro, que tenho a impressão de que o Brasil está a seu lado. O Brasil branco, o Brasil negro, o Brasil rico, o Brasil pobre, o Brasil honesto. O Brasil que o senhor representa. Continue sendo o negão, cheio de paixão, defendendo a dignidade e transformando quadrilheiros em réus. Precisamos de exemplos. Precisamos de referências. Sejam elas brancas, amarelas, vermelhas ou negras.
Cata eles, ministro. A trilha sonora a gente já tem:
– Lá vem o negão…