Artigos Café Brasil
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

687 – A herança maldita
687 – A herança maldita
Uma apresentação, com números, do descompromisso, a ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

LíderCast 174 – Eduardo Albano
LíderCast 174 – Eduardo Albano
Diretor de conteúdo da Ubook, plataforma que está ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Sem enredo
Chiquinho Rodrigues
Ainda bem que o U2 pegou um avião e foi pra puta-que-pariu! Eu já não aguentava mais, cara! Te juro que se eu visse o Bono Vox mais uma vez no Jornal Nacional ou na droga de um palanque qualquer ...

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

Cafezinho 225 – O Meu Everest
Cafezinho 225 – O Meu Everest
Nos livros, isso tem o nome de planejamento estratégico.

Ver mais

Paladinos De Fraldas

Paladinos De Fraldas

Luciano Pires -


PALADINOS DE FRALDAS

Você já reparou nos promotores do Ministério Público? Fico sempre impressionado: são praticamente meninos e meninas! Jovens e com a imensa responsabilidade de acabar com a farra da corrupção que assola o país.  Lembrei-me então que Luiz Carlos Cruz, que é professor da UNIP, escreveu uma resposta a um artigo meu, enfocando justamente a atuação dos jovens promotores:

“Estou acreditando fortemente na criançada que está surgindo por aí com o seu diploma debaixo do braço, que viu seus pais levando porradas dos nossos governantes, e que acabaram por perder tudo, quase que a dignidade também. Com essa perda, essa criançada com 10 ou 15 anos à época viu os seus sonhos correrem entre os dedos, deixaram de vestir roupas de grife, os pais acabaram se separando. E agora, é o reverso da moeda, vão indiciar mesmo, vão atrapalhar mesmo e não vão permitir que ninguém fique impune, pois precisam lavar a alma e limpar o que foi feito com suas famílias.”

Uma visão instigante. Entende que a solução está nas mãos dos jovens, das novas gerações que são o resultado dos anos de chumbo, da velha república, da nova república e dos processos envelhecidos e tortos que descambaram no circo Brasil que hoje assistimos.
Diferente do esperado, esses jovens não cresceram tortos. Cresceram formando uma idéia clara do que é certo e o que é errado. E então vemos um garoto, que ainda não chegou aos trinta, colocando o velho político na cadeia…
Tenho reparado isso em meus filhos. Aos 22 e 16 anos, demonstram indignação com algumas coisas que, para mim, já são normais. E constato, constrangido, que entrei no jogo, perdi a sensibilidade – ou deixei de evoluir – para certas coisas que deveriam me indignar e, não raro, caio na velha ”sempre foi assim”…
Mas meus filhos não deixam barato. De uma simples lata de refrigerante jogada na praia até a mais profunda indignação ao ver senhores de terno discutindo aos berros na Câmara, reparo neles uma paciência menor que a minha. Uma consciência de que essas coisas não podem continuar.
Por exemplo, quando eu tinha a idade deles, era normal dizer que ia “caçar passarinhos”. Pois na cabeça deles, hoje, a idéia de matar um passarinho causa imediata repulsa e indignação. E eles é que estão certos!
Pois isso me traz uma esperança. A de que essa garotada que hoje começa a alcançar posições de poder, filhos de quem tem cinqüenta, sessenta anos, está mais treinada, mais preparada, mais antenada para valores que nós, seus pais, deixamos para trás.
Nosso sofrimento transformou-se em lição para eles. Nossa indignação serviu de motivação para eles. Nossos erros forjaram os acertos deles.
Tudo que fizemos de torto serviu para mostrar-lhes o direito.
No entanto… Continuamos negando-lhes o espaço para que se manifestem. Continuamos prendendo-os em cubículos para que decorem fórmulas. Continuamos alimentando-os de banalidades…
Encastelados em nossa “experiência”, continuamos a achar que nada temos a aprender com eles.

Ô tio! Acorda…