Artigos Café Brasil
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

665 – O Vale
665 – O Vale
A trilha para o sucesso envolve trabalho duro e ...

Ver mais

664 – Sobre lagartas e borboletas
664 – Sobre lagartas e borboletas
Cara, como mudar é difícil... perder peso...manter ...

Ver mais

663 – A crisálida
663 – A crisálida
A maturidade entende que existe a escuridão no mundo, ...

Ver mais

662 – A importância da cultura
662 – A importância da cultura
Qual a importância da cultura? Que baita pergunta do ...

Ver mais

LíderCast 153 – Rafael Bernardes
LíderCast 153 – Rafael Bernardes
Empreendedor em TI, que capacita outros profissionais ...

Ver mais

LíderCast 152 – Lucia Moyses
LíderCast 152 – Lucia Moyses
Escritora, psicóloga e neuropsicóloga, um papo sobre ...

Ver mais

LíderCast 151 – Irineu Toledo
LíderCast 151 – Irineu Toledo
Radialista, uma das vozes mais marcantes e conhecidas ...

Ver mais

LíderCast 150 – Ana Letícia Maciel
LíderCast 150 – Ana Letícia Maciel
Executiva que larga tudo para empreender com um ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Eu não acredito na democracia moderna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Eu não acredito na democracia representativa moderna. * * * Concordo com Schumpeter: no modelo de democracia do século XX, os indivíduos comuns são simplesmente consumidores de produtos políticos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro tende a ser considerado melhor presidente do país até 2022?
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157323556458631

Ver mais

Em defesa do Olavo de Carvalho
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Amigos, as revistas Veja e Isto É decidiram atacar o escritor Olavo de Carvalho nas matérias centrais das suas edições da semana. A que se deve esse ataque, orquestrado pelas duas maiores ...

Ver mais

O like é a droga do século
Henrique Szklo
O sistema em que vivemos foi criado com o objetivo claro de deixar-nos ansiosos e estressados para que utilizemos o consumo como forma de aplacar nossa desventura crônica. Mas surpreendentemente ...

Ver mais

Cafezinho 178 – O Exorcista
Cafezinho 178 – O Exorcista
O Brasil está sofrendo um imenso exorcismo, e o demônio ...

Ver mais

Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
A negatividade tem suas raízes no medo de ser ...

Ver mais

Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Gostou? Compartilhe! Só assim, fazendo a nossa parte, ...

Ver mais

Cafezinho 175 – Não use sua ignorância
Cafezinho 175 – Não use sua ignorância
Quando você não conhece o objeto de sua análise, será ...

Ver mais

Por que eu?

Por que eu?

Luciano Pires -

“… sim mas naquela época se falava em câncer gay, eu me lembro da propaganda onde aparecia AIDS e um carimbo: morte! Aí eu disse para ele:

– Eu faço o exame sim, eu sei quem eu sou.

Daí ele me olhou sério e disse assim:

– A senhora também pensa que AIDS tem alguma coisa ligada com moral e conduta?

Eu olhei para ele rindo:

– E não tem?

Ele disse:

– Não senhora.

Foi a primeira vez que alguém me disse que HIV ou AIDS não tinham relação nenhuma com moral e conduta. Mas eu achei graça daquilo tudo e ele me passou a requisição para o exame. Depois eu contei para o meu filho, dando risada e comentando que o médico me levou para outra sala, constrangido de falar na frente dele. E aí nós saímos rindo os dois. Naquela época eu não sabia de nada, de coisa nenhuma a respeito de HIV, que não fosse Cazuza. E eu fui fazer o exame no plano de saúde. Peguei no laboratório meu resultado, abri e lá estava escrito: reagente. E a gente se protege pra não sofrer…  Eu digo:

– Legal, reagente, meu organismo reagiu, não tenho nada.

Era o que eu queria. Saí caminhando. Era um dia lindo de sol e no meio do caminho eu disse:

– Só um pouquinho… mas se deu reagente é porque reagiu! E se reagiu é porque é positivo!

Aí eu parei, abri a bolsa, olhei de novo e as letras pequenas diziam: reagente = positivo.

Bom eu brinco que a sensação que eu tive é a de história em quadrinhos, eu passei a ter uma nuvem negra sobre minha cabeça, querendo entender como eu, que tinha tido três homens na minha vida, estava com HIV. Eu não era promíscua, eu não consegui entender isso… mas por que eu? Anos depois fui descobrir que essa é a pergunta que todos nós fazemos quando temos um diagnóstico positivo: por que eu? E aquela nuvem negra, aquela coisa, eu fiquei caminhando pelo meu bairro…

Aí fui para casa, peguei o telefone e liguei para o meu marido. Só consegui dizer:

– Carlos, eu estou com AIDS!

Eu nem sabia a diferença entre ter AIDS e HIV, na realidade eu estava só com HIV. Deu aquele silêncio do outro lado e ele só consegui dizer para mim:

– Tô indo para casa.

Aí meu gordo chega e eu esperando que ele me desse um abraço gostoso e dissesse: ‘vai passar’… Só que eu não contava com o desconhecimento que se tinha daquilo tudo e que ele também tinha medo. Isso eu gosto de falar, porque muita gente se separa por causa de uma situação dessas. A gente tem que deixar as coisas passarem. Ele entrou desesperado e disse:

– Eu sou filho único! A minha mãe não caminha, depende de mim para tudo! E agora eu vou morrer!

Na cabeça dele, ele estava infectado também. Ele olhou para mim e disse:

– Tu é uma assassina!

Pô ele sabia que eu não sabia de nada! Quando ele disse ‘tu é uma assassina’, minha filha saltou e começou a bater nele. Anos depois a gente ficou sabendo que ela quebrou três costelas dele. A gente nem imaginava nada daquilo, mas foi assim uma baixaria aquilo, um pavor…”

 

Tá pensando que é enredo de novela? Mexicana? Não. Essa é uma história real, contada por Bia Pacheco no LíderCast 50. Bia foi a primeira mulher a assumir publicamente que tinha o vírus da AIDS no Rio Grande do Sul, na década de 90. E sua história é um misto de emoções, tragédia e superação. Uma lição de vida que, nesta semana em que celebramos o Dia Mundial de Combate à Aids, convido você a ouvir clicando aqui: http://bit.ly/LiderCast50