Artigos Café Brasil
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

665 – O Vale
665 – O Vale
A trilha para o sucesso envolve trabalho duro e ...

Ver mais

664 – Sobre lagartas e borboletas
664 – Sobre lagartas e borboletas
Cara, como mudar é difícil... perder peso...manter ...

Ver mais

663 – A crisálida
663 – A crisálida
A maturidade entende que existe a escuridão no mundo, ...

Ver mais

662 – A importância da cultura
662 – A importância da cultura
Qual a importância da cultura? Que baita pergunta do ...

Ver mais

LíderCast 153 – Rafael Bernardes
LíderCast 153 – Rafael Bernardes
Empreendedor em TI, que capacita outros profissionais ...

Ver mais

LíderCast 152 – Lucia Moyses
LíderCast 152 – Lucia Moyses
Escritora, psicóloga e neuropsicóloga, um papo sobre ...

Ver mais

LíderCast 151 – Irineu Toledo
LíderCast 151 – Irineu Toledo
Radialista, uma das vozes mais marcantes e conhecidas ...

Ver mais

LíderCast 150 – Ana Letícia Maciel
LíderCast 150 – Ana Letícia Maciel
Executiva que larga tudo para empreender com um ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Eu não acredito na democracia moderna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Eu não acredito na democracia representativa moderna. * * * Concordo com Schumpeter: no modelo de democracia do século XX, os indivíduos comuns são simplesmente consumidores de produtos políticos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro tende a ser considerado melhor presidente do país até 2022?
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157323556458631

Ver mais

Em defesa do Olavo de Carvalho
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Amigos, as revistas Veja e Isto É decidiram atacar o escritor Olavo de Carvalho nas matérias centrais das suas edições da semana. A que se deve esse ataque, orquestrado pelas duas maiores ...

Ver mais

O like é a droga do século
Henrique Szklo
O sistema em que vivemos foi criado com o objetivo claro de deixar-nos ansiosos e estressados para que utilizemos o consumo como forma de aplacar nossa desventura crônica. Mas surpreendentemente ...

Ver mais

Cafezinho 178 – O Exorcista
Cafezinho 178 – O Exorcista
O Brasil está sofrendo um imenso exorcismo, e o demônio ...

Ver mais

Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
A negatividade tem suas raízes no medo de ser ...

Ver mais

Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Gostou? Compartilhe! Só assim, fazendo a nossa parte, ...

Ver mais

Cafezinho 175 – Não use sua ignorância
Cafezinho 175 – Não use sua ignorância
Quando você não conhece o objeto de sua análise, será ...

Ver mais

O nariz de Pinóquio

O nariz de Pinóquio

Luciano Pires -

Sempre que penso em mentiras, lembro de um personagem famoso da minha infância: o Pinóquio. Criado pelo italiano Carlo Collodi em 1883, o boneco mentiroso, cujo nariz crescia a cada mentira pronunciada, foi imortalizado por Walt Disney num desenho animado inesquecível.

Pois li uma coisa interessante relacionada a mentiras e crianças: o Institute of Child Study da Universidade de Toronto, no Canadá, realizou uma pesquisa com 1200 crianças com idades entre 2 e 16 anos para tentar entender como elas mentem. E a descoberta foi fascinante.

Com dois anos de idade, 20% das crianças mentem. Aos três anos, a taxa sobe para 50%, chegando a quase 90% aos quatro anos. Aos doze anos, praticamente 100% das crianças mentem. E então a taxa começa a cair, chegando a 70% aos dezesseis anos. A partir daí, os jovens adultos aprendem a usar aquelas mentirinhas quotidianas que servem para não magoar os sentimentos dos outros, sabe como é? Aquele “simpática” que a gente diz quando não quer chamar a moça de “feia”?
O mais interessante: os pesquisadores deduziram que a habilidade de mentir está ligada ao processo de lembrar, raciocinar, entender e julgar. Ao desenvolvimento cognitivo. Quanto mais sofisticada e plausível a mentira, mais a criança demonstra ter capacidade de desenvolver pensamentos complexos. E mais chances de sucesso tem na vida. É o Dr. Kang Lee, diretor do Instituto, que conclui:

– Toda criança mente. E as que tem um melhor desenvolvimento cognitivo mentem melhor pois conseguem esconder as pistas…

Escrevo a respeito da pesquisa do Dr. Lee na tentativa de entender o que anda acontecendo com o Brasil. Nunca antes na história deste país se mentiu como hoje. A mentira está institucionalizada, é dita em horário nobre nas televisões, na cara dura, como a do Pinóquio: de pau. E o que é estarrecedor, a mentira jamais é confrontada com a verdade. O sujeito (e a sujeita) chega na televisão, diz uma mentira descarada e fica tudo por isso mesmo. Houve um tempo em que jornalistas ridicularizavam o mentiroso. Hoje não. Mentir é parte do jogo e contestar a mentira é “ser grosso”, “jogo político”, “criar factóides” e “ser de direita”. E neste Brasil onde “nóis invertemo as coisa” os(as) mentirosos(as) são tratados com respeito, pompa e circunstância. É um tal de “senhor candidato” pra cá, “senhora candidata” pra lá que me deixa nervoso!
Pô, quando é que essa gente será tratada como “mentiroso de uma figa”?

Nas últimas semanas assistimos a verdadeiros descalabros, que culminaram (de novo!) com a quebra do sigilo fiscal de adversários políticos para uso como arma de desmoralização – em política isso quer dizer exterminação. O fato é gravíssimo e desde o início o que se vê são mentiras. Mentiras oficiais, ditas por autoridades e defendidas por quem deveria estar defendendo é a verdade. Isso é péssimo. É a moral jogada na sarjeta.

Será este o novo Brasil que “é de todos”? Meu é que não é. Esse aí, não.

A turma envolvida na mentirobras é composta de gente bem sucedida, não são manés fracassados. Ocupam altos cargos em empresas estatais, órgão públicos e partidos políticos. Vieram lá de baixo e hoje recebem salários e benefícios com os quais os trabalhadores comuns nem sonham. Essa gente, para quem a mentira é um método, não faz escolhas morais, mesmo porque nem percebe que essas escolhas precisam ser feitas. Para atingir seus objetivos, mentem. Mentem descaradamente. Chegam a mentir que é seu o dinheiro que na verdade é da gente…

Seguindo o raciocínio do Dr. Lee: são um sucesso, portanto devem ter mentido – e bem – desde que nasceram. Mas quer saber? Se o Dr. Lee está certo, essas pessoas não tiveram o melhor desenvolvimento cognitivo quando crianças, não.

Como Pinóquio e seu nariz, eles não conseguem esconder as pistas.

Luciano Pires