Artigos Café Brasil
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

678 – Dominando a Civilidade
678 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

677 – Teorias da Conspiração
677 – Teorias da Conspiração
Vivemos numa sociedade assolada por grandes ...

Ver mais

676 – Homem na Lua 2
676 – Homem na Lua 2
Cinquenta anos atrás o homem pousou na Lua. Mas parece ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
Um dos mais influentes profissionais de comunicação ...

Ver mais

LíderCast 164 – Artur Motta
LíderCast 164 – Artur Motta
Professor que fez transição de carreira e usa podcasts ...

Ver mais

LíderCast 163 – Amanda Sindman
LíderCast 163 – Amanda Sindman
Profissional de comunicação, jornalista e mulher trans. ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Resumo da Aula 2 do Curso On-line de Filosofia (COF)
Eduardo Ferrari
Resumos e Artigos
A segunda aula do COF, ministrada em 21 de março de 2009, teve a duração de 3h43min e foi resumida em menos de cinco minutos de leitura, com o objetivo de levar ao conhecimento do leitor uma ...

Ver mais

A quem interessa a divisão da sociedade?
Jota Fagner
Origens do Brasil
O atual estado de intolerância ao pensamento diferente, manifesto nas agressões que começam nas redes sociais e terminam em confrontos físicos no meio da rua, é o resultado de um processo de ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – MORFOLOGIA CATEGOREMÁTICA (parte 2)
Alexandre Gomes
Depois de listar todas as CATEGORIAS DE PALAVRAS, de acordo com a Gramática Geral irei tratar com mais calma de cada categoria. Seguindo a lista da lição anterior, vamos começar pelo grupo das ...

Ver mais

Simples assim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Simples assim Excelência em Educação Dia 10 de agosto, compareci a um evento muitíssimo interessante. Estimulado pela chamada do convite eletrônico – Avanços na educação pública: o que podemos ...

Ver mais

Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
O problema do agrotóxico no Brasil não é dos ...

Ver mais

Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Ainda existe hoje uma cultura, muito estimulada por ...

Ver mais

Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Quem é o idiota que quer deliberadamente envenenar seus ...

Ver mais

Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Se não bastassem as dificuldades para comprar, ...

Ver mais

Sexta Feira 13 e o impeachment

Sexta Feira 13 e o impeachment

Luciano Pires -

Quem assistiu Sexta Feira 13 sabe como funcionam os filmes de horror produzidos em série: Jason Voorhees, o monstro, mata um monte de gente até ser derrotado. Mas quando achamos que está tudo bem e o mocinho beija a mocinha, Jason levanta e ataca outra vez para ser morto pelo mocinho mais uma vez. E no próximo filme ele volta. Mais forte.

Publiquei esta semana em meu Facebook um artigo de Dora Kramer chamado “Calma no Brasil” em que ela defende que “a interrupção de um mandato de um presidente da República não é assunto a ser tratado à luz de vontades. Requer consistência, fundamento, seriedade.”. E manifestei que fazia minhas as palavras dela.

Pronto! Em segundos chegaram dezenas de comentários de gente furiosa, me condenando por não querer tirar a Dilma de lá, por “jogar água na fervura”, por proteger o PT e outras acusações sempre embasadas na emoção. Mas em questões políticas eu não me baseio em emoção, veja só:

O Jurista Ives Gandra publicou um artigo sobre seu parecer de que há elementos suficientes para começar um processo de impeachment contra Dilma Rousseff, baseado na omissão, imperícia, imprudência ou negligência da presidente. Pronto, todo mundo ficou assanhado. Mas poucos repararam na forma como ele encerra o artigo: “Não deixei, todavia, de esclarecer que o julgamento do ‘impeachment’ pelo Congresso é mais político que jurídico, lembrando o caso do Presidente Collor, que afastado da presidência pelo Congresso, foi absolvido pela Suprema Corte.”.

Impeachment é política, não é matemática, muito menos emoção. Fernando Collor, além de perder todo apoio, tinha contra si um PT raivoso e um PSDB muito diferente desse saco de bundões de hoje. Caiu, pois havia forças muito maiores que as que o apoiavam.

Não é o caso de Dilma que, apesar de parecer sozinha, tem sim o apoio do PT com todos seus tentáculos. E seu marqueteiro.

Se o pedido de impeachment não for embasado com consistência, fundamento e seriedade em provas concretas e não apenas em indícios, o PT e seus serviçais terão munição para começar uma guerra política, com Dilma (e Lula, é claro) como mártir e você como golpista. E terão dezenas de milhões de brasileiros com eles. Quase conseguiram isso com o Mensalão, mesmo com a tonelada de provas em mãos! Imagine com um processo baseado em indícios…

Um processo baseado na omissão, imperícia, imprudência ou negligência da presidente vai gerar discussões por anos a fio e o que sairá daí é imprevisível. E cá entre nós, em termos de organização política o PT dá de relho em todo mundo. Estamos diante da possibilidade de repetir o que aconteceu na Venezuela, quando um movimento afoito derrubou Hugo Chávez, que voltou em seguida com mais força e transformou o país num inferno.

Jason ressuscitou. Mais forte.

Quem leu o texto de Dora Kramer sem derrubar o disjuntor, leu isto: “Se mais adiante vierem a aparecer fatos que indiquem a responsabilidade da presidente em quaisquer crimes serão outros quinhentos”. Taí. Não é para não ir às ruas, não é para ficar de braços cruzados esperando, não é para poupar o PT. É para focar a energia onde o resultado é certo,  na pressão para a revelação de provas concretas, para a aceleração das investigações, para o surgimento de fatos indiscutíveis que não deem aos estrategistas do PT, que são muito melhores que eu, você e todos os opositores juntos, tudo que eles querem para iniciar sua “guerra santa”.

Todo esse barulho, gritaria, emoção é lindo de ver, serve como instrumento de pressão e cria um clima importante, mas só os bobinhos acham que impeachment é decidido nas ruas.

Não é.

Meu imperativo categórico é tirar o PT do poder, mas quero fazer direito, com fogo, água, serra elétrica e estaca.

Ou o Jason volta. Mais forte.

Quer que eu desenhe?