Artigos Café Brasil
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

665 – O Vale
665 – O Vale
A trilha para o sucesso envolve trabalho duro e ...

Ver mais

664 – Sobre lagartas e borboletas
664 – Sobre lagartas e borboletas
Cara, como mudar é difícil... perder peso...manter ...

Ver mais

663 – A crisálida
663 – A crisálida
A maturidade entende que existe a escuridão no mundo, ...

Ver mais

662 – A importância da cultura
662 – A importância da cultura
Qual a importância da cultura? Que baita pergunta do ...

Ver mais

LíderCast 153 – Rafael Bernardes
LíderCast 153 – Rafael Bernardes
Empreendedor em TI, que capacita outros profissionais ...

Ver mais

LíderCast 152 – Lucia Moyses
LíderCast 152 – Lucia Moyses
Escritora, psicóloga e neuropsicóloga, um papo sobre ...

Ver mais

LíderCast 151 – Irineu Toledo
LíderCast 151 – Irineu Toledo
Radialista, uma das vozes mais marcantes e conhecidas ...

Ver mais

LíderCast 150 – Ana Letícia Maciel
LíderCast 150 – Ana Letícia Maciel
Executiva que larga tudo para empreender com um ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Eu não acredito na democracia moderna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Eu não acredito na democracia representativa moderna. * * * Concordo com Schumpeter: no modelo de democracia do século XX, os indivíduos comuns são simplesmente consumidores de produtos políticos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro tende a ser considerado melhor presidente do país até 2022?
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157323556458631

Ver mais

Em defesa do Olavo de Carvalho
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Amigos, as revistas Veja e Isto É decidiram atacar o escritor Olavo de Carvalho nas matérias centrais das suas edições da semana. A que se deve esse ataque, orquestrado pelas duas maiores ...

Ver mais

O like é a droga do século
Henrique Szklo
O sistema em que vivemos foi criado com o objetivo claro de deixar-nos ansiosos e estressados para que utilizemos o consumo como forma de aplacar nossa desventura crônica. Mas surpreendentemente ...

Ver mais

Cafezinho 178 – O Exorcista
Cafezinho 178 – O Exorcista
O Brasil está sofrendo um imenso exorcismo, e o demônio ...

Ver mais

Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
A negatividade tem suas raízes no medo de ser ...

Ver mais

Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Gostou? Compartilhe! Só assim, fazendo a nossa parte, ...

Ver mais

Cafezinho 175 – Não use sua ignorância
Cafezinho 175 – Não use sua ignorância
Quando você não conhece o objeto de sua análise, será ...

Ver mais

O marisco

O marisco

Luciano Pires -

Nos últimos 12 anos, os assassinatos no Estado de São Paulo recuaram 72%! De 35,27 a cada 100 mil habitantes em 1999, para 9,9 a cada 100 mil, em 2011. A cidade de São Paulo terminará 2012 com pouco mais de 10 mortos a cada 100 mil habitantes. Enquanto isso o Rio de Janeiro tem 24,3 mortos por 100 mil, mas ninguém fala em caos na segurança pública. Salvador tem mais de 55 mortos por 100 mil, mas não aparece nas primeiras páginas dos jornais. João Pessoa tem 80 mortos por 100 mil, mas o Ministro da Justiça não vai lá insinuar que o governo do estado é incompetente.

É um escândalo.

Em 2010 no auditório de um dos CEUS na cidade de São Paulo, diante de cerca de 300 policiais militares, preparei-me para fazer minha palestra GENTE NUTRITIVA, num evento de um dos comandos regionais da PM. Vários policiais foram condecorados por atos de bravura, e cada um deles tinha na plateia sua família. Era evidente o orgulho com que recebiam as condecorações. E então o Comandante, emocionado, fez uma homenagem póstuma a uma policial que, aos 30 anos de idade, perdeu a vida num enfrentamento com bandidos. Senti um misto de angústia e perplexidade ao imaginar como será estar ao lado da esposa e filhos, ouvindo a história de um colega seu que morreu numa situação como aquelas que você vivencia diariamente.

Comecei minha apresentação comentando o nome da palestra. O que é que “Gente Nutritiva” tinha a ver com 350 policiais fardados e armados? Bem, sem as fardas e armas, aquelas pessoas eram gente igual à gente, que sente frio e fome, calor e medo, amor e ódio. Gente normal que, por sua função, recebe da sociedade a autoridade sobre outras pessoas normais. Gente que pode ser, sim, nutritiva mesmo de arma na mão. Conversei com eles e seus familiares e saí de lá feliz por ter conhecido um lado da polícia que eu desconhecia: o lado dos seres humanos, que a gente não vê na imprensa, onde a polícia aparece quase que exclusivamente como a corporação que congrega gente perigosa que abusa da autoridade e mata.

É inevitável lembrar aquela experiência nestes dias violentos em que bandidos decretaram a caça a policiais em São Paulo. Morreram quantos já? 90? 100? E onde é que esses mortos foram chorados? Não vi choro na imprensa e nem político fazendo discurso para as famílias. Não vi videoclipes na televisão com o pianinho ao fundo enquanto aparecem as lágrimas da viúva do policial. Não vi representantes de entidades de defesa dos direitos humanos preocupados com os filhos dos que foram mortos pela bandidagem. Por que para esses corajosos defensores dos oprimidos, policiais mortos não merecem lágrimas? Porque são eles os criminosos?

Dentro de uma corporação com mais de 90 mil homens e mulheres é normal que existam desonestos, aproveitadores e até bandidos. Mas imaginar que esses são a maioria é abusar da estupidez.

Aquelas pessoas comuns debaixo das fardas, assim como você, estão sendo usadas – mais uma vez – como peças de um jogo político que tem por objetivo único a conquista do governo do Estado de São Paulo. Não importa se estão morrendo, não importa se São Paulo tem a política de segurança pública mais bem sucedida do país. Não importa o que acontece de fato. Só importa a versão do fato.

Na briga do rochedo com o mar, quem se ferra é o marisco, lembra?

O marisco é você.

Luciano Pires