Artigos Café Brasil
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

682 – LíderCast 13
682 – LíderCast 13
É isso que é o LíderCast. Uma homenagem a quem ...

Ver mais

681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
Agrotóxicos surgiram na Segunda Guerra Mundial, para ...

Ver mais

680 – Nova Previdência 2
680 – Nova Previdência 2
A Nova previdência é o primeiro passo para colocar o ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
Marilia Guimarães e Eduardo Dantas – a dupla ...

Ver mais

LíderCast 168 – Pedro Hipólito
LíderCast 168 – Pedro Hipólito
CEO da Five Thousand Miles, empresa portuguesa que se ...

Ver mais

LíderCast 167 – João Kepler
LíderCast 167 – João Kepler
Especialista em empreendedorismo, startups, marketing e ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro exagera?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Como se já não enfrentássemos todos os problemas possíveis – e mais uns imaginados – Bolsonaro parece se esforçar para piorar os reais e parir os imaginários. Por qual razão o ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – CARACTERÍSTICAS GRAMATICAIS DOS SUBSTANTIVOS (parte 3)
Alexandre Gomes
Até agora mostrei maneiras um pouco diferentes de se ver um SUBSTANTIVO. Usando um tanto de Lógica e  Filosofia para explicar SUBSTANTIVOS e ADJETIVOS. E só para te lembrar: toda a Realidade é ...

Ver mais

Viva Narciso
Jota Fagner
Origens do Brasil
A nossa vaidade nos impede de construir um ambiente mais tolerável A palavra “insentão”, popularizada nos últimos anos, serve para classificar a pessoa que não se deixa iludir pelo canto da ...

Ver mais

O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento  “A leitura é a chave para se ter um universo de ideias e uma tempestade de palavras.” Eduarda Taynara Gonçalves Pereira  (ex-aluna da EEEP ...

Ver mais

Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Basta uma olhada nos jornais televisivos diários para ...

Ver mais

Cafezinho 210 – Gosto médio
Cafezinho 210 – Gosto médio
Vida em sociedade implica no exercício diário da ...

Ver mais

Cafezinho 209 – Sobre fatos e desejos
Cafezinho 209 – Sobre fatos e desejos
Quem mostra a você o ato, conclui a intenção e sonega a ...

Ver mais

Cafezinho 208 – O Mas
Cafezinho 208 – O Mas
Preste atenção em quem usa o “mas” como desculpa ou ...

Ver mais

Sobre erros e concertos

Sobre erros e concertos

Luciano Pires -

Em meus 20 anos de palestras, em duas oportunidades separadas por mais de uma década, cometi um erro daqueles de arrasar o palestrante. Uma foi no ano passado. Fui contratado para mediar um debate num evento de uma grande empresa de serviços brasileira, promovido para os corretores da empresa, tendo na plateia cerca de 40 pessoas. Eu deveria abrir e conduzir um bate papo entre um diretorzão e um dos mais experientes corretores do mercado. Fiz a tarefa de casa, me preparei, me concentrei, tudo certinho. E então abri o evento com toda a simpatia, perspicácia e humor… e percebi que a plateia fez cara de espanto. O pessoal da organização com cara de super espanto. Ninguém disse nada e continuei a conduzir a conversa, mas havia algo de ruim no ar. Minhas intervenções eram recebidas de maneira fria. Só fui saber o que havia ocorrido quando o evento terminou e a representante da empresa veio falar comigo.

Eu havia aberto o evento mais ou menos assim: “Bom dia a todos, é uma satisfação estar reunido com vocês aqui na…” e disse o nome do maior e mais odiado concorrente da empresa. E nem percebi. Continuei normalmente, não me referi mais ao nome do concorrente e jamais me toquei do que havia dito. Por isso o clima ruim. A cada vez que eu fazia uma intervenção ficava todo mundo esperando pra ver se eu ia repetir a besteira e ser assassinado pelo diretor ali no palco. Quando me disseram o que acontecera, não acreditei. Foi um ato falho, provavelmente provocado pela minha familiaridade com o concorrente, de quem eu era cliente. Mas não havia o que fazer, o evento tinha terminado, todos dispersado. Pedi desculpas, mas não adiantava. Era recolher os cacos e cair fora.

Depois mandei uma carta me desculpando, mas só o diretorzão respondeu, educadamente dizendo que não havia problemas, que o evento correu bem. Mas seguramente sou “persona non grata” naquela empresa.

Este ano cometi outra besteira. Comecei o ano com o pé no acelerador no Facebook, com a intenção de triplicar o número de curtidores, obter alto engajamento e transformar minha página num veículo forte de distribuição de conteúdo. Para isso precisei acelerar o número de posts e ampliar o alcance. Mais posts, mais assuntos, menos tempo para checar e checar outra vez. O resultado foi a publicação de um post sobre a tabela de correção do imposto de renda com um erro grosseiro, primário, idiota. Quando fui avisado, a mancada já havia sido compartilhada 64 vezes. Corri arrumar, refiz o post, expliquei o erro, pedi desculpas. Não havia mais o que fazer. Não adiantava correr atrás. O erro na internet vaza por qualquer buraco.

Bem, e aí? O que fazer? Como suportar a sensação do “fiz papel de idiota”?

Não sei como você faz, mas eu começo com um velho dito sobre o fracasso: mais importante que o fracasso é o que você fará com ele.

Eu faço assim: assumo a besteira imediatamente, desfaço o malfeito, conto pra tudo mundo, peço desculpas e toco em frente. O segredo está no “imediatamente” e no “pra todo mundo”. Na hora. Plá-plum! Sem dar voltas, sem mimimi, sem enfeitar o pavão. Reação imediata! E de forma a que as pessoas recebam a explicação de mim mesmo, não de um intermediário que dará o viés que quiser. Infelizmente no evento da empresa de serviços só me contaram da besteira depois de terminado, ou eu teria transformado o limão em limonada. Na hora.

Então é assim: fiz a besteira, reconheço, peço desculpas e sigo em frente. E depois passo um período terrível me cobrando, refletindo sobre o erro para não cometê-lo outra vez.

Errar é humano. Aprender com ele é divino.

Ah, sim, é “consertos”, idiota.

Luciano Pires