Artigos Café Brasil
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

682 – LíderCast 13
682 – LíderCast 13
É isso que é o LíderCast. Uma homenagem a quem ...

Ver mais

681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
Agrotóxicos surgiram na Segunda Guerra Mundial, para ...

Ver mais

680 – Nova Previdência 2
680 – Nova Previdência 2
A Nova previdência é o primeiro passo para colocar o ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
Marilia Guimarães e Eduardo Dantas – a dupla ...

Ver mais

LíderCast 168 – Pedro Hipólito
LíderCast 168 – Pedro Hipólito
CEO da Five Thousand Miles, empresa portuguesa que se ...

Ver mais

LíderCast 167 – João Kepler
LíderCast 167 – João Kepler
Especialista em empreendedorismo, startups, marketing e ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro exagera?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Como se já não enfrentássemos todos os problemas possíveis – e mais uns imaginados – Bolsonaro parece se esforçar para piorar os reais e parir os imaginários. Por qual razão o ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – CARACTERÍSTICAS GRAMATICAIS DOS SUBSTANTIVOS (parte 3)
Alexandre Gomes
Até agora mostrei maneiras um pouco diferentes de se ver um SUBSTANTIVO. Usando um tanto de Lógica e  Filosofia para explicar SUBSTANTIVOS e ADJETIVOS. E só para te lembrar: toda a Realidade é ...

Ver mais

Viva Narciso
Jota Fagner
Origens do Brasil
A nossa vaidade nos impede de construir um ambiente mais tolerável A palavra “insentão”, popularizada nos últimos anos, serve para classificar a pessoa que não se deixa iludir pelo canto da ...

Ver mais

O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento  “A leitura é a chave para se ter um universo de ideias e uma tempestade de palavras.” Eduarda Taynara Gonçalves Pereira  (ex-aluna da EEEP ...

Ver mais

Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Basta uma olhada nos jornais televisivos diários para ...

Ver mais

Cafezinho 210 – Gosto médio
Cafezinho 210 – Gosto médio
Vida em sociedade implica no exercício diário da ...

Ver mais

Cafezinho 209 – Sobre fatos e desejos
Cafezinho 209 – Sobre fatos e desejos
Quem mostra a você o ato, conclui a intenção e sonega a ...

Ver mais

Cafezinho 208 – O Mas
Cafezinho 208 – O Mas
Preste atenção em quem usa o “mas” como desculpa ou ...

Ver mais

O desengajamento moral

O desengajamento moral

Luciano Pires -

O psicólogo e pedagogo canadense Albert Bandura estudou psicologia clínica e se destacou como pesquisador da teoria da aprendizagem social. Em seus estudos, desenvolveu o conceito do Desengajamento Moral, tratando dos mecanismos que chamou de “lacunas na consciência humana”, através dos quais as pessoas permitem a si mesmas praticar atos desumanos sem sofrer a angústia da autocondenação.

Normalmente jamais nos envolvemos em condutas prejudiciais a terceiros sem antes justificar a nós mesmos a moralidade de nossas ações. Nesse processo, tentamos fazer com que a conduta prejudicial a outros seja apresentada como algo valioso para propósitos morais e sociais superiores. E assim o que seria reprovável passa a ser aceitável. É quando vemos gente “de bem” cometendo as maiores barbaridades enquanto se considera agente da moralidade.

É o desengajamento moral que explica o guerreiro decapitando o inimigo na televisão… os homossexuais sendo atirados do alto de um prédio pelo crime de serem homossexuais… mulheres sendo apedrejadas por serem adúlteras… E para ficar aqui pertinho, dinheiro roubado em nome da causa; sua vizinha tão pacata saqueando o mercado quando não tem polícia… O que não falta são exemplos.

Bandura definiu 8 mecanismos de desengajamento moral: a Justificação Moral, a Linguagem Eufemística, a Comparação Vantajosa, a Difusão da Responsabilidade, o Deslocamento da Responsabilidade, a Distorção das Consequências, a Desumanização e a Atribuição da Culpa. Publiquei um Podcast no qual falo de cada um: http://www.portalcafebrasil.com.br/podcasts/543-desengajamento-moral/

O quem mais me fascina é a linguagem eufemística, que suaviza palavras ou expressões que possam ser rudes ou desagradáveis. É a arma perfeita para o desengajamento moral.

Você usa eufemismos desde que começou a falar. Por exemplo, chamando pênis de “piu-piu”. Não suaviza?

E então passamos a chamar caixa dois de “recursos não contabilizados”; ditadura de “democracia social”; censura à imprensa de “controle social”; demissões se transformam em “colaboração descontinuada”; privatização é chamada de “desestatização”. Percebe?

Cada eufemismo dá um alívio moral.

Uma das formas de eufemismo mais eficiente é a higienização, quando atividades perniciosas são disfarçadas de ações inocentes ou pelo bem de todos. Exemplos? Chamar “invasão” de “ocupação”; dizer que as pedaladas foram para pagar o Bolsa família; em vez de “operações de crédito”, chamar as operações ilegais entre a Caixa e o governo de “inadimplemento”. Na Odebrecht, o Departamento de Propinas foi chamado de ‘Departamento de Negócios Estruturados’. Viu só?

Nas guerras, “danos colaterais” são usados no lugar de “morte de civis inocentes”. Sentiu a pegada? “Danos colaterais” parece para-lamas amassado, não é? Já “morte de civis” é assassinato.

Quando você muda o rótulo, muda o sentido da ação. Mas o resultado permanece o mesmo.

Sabe onde é possível verificar o desengajamento moral em sua plenitude? No trânsito. Tem placa, tem lombada, tem marcações, mas a gente anda acima do limite, dirige com celular, estaciona em vagas proibidas ou em fila dupla. Ultrapassa pelo acostamento. E o infrator sempre tem uma justificativa racional para a transgressão, não é?

Racionalizar a conduta delituosa. É disso que trata o Desengajamento Moral.

Bandura disse: “Todas as pessoas são capazes de construir ideologias morais para justificar seus comportamentos, e geralmente tendem a convencer a si e aos outros de seus princípios conforme lhes convêm.”

Viu só? Não sei se você reparou, mas “todas as pessoas” incluem eu… e você.

Tudo bem, se me convém.