s
Artigos Café Brasil
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 781 – Stalinismo tecnológico
Café Brasil 781 – Stalinismo tecnológico
Se você não é do ramo do marketing, da comunicação, da ...

Ver mais

Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Pronto. Chegou o dia de conversar com duas referências ...

Ver mais

Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Há quatro anos, uma amiga me relatou uma história ...

Ver mais

Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Um novo termo entrou em evidência: o cringe. A tradução ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Olímpica expectativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Olímpica expectativa “O esporte tem o poder de unificar, passar uma imagem de paz e resiliência, e nos dá esperança de seguir nossa jornada juntos.” Thomas Bach (Presidente do Comitê Olímpico ...

Ver mais

Economia do crime
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia do crime  O crime compensa?  “Na faculdade, fui atraído pelos problemas estudados por sociólogos e as técnicas analíticas utilizadas pelos economistas. Esses interesses começaram a se ...

Ver mais

Reprise
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Reprise  Já vi esse filme outras vezes… e não gostei do final A combinação de novas denúncias de irregularidades envolvendo membros do governo, o andamento da CPI da Covid e a sucessão de ...

Ver mais

O infalível ministro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A piada é antiga. Dá pra contar, se a turma do politicamente correto ainda não inventou o crime de lusofobia: A famosa cena bíblica do apedrejamento da adúltera, quando o Mestre teria dito… ...

Ver mais

Cafezinho 408 – Correlações e causalidades
Cafezinho 408 – Correlações e causalidades
Preste muita atenção nos discursos dos educadores, dos ...

Ver mais

Cafezinho 407 – A teoria do valor subjetivo
Cafezinho 407 – A teoria do valor subjetivo
Trocar um apartamento por um automóvel? Como assim?

Ver mais

Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Eu escolhi participar ativamente, usando as armas que tenho.

Ver mais

Cafezinho 405 – O babaca
Cafezinho 405 – O babaca
Qual tipo de reação você acha que levo em consideração ...

Ver mais

Pedrinhas no lago.

Pedrinhas no lago.

Luciano Pires -

Em minha palestra TUDO BEM SE ME CONVÉM, recorro a uma frase de Aristóteles: “Não se pode conceber o muitos sem o um.” Olho para um grupo de pessoas e não consigo ver uma massa uniforme, o que vejo são vários “eus”, cuja soma de escolhas e atitudes determinará o “nós”.

E às vezes é um desses “eus” que faz a diferença.

No livro Staring at the Sun, o professor de psiquiatria da Universidade de Stanford, Irvin Yalom, escreve que cada um de nós cria, geralmente sem ter consciência, círculos concêntricos de influência que podem afetar outras pessoas por anos ou até gerações. Nosso impacto e influência sobre uma pessoa pode ser passado para outras, da mesma forma que as ondas formadas por uma pedra atirada num lago vão crescendo, crescendo, perdendo a força até desaparecer, mas continuando microscopicamente.

Dê uma olhada nos grandes movimentos de mudança que aconteceram na história. Não precisa ir muito longe, fique aqui no Brasil. Por exemplo, um sujeito chamado César Zama, médico, político e escritor brasileiro de quem você provavelmente nunca ouviu falar. Em 1890, durante a elaboração da primeira constituição republicana, César defendeu o voto universal para que as mulheres pudessem participar da política. Deve ter sofrido um bocado, ouvido um monte de gente dizendo para esquecer, que nada ia mudar, mas aos poucos outros abnegados foram aderindo e um dia, em 1933, 23 anos depois da morte de César Zama, as mulheres ganharam o direito de votar. Tudo começou lá atrás, com a ação individual de um não cético que lançou uma pedrinha no lago: ploc!

É assim que a maior parte das grandes mudanças acontece, a partir da iniciativa de poucas pessoas, gente que a maioria cética ou ignorante chama de “bobos” ou “loucos”. São conspiradores aqui, formadores de opinião ali, indignados acolá, altruístas alhures, gente que começa lutas impossíveis e vai aos poucos influenciando os demais.

São os mais ativos que convencem os menos ativos, quase sempre num trabalho de formiguinha, jogando pedrinha após pedrinha no lago.

Vejo pelo meu trabalho no Café Brasil. Recebi várias mensagens após os dois programas sobre a importância do voto, dizendo que o ouvinte mudou de opinião após me ouvir, decidiu não anular seu voto e está usando o programa para convencer outras pessoas a mudar também. Joguei a pedrinha no lago e as ondas chegaram neles, que estão propagando para outros, e assim vai. Mas alguém jogou uma pedrinha antes de mim e as ondas me atingiram… Percebe? É assim que acontece.

Você que está decepcionado com as pessoas que pregam a não ação ou preferem se dedicar ao entretenimento xinfrim, deixando de lado aquilo que verdadeiramente importa, refina suas amizades. Deixe os idiotas pra lá. Procure gente que valoriza o pensamento, que puxa para cima. E jogue muitas pedrinhas no lago. Quem não gostar, não merece.

Você que não enxerga uma luz no final do túnel: desistir só é opção para os fracos. Os fortes são mais chatos que os idiotas, insistem, escolhem o menos ruim agora para escolher outro menos ruim depois, e outro menos ruim em seguida, num processo de depuração que um dia chegará ao bom. E jamais param de jogar pedrinhas no lago.

Ploc!

Pronto. Joguei mais uma.