Artigos Café Brasil
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

666 – O diabo é o pai do rock
666 – O diabo é o pai do rock
Existem dezenas de explicações para o 666 ser chamado ...

Ver mais

665 – O Vale
665 – O Vale
A trilha para o sucesso envolve trabalho duro e ...

Ver mais

664 – Sobre lagartas e borboletas
664 – Sobre lagartas e borboletas
Cara, como mudar é difícil... perder peso...manter ...

Ver mais

663 – A crisálida
663 – A crisálida
A maturidade entende que existe a escuridão no mundo, ...

Ver mais

LíderCast 154 – Diógenes e Michelle Cezila
LíderCast 154 – Diógenes e Michelle Cezila
Empreendedores brasileiros, que se mudam para os ...

Ver mais

LíderCast 153 – Rafael Bernardes
LíderCast 153 – Rafael Bernardes
Empreendedor em TI, que capacita outros profissionais ...

Ver mais

LíderCast 152 – Lucia Moyses
LíderCast 152 – Lucia Moyses
Escritora, psicóloga e neuropsicóloga, um papo sobre ...

Ver mais

LíderCast 151 – Irineu Toledo
LíderCast 151 – Irineu Toledo
Radialista, uma das vozes mais marcantes e conhecidas ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Bolsonaro errou, mas nem tanto
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Bolsonaro fala demais, e sem freios. Não faz a necessária reflexão prévia. Ele precisa lembrar, urgentemente, que não é mais deputado nem está no balcão do boteco. O cargo que ocupa merece todo o ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – DIMENSÕES LÓGICA E PSICOLÓGICA DA LINGUAGEM (parte 8)
Alexandre Gomes
  Eu prometo que esse segundo capítulo vai acabar! Acho que terá umas 12 partes… Mas vamos lá! De volta à diversão. É claro que a linguagem tem aspectos LÓGICOS e PSICOLÓGICOS, veja ...

Ver mais

O Brasil da TV Globo, do Whatsapp e as manifestações do dia 26/05
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157340715398631 LINKS DAS OUTRAS LIVES: ...

Ver mais

Eu não acredito na democracia moderna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Eu não acredito na democracia representativa moderna. * * * Concordo com Schumpeter: no modelo de democracia do século XX, os indivíduos comuns são simplesmente consumidores de produtos políticos ...

Ver mais

Cafezinho 179 – Correndo riscos
Cafezinho 179 – Correndo riscos
Somos capazes de milagres quando parece que nada mais ...

Ver mais

Cafezinho 178 – O Exorcista
Cafezinho 178 – O Exorcista
O Brasil está sofrendo um imenso exorcismo, e o demônio ...

Ver mais

Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
A negatividade tem suas raízes no medo de ser ...

Ver mais

Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Gostou? Compartilhe! Só assim, fazendo a nossa parte, ...

Ver mais

O Crítico E O Criativo

O Crítico E O Criativo

Luciano Pires -

Em minha palestra “O Meu Everest”, trato dos desconfortos da aventura de caminhar até o Acampamento Base do Monte Everest em 2001, enfrentando maratonas de mais de oito horas, banheiros deploráveis, frio, tonturas e vômitos. Ainda no Brasil, durante minha preparação psicológica para a aventura, considerei duas opções para encarar a viagem. Eu poderia adotar aquele ponto de vista tão comum a nosso dia-a-dia: o crítico, que nos faz analisar, usar a lógica. O ponto de vista crítico tem como base a negação: observamos as coisas com ceticismo, negamos, criticamos, destruímos e então fazemos nossas escolhas. Mas o olhar crítico seria uma opção perigosa. Imaginei-me usando a lógica nos sanitários do Everest…
A segunda opção era o ponto de vista criativo, quando usamos a percepção, desenhamos e exploramos. O ponto de vista criativo tem como base a inspiração. Nos momentos da viagem em que eu não me agüentava em pé, quando o frio era insuportável, o ar rarefeito, os enjôos permanentes, eu dava uma parada. Olhava para cima e via uma cadeia espetacular de montanhas, algumas com mais de oito mil metros de altura, cobertas de neve. Uma delas era o Everest, com sua crista de gelo soprando ao vento.
E então uma voz me sussurrava: “Ô meu, olha só onde você está! Na trilha do Everest! No sonho da sua vida! Tem que doer! Tem que ser difícil! Vencer essa dificuldade faz parte da trilha!”.
E eu ganhava novo ânimo para seguir em frente. Tivesse optado por entrar na viagem com o olhar crítico, da negação, ela nem teria começado. Foi o olhar criativo, inspirado, que transformou uma viagem que seria um inferno na maior experiência de minha vida.
Eu voltaria para lá mil vezes, sofrendo tudo outra vez…

A maioria das pessoas não entende isso, não consegue assimilar a idéia de passar frio, correr riscos e entregar-se a um sofrimento físico quase insuportável, “para nada”. E ainda achar legal!
Essas são as pessoas que optam pelo olhar crítico. Apenas crítico.
Um olhar necessário, que no final das contas é o que nos mantêm vivos.
Mas só o olhar crítico é perigoso… Faça um teste.

Esta noite, assista o Jornal Nacional. Veja o Willian Bonner e a Fátima Bernardes apresentando o Brasil dos noticiários e depois responda: que olhar eles usam para descrever o Brasil? O crítico ou o criativo?
Com a maior parte do programa focada nas tragédias, nos crimes, no desrespeito às leis e nas malandragens cotidianas, a resposta é fácil, né?
Todo dia somos expostos a uma visão violentamente crítica do Brasil. Todos os dias. De manhã. À tarde. À noite. Crítica, crítica, crítica.
Existem motivos para um olhar tão crítico? Claro que sim. Mas não podemos nos submeter a um olhar só crítico. Eu, do alto de meus 51 anos tenho condições de assistir a televisão, ler os jornais, ouvir o rádio e filtrar o que é bom, útil, motivador. Sei separar a verdade da mentira. Sei onde estão as tentativas de manipulação. E sei que o retrato real do Brasil não é aquele que está sendo apresentado.

Mas e meu filho de 24 anos? Minha filha de 17? O filho de oito anos de meu amigo? A sobrinha de seis anos de minha colega?
Que percepção de país está sendo criada na cabeça deles quando o único olhar possível é o crítico? Que percepção tem sido sistematicamente construída ao longo dos últimos trinta anos? A do país miserável, de ladrões, de enganadores, incompetentes. O país da violência e da impunidade. O país no qual não vale a pena estar…

Por isso a viagem dos brasileiros dói. É dura. Feia. Insuportável.

Só quando aprendermos a compensar o olhar crítico com uma boa dose de olhar criativo é que a viagem passará a valer a pena.