Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 720 – Conversa com Ganime
Café Brasil 720 – Conversa com Ganime
O Deputado Federal pelo Rio de Janeiro Paulo Ganime, ...

Ver mais

Café Brasil 719 – Licença poética
Café Brasil 719 – Licença poética
Quem me acompanha há muitos anos sabe que tive um amigo ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 12 – The Dark Side Of The Moon
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 12 – The Dark Side Of The Moon
Olha, este é outro daqueles programas de sonho, ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Eu acho que você já deve ter sido questionado sobre ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

LíderCast 201 – Marco Piquini
LíderCast 201 – Marco Piquini
Ex-executivo da Fiat, um profissional de comunicação, ...

Ver mais

LíderCast 200 – Marcio Ballas
LíderCast 200 – Marcio Ballas
Apresentador de televisão, ator e palhaço profissional. ...

Ver mais

LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
Empreendedor, fundador da Ramper, uma conversa ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Produtividade é a arte de dizer NÃO!

Ver mais

Da arte de ser pessimista
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Previsões sempre fascinaram o ser humano. Seja mediante leitura de cartas ou palmas das mãos, seja tentando adivinhar qual será o clima amanhã, sempre surge alguém alegando ter o poder de antever ...

Ver mais

5 desafios para os negócios nessa crise da COVID-19
Michel Torres
“Nada é permanente, exceto a mudança.” Heráclito de Éfeso À medida que a crise da COVID-19 continua impactando a todos, a pergunta sobre “quando vai passar?” vai dando lugar a “o que ...

Ver mais

A atualidade de Malthus
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A atualidade de Thomas Malthus “O famoso contraste que Malthus estabeleceu entre as duas espécies de progressões – o aumento geométrico da população e o crescimento aritmético da produção de ...

Ver mais

QI, educação e literatura
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
O QI médio em praticamente todos os países do mundo cresceu muito nos últimos 100 anos.   Na Alemanha e nos EUA, o crescimento do QI médio foi de mais de 30 pontos. No Quênia e na Argentina, foi ...

Ver mais

Cafezinho 286 – A ação não-ativa
Cafezinho 286 – A ação não-ativa
Conformados com a burocracia e morrendo de medo de ...

Ver mais

Cafezinho 285 – O Buraco Negro
Cafezinho 285 – O Buraco Negro
A única resposta é: “O senhor tem de aguardar”.

Ver mais

Cafezinho 284 – A polarização de araque
Cafezinho 284 – A polarização de araque
Assistir a rinha de galos diária tem o mesmo efeito que ...

Ver mais

Cafezinho 283 – COVID 20
Cafezinho 283 – COVID 20
Precisamos reconhecer quem fez um bom trabalho e punir, ...

Ver mais

Os Meninos Maluquinhos

Os Meninos Maluquinhos

Luciano Pires -

Parece mentira: 303 quilômetros por hora! Na Rio-Santos! Essa é a marca do Recorde Brasileiro de Velocidade, batido em 1991. Naquele ano eu era o Gerente de Marketing da Albarus, que estava lançando os anéis de pistão Perfect Circle. Coube a mim coordenar a quebra do recorde como parte dos eventos para promover a marca. O piloto foi o Fabinho Sotto Mayor e as imagens daquele Opala Stock Car voando baixo sobre a Rio-Santos de 20 anos atrás são de arrepiar, especialmente quando o capô voa longe. Uma revista deu destaque para o feito com uma matéria cujo título foi “O menino maluquinho”.

Depois do evento mantive contato com o Fabinho até ele mudar-se de São Paulo. Nunca mais nos vimos. Esta semana, após participar de um programa de televisão, mudei a rota de retorno para casa, só para passar pela lanchonete Oregon, no bairro de Pinheiros, aqui em São Paulo. Ali, desde os anos 80, devoro o melhor cheese-egg-salada do mundo! Já era tarde da noite, fiz meu pedido e… quem entra pela porta, também sozinho, também desviando do caminho para comer um cheese-salada? O Fabinho! Foi um reencontro delicioso, relembramos daquelas loucuras de 1991 e assim que pude corri pro Youtube para rever o pequeno documentário que realizamos na época, e que você pode assistir aqui: http://bit.ly/ch1mHH

Rever aquelas imagens dá um frio no estômago. Como é que fizemos uma maluquice daquelas? Na ondulada pista de asfalto da Rio-Santos? Com condições mínimas de segurança, chances enormes de um acidente envolvendo o carro, o piloto e as centenas de pessoas que assistiam o evento? Olho aquilo e não consigo não exclamar:

– Como éramos malucos! Hoje eu não correria aquele risco!

Pois é. Em 1991 eu tinha 35 anos, era um garotão, cheio de energia, de invenções, de vontade de fazer acontecer. Metia os peitos mesmo, correndo riscos e quebrando paradigmas. E quando encontrava outro maluco como o Fabinho, dava naquilo…
Hoje tenho uma percepção diferente sobre até onde vale a pena chegar. A verdade é que amadureci e agora dou valor ao que 20 anos atrás passaria batido. Mas não acho que isso tenha me tornado um “cagão”. No entanto, para a garotada de 35 anos devo ser o tiozinho que empata as coisas, que não faz e que não deixa fazer, que acha defeito em tudo, que tem medo de correr riscos.
Hoje, tenho uma percepção diferente sobre até onde vale a pena chegar. Mas não acho que isso tenha me tornado um “cagão”. A verdade é que amadureci e agora dou valor ao que 20 anos atrás passaria batido. Mas para a garotada de 35 anos, devo ser o tiozinho que empata as coisas, que não faz e que não deixa fazer, que acha defeito em tudo, que tem medo de correr riscos.

Pois é. Essa é mais uma das maravilhas da vida: o amadurecimento nos protege. Evita que ultrapassemos nossos limites pois, como alguém disse uma vez, “depois dos cinqüenta, todo salto é mortal”.
Passei a lidar com medos que nunca tive e com a perspectiva de ficar paralisado por eles. Mas a maturidade fez com que eu percebesse que aquele frio na barriga, que paralisa muita gente, na verdade é um aviso.
Para alguns significa medo: Pare! Não se arrisque! Seja prudente!
Mas para outros significa estar muito perto de tentar algo que “não se faz”. Ir para onde não se vai. Sair fora da média.

Tai uma grande lição destas duas décadas, que acho que no fundo é o que acontece com os grandes pilotos como o Fabinho: aprendi a usar o medo a meu favor.

Por isso continuo um menino maluquinho.