Artigos Café Brasil
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

678 – Dominando a Civilidade
678 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

677 – Teorias da Conspiração
677 – Teorias da Conspiração
Vivemos numa sociedade assolada por grandes ...

Ver mais

676 – Homem na Lua 2
676 – Homem na Lua 2
Cinquenta anos atrás o homem pousou na Lua. Mas parece ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
Um dos mais influentes profissionais de comunicação ...

Ver mais

LíderCast 164 – Artur Motta
LíderCast 164 – Artur Motta
Professor que fez transição de carreira e usa podcasts ...

Ver mais

LíderCast 163 – Amanda Sindman
LíderCast 163 – Amanda Sindman
Profissional de comunicação, jornalista e mulher trans. ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Resumo da Aula 2 do Curso On-line de Filosofia (COF)
Eduardo Ferrari
Resumos e Artigos
A segunda aula do COF, ministrada em 21 de março de 2009, teve a duração de 3h43min e foi resumida em menos de cinco minutos de leitura, com o objetivo de levar ao conhecimento do leitor uma ...

Ver mais

A quem interessa a divisão da sociedade?
Jota Fagner
Origens do Brasil
O atual estado de intolerância ao pensamento diferente, manifesto nas agressões que começam nas redes sociais e terminam em confrontos físicos no meio da rua, é o resultado de um processo de ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – MORFOLOGIA CATEGOREMÁTICA (parte 2)
Alexandre Gomes
Depois de listar todas as CATEGORIAS DE PALAVRAS, de acordo com a Gramática Geral irei tratar com mais calma de cada categoria. Seguindo a lista da lição anterior, vamos começar pelo grupo das ...

Ver mais

Simples assim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Simples assim Excelência em Educação Dia 10 de agosto, compareci a um evento muitíssimo interessante. Estimulado pela chamada do convite eletrônico – Avanços na educação pública: o que podemos ...

Ver mais

Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
O problema do agrotóxico no Brasil não é dos ...

Ver mais

Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Ainda existe hoje uma cultura, muito estimulada por ...

Ver mais

Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Quem é o idiota que quer deliberadamente envenenar seus ...

Ver mais

Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Se não bastassem as dificuldades para comprar, ...

Ver mais

O Crítico E O Criativo

O Crítico E O Criativo

Luciano Pires -

Em minha palestra “O Meu Everest”, trato dos desconfortos da aventura de caminhar até o Acampamento Base do Monte Everest em 2001, enfrentando maratonas de mais de oito horas, banheiros deploráveis, frio, tonturas e vômitos. Ainda no Brasil, durante minha preparação psicológica para a aventura, considerei duas opções para encarar a viagem. Eu poderia adotar aquele ponto de vista tão comum a nosso dia-a-dia: o crítico, que nos faz analisar, usar a lógica. O ponto de vista crítico tem como base a negação: observamos as coisas com ceticismo, negamos, criticamos, destruímos e então fazemos nossas escolhas. Mas o olhar crítico seria uma opção perigosa. Imaginei-me usando a lógica nos sanitários do Everest…
A segunda opção era o ponto de vista criativo, quando usamos a percepção, desenhamos e exploramos. O ponto de vista criativo tem como base a inspiração. Nos momentos da viagem em que eu não me agüentava em pé, quando o frio era insuportável, o ar rarefeito, os enjôos permanentes, eu dava uma parada. Olhava para cima e via uma cadeia espetacular de montanhas, algumas com mais de oito mil metros de altura, cobertas de neve. Uma delas era o Everest, com sua crista de gelo soprando ao vento.
E então uma voz me sussurrava: “Ô meu, olha só onde você está! Na trilha do Everest! No sonho da sua vida! Tem que doer! Tem que ser difícil! Vencer essa dificuldade faz parte da trilha!”.
E eu ganhava novo ânimo para seguir em frente. Tivesse optado por entrar na viagem com o olhar crítico, da negação, ela nem teria começado. Foi o olhar criativo, inspirado, que transformou uma viagem que seria um inferno na maior experiência de minha vida.
Eu voltaria para lá mil vezes, sofrendo tudo outra vez…

A maioria das pessoas não entende isso, não consegue assimilar a idéia de passar frio, correr riscos e entregar-se a um sofrimento físico quase insuportável, “para nada”. E ainda achar legal!
Essas são as pessoas que optam pelo olhar crítico. Apenas crítico.
Um olhar necessário, que no final das contas é o que nos mantêm vivos.
Mas só o olhar crítico é perigoso… Faça um teste.

Esta noite, assista o Jornal Nacional. Veja o Willian Bonner e a Fátima Bernardes apresentando o Brasil dos noticiários e depois responda: que olhar eles usam para descrever o Brasil? O crítico ou o criativo?
Com a maior parte do programa focada nas tragédias, nos crimes, no desrespeito às leis e nas malandragens cotidianas, a resposta é fácil, né?
Todo dia somos expostos a uma visão violentamente crítica do Brasil. Todos os dias. De manhã. À tarde. À noite. Crítica, crítica, crítica.
Existem motivos para um olhar tão crítico? Claro que sim. Mas não podemos nos submeter a um olhar só crítico. Eu, do alto de meus 51 anos tenho condições de assistir a televisão, ler os jornais, ouvir o rádio e filtrar o que é bom, útil, motivador. Sei separar a verdade da mentira. Sei onde estão as tentativas de manipulação. E sei que o retrato real do Brasil não é aquele que está sendo apresentado.

Mas e meu filho de 24 anos? Minha filha de 17? O filho de oito anos de meu amigo? A sobrinha de seis anos de minha colega?
Que percepção de país está sendo criada na cabeça deles quando o único olhar possível é o crítico? Que percepção tem sido sistematicamente construída ao longo dos últimos trinta anos? A do país miserável, de ladrões, de enganadores, incompetentes. O país da violência e da impunidade. O país no qual não vale a pena estar…

Por isso a viagem dos brasileiros dói. É dura. Feia. Insuportável.

Só quando aprendermos a compensar o olhar crítico com uma boa dose de olhar criativo é que a viagem passará a valer a pena.