Artigos Café Brasil
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

678 – Dominando a Civilidade
678 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

677 – Teorias da Conspiração
677 – Teorias da Conspiração
Vivemos numa sociedade assolada por grandes ...

Ver mais

676 – Homem na Lua 2
676 – Homem na Lua 2
Cinquenta anos atrás o homem pousou na Lua. Mas parece ...

Ver mais

675 – Homem na lua
675 – Homem na lua
Em 20 de Julho de 1969 uma nave feita pelo homem pousou ...

Ver mais

LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
Um dos mais influentes profissionais de comunicação ...

Ver mais

LíderCast 164 – Artur Motta
LíderCast 164 – Artur Motta
Professor que fez transição de carreira e usa podcasts ...

Ver mais

LíderCast 163 – Amanda Sindman
LíderCast 163 – Amanda Sindman
Profissional de comunicação, jornalista e mulher trans. ...

Ver mais

LíderCast 162 – Aldo Pini
LíderCast 162 – Aldo Pini
Ex-diretor de planejamento da agência África, que ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Simples assim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Simples assim Excelência em Educação Dia 10 de agosto, compareci a um evento muitíssimo interessante. Estimulado pela chamada do convite eletrônico – Avanços na educação pública: o que podemos ...

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2019
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2019 Memoráveis citações “O Brasil é um país onde você passa quinze dias fora e muda tudo, mas passa quinze anos fora e não muda nada.” Cássio Casseb  “Quando alguém tem ...

Ver mais

O que podemos aprender com a tragédia que virá da Argentina?
Carlos Nepomuceno
O que podemos aprender com a tragédia que virá da Argentina? Live completa.

Ver mais

Ni nóis não
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A história todo mundo conhece, pelo menos no enredo do samba: Criminosos de extenso currículo (estelionatários, ladrões, traficantes) foram contratados para espionar telefones privados de ...

Ver mais

Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Quem é o idiota que quer deliberadamente envenenar seus ...

Ver mais

Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Se não bastassem as dificuldades para comprar, ...

Ver mais

Cafezinho 201 – Agrotóxicos – melhor seria não usar
Cafezinho 201 – Agrotóxicos – melhor seria não usar
Agrotóxicos são a bola da vez. Da forma como é ...

Ver mais

Cafezinho 200 – Food For Fish
Cafezinho 200 – Food For Fish
"Food for fish"- Comida Pra peixe - é uma expressão que ...

Ver mais

O Garimpeiro

O Garimpeiro

Luciano Pires -

Achei! Num sebo, a coleção completa da enciclopédia “Conhecer” que a Editora Abril lançou no final dos anos sessenta. Linda, novinha… Eu não estava procurando, mas foi irresistível. Voltei pra casa com doze volumes mais três “dicionários” e um frio no estômago.

Quando cheguei preparei minha viagem. Sim, a lembrança que eu tenho de minha experiência – aos onze anos de idade – com aquela enciclopédia era de viajar. Pelo tempo e pelo espaço, sem limites de lugares ou assuntos. Afinal, a curiosidade é o atributo mais presente numa criança de onze anos de idade, não é? A Abril Cultural lançou em 1967 a enciclopédia Conhecer em fascículos que eram colecionados até formar um volume da coleção. Então eles lançavam a capa que a gente comprava e levava para um encadernador que nos devolvia um belo livro vermelho sangue com o nome “Conhecer” em dourado. Um mundo de conhecimento com cerca de 4 mil páginas!

Passou a ser rotina aguardar ansioso a chegada do novo fascículo. Que assuntos seriam abordados? E os caras da editora eram espertos, viu?. Num mundo dominado por enfadonhas enciclopédias em preto-e-branco com muito texto e pouquíssimas imagens, a “Conhecer” vinha repleta de ilustrações dramáticas, enormes e coloridas. Cada página virada revelava uma explosão de cores! E o que acontecia então eu relatei no texto “Quirópteros” em meu livro Brasileiros Pocotó:

“Eu tinha 12 anos. E minha professora de Ciências pediu um trabalho escolar sobre Quirópteros: a ordem dos morcegos. Comprei cartolina (lembra-se?). Pincel atômico. Cola Tenaz (a grande novidade que substituía a goma arábica). E mergulhei na minha enciclopédia Conhecer. Para encontrar os Quirópteros, eu navegava pela enciclopédia, passando pela Grécia Antiga. Depois, pela história da Grande Muralha da China. Pelos dinossauros. Por como funciona um navio. Pelos satélites artificiais… Motivado pela curiosidade infinita de criança eu viajava pelas páginas, pelas ilustrações multicoloridas, durante horas. Até achar os tais morcegos. Aí, copiava o texto, recortava revistas, colava na cartolina, e, na segunda- feira, levava aquela coisa amassada para a escola e via a professora examinar e me dar a nota. Era assim o processo. E nunca mais esqueci o que são Quirópteros. Ou como funciona um navio. Ou como morreram os dinossauros…”.

Sem perceber, como um garimpeiro eu estava aos poucos juntando um tesouro que seria fundamental para meu futuro: conhecimento. Cada parada naquelas páginas da Conhecer dava-me uma pepita que eu colocava em meu repertório. Que sorte a minha.

Pois refletindo sobre essa garimpagem e a diferença dos processos de hoje que – após o surgimento da internet e de “São” Google – levaram quase ao infinito nossa capacidade de buscar informações, dei de cara com uma contradição.

A curiosidade daquele garoto só podia ser saciada por ele ter um estoque praticamente ilimitado de… tempo. Eu podia investir o tempo que quisesse em minhas viagens pela enciclopédia. E assim montei meu tesouro.

Hoje, quarenta anos depois, “tempo” passou a ser meu ativo mais escasso. A internet me dá a oportunidade de otimizar meu tempo. Encontro em segundos o que preciso! Sou um garimpeiro supersônico! Que sorte eu tenho! Mas não tenho tempo…

Não posso desviar minha busca dos Quirópteros para mergulhar fundo na vida de um dinossauro colorido. Ou no telescópio Hubble. Ou no Timor Leste. Preciso ir direto ao ponto. Rápido. Sou um garimpeiro supersônico. De superfície. Mergulho no raso, dou uma olhada e volto correndo. O telefone está tocando. Alguém está me esperando…

Minha nova enciclopédia Conhecer está ali, na minha frente, linda.

Esperando que eu tenha tempo pra ela.