Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Olha, os dias andam um saco! Todo mundo nervoso, ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

5 ações de marketing para ajudar a superar a crise do coronavírus
Michel Torres
Negócios em todo o mundo estão sentindo os efeitos da pandemia: menos clientes, menor receita e o medo de não ter condições de aguentar esse tempo de prejuízo. Precisamos salvaguardar a saúde e o ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Qual janela você escolheu para ver o mundo?

Ver mais

O que é Popular?

O que é Popular?

Luciano Pires -

Estou viciado no Auditório Ibirapuera. Vira e mexe vou lá, num domingo pela manhã, numa sexta à noite ou em qualquer dia da semana que posso. Já assisti ali shows memoráveis de André Abujamra, Antonio Nóbrega, Tangos e Tragédias, Funk Como Le Gusta e muita gente mais. Um auditório maravilhoso, confortável, seguro, com acústica perfeita e frequentado por gente que sabe o que está fazendo lá. Quando o show é caro, custa 30 reais… Ou seja: consigo apreciar o que existe de mais fascinante na música brasileira, pagando bem barato.

Esta semana estive no SESC da Avenida Paulista. Assisti um maravilhoso show de jazz, lanchei numa “comedoria” deliciosa, e visitei uma lojinha com CDs inacreditáveis… Saí de lá alimentado, com seis CDs e com o espírito leve de quem se entrega à boa música. E gastei em torno de 80 reais, incluídos os seis CDs…

Então recebo este email da leitora Lívany Salles com um comentário interessante:

“Luciano, brasileiro sempre reclama que cultura é para intelectuais ou que cultura custa caro, como se fosse um objeto que pode ser vendido ou comprado. Parece até que as pessoas dão mais valor quando compram um ingresso caro para uma peça de teatro ou vão ao cinema nos finais de semana e feriados, gastando dinheiro com estacionamento, com comida e com o ingresso propriamente dito, que anda bem salgado, diga-se de passagem. Não estou dizendo para ninguém deixar de ir ao teatro ou ao cinema, pelo contrário. Apenas afirmo que existem opções para os dias de, digamos, vacas magras. E, ultimamente, como a grana anda hiper apertada, resolvi entrar na ‘onda’ dos eventos gratuitos. Descobri tantas opções que algumas até calham de ser no mesmo dia e horário. Ou seja, estou até escolhendo! Ontem fui numa palestra do programa Café Filosófico. Bom, a palestra foi fenomenal e saí com aquela sensação de ‘ah, se todos aproveitassem essas oportunidades’. Se realmente as pessoas dessem valor. Conclusã uma noite super agradável ao preço de duas passagens de ônibus e um chocolate quente que custou R$ 0,65. E eu vejo tanta gente reclamando que não sai porque não tem dinheiro. Ou, então, reclama que não tem opção de lazer. Que tudo o que é bom, é caro. Mas basta sair de casa para encontrar diversas oportunidades de apreciar bons programas sem gastar muito dinheiro.”

Pois é… Minhas experiências no Auditório Ibirapuera, no SESC e em tantos outros lugares, assim como o email da Lívany, me levam a uma daquelas reflexões: o que é “popular”?
As definições de dicionários dizem que popular é aquilo que é do povo comum a todos democrático. Portanto acessível. Pelo critério da acessibilidade ao artista, então “popular” é a Orquestra de Câmara da Ulbra lá de Porto Alegre, dirigida por meu amigo Tiago Flores, que cobra 10 ou 15 reais pelo ingresso, quando não toca de graça. “Popular” é a Biblioteca Municipal, que não cobra ingresso. “Popular” é o grupo de chorinho que toca todo sábado na Feira da Benedito Calixto, sem cobrar nada. “Popular” é a quantidade imensa de artistas independentes que vendem seus CDs como podem, por 5, 10 ou 15 reais. “Popular” são o SESC e o Auditório Ibirapuera.

Mas curiosamente nossa sociedade inverteu essa lógica: “populares” são a Ivete Sangalo. A Banda Calypso. Zezé di Camargo e Luciano. Roberto Carlos. Artistas competentes, batalhadores, mas a cujos shows é impossível ir sem gastar 80, 100 ou 200 reais.

Sacou o jogo? Neste nosso mundo midiático, quanto mais “popular”, mais caro. E inacessível.

Felizmente temos aquela velha arma nas mãos: a liberdade de escolha para optar pelos artistas dos auditórios Ibirapuera e Sescs.

Liberdade de escolha, sempre ela…

Pena que a maioria não usa.