Artigos Café Brasil
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

No outono da vida

No outono da vida

Luciano Pires -

Enquanto escrevo estas linhas, no dia 23 de julho, recebo a notícia que Ariano Suassuna faleceu, compondo um quadro triste de perdas: dia 18 foi João Ubaldo Ribeiro e dia 19, Rubem Alves. Grandes nomes da cultura brasileira estão desaparecendo e parece que a velocidade das perdas tem aumentado. Será só impressão?

Vamos ver.

Puxando rapidamente pela memória, João Ubaldo se foi aos 73, Rubem Alves aos 80. Pouco antes perdemos Millôr Fernandes com 89, Max Nunes com 92 e Chico Anysio com 81. Com essas idades, é natural que essas pessoas estejam morrendo, mas ao mesmo tempo é preocupante.

Farei então uma reflexão estatística com base em dados que encontrei em fontes diversas, sem nenhuma preocupação científica. Estou interessado apenas no exercício da especulação criativa.

Alguns estudos indicam que 54% dos mortos no Brasil têm 60 anos de idade ou mais, todos naquele período da existência que costumávamos chamar de “outono da vida”. Existe um site que calcula por meio de estimativas estatísticas quantas pessoas morrem em média por dia ( http://bit.ly/VuJuKG ). Com base nele é possível estimar que tenhamos 1.308.547 mortes por ano no Brasil. Aplicando aquele índice de 54% chegamos à cifra anual de 706 mil mortos com mais de 60 anos.

Vivem no Brasil 25 milhões de pessoas nessa faixa de idade. Se 706 mil morrem por ano, temos um índice 2,8% de mortes. Esse índice para quem tem entre 20 e 59 anos de idade é de cerca de 0,4%. Ou seja: se você já passou dos 60 anos de idade, tem sete vezes mais probabilidade de morrer que seu filho de 30.

Óbvio, não é? Mas duvido que você já tivesse feito esses cálculos. Mais uma vez: isso é apenas uma especulação sem valor científico, mas que aposto não estar muito longe da verdade.

Muito bem. Provado matematicamente que qualquer pessoa que passe dos 60 anos de idade aumenta consideravelmente a chance de morrer, se prepare. Vou relacionar aqui umas pessoas de vários setores distintos da sociedade que já entraram na faixa de risco:

Caetano Veloso 72, Gilberto Gil 72, Roberto Carlos 73, Chico Buarque 70, Rita Lee 67, Silvio Santos 84, Jô Soares 76, Cauby Peixoto 80, Ferreira Gullar 84, Fernando Gabeira 73, Antonio Abujamra 83, Bibi Ferreira 92, Luís Fernando Veríssimo 76, Paulo Coelho 67, Ziraldo 82, Mauricio de Souza 79, Alberto Dines 82, Arnaldo Jabor 74, Marilia Gabriela 66, Abilio Diniz 78, Edir Macedo 69, Paulo Maluf 83, Fernando Henrique Cardoso 83, Lula 69, José Sarney 84, Fernando Collor de Mello 65, Dilma Roussef 67, José Dirceu 68… e por aí vai.

Para que nenhum pocotó entenda que estou desejando a morte das pessoas que listei acima, por mais tentador que possa ser em alguns casos, peço que leia de novo o texto. Se não entender, peça para alguém explicar.

Conclusão: os próximos anos estarão repletos de perdas impactantes, o que é absolutamente natural.

O que preocupa é a reposição.

Luciano Pires