Artigos Café Brasil
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

666 – O diabo é o pai do rock
666 – O diabo é o pai do rock
Existem dezenas de explicações para o 666 ser chamado ...

Ver mais

665 – O Vale
665 – O Vale
A trilha para o sucesso envolve trabalho duro e ...

Ver mais

664 – Sobre lagartas e borboletas
664 – Sobre lagartas e borboletas
Cara, como mudar é difícil... perder peso...manter ...

Ver mais

663 – A crisálida
663 – A crisálida
A maturidade entende que existe a escuridão no mundo, ...

Ver mais

LíderCast 153 – Rafael Bernardes
LíderCast 153 – Rafael Bernardes
Empreendedor em TI, que capacita outros profissionais ...

Ver mais

LíderCast 152 – Lucia Moyses
LíderCast 152 – Lucia Moyses
Escritora, psicóloga e neuropsicóloga, um papo sobre ...

Ver mais

LíderCast 151 – Irineu Toledo
LíderCast 151 – Irineu Toledo
Radialista, uma das vozes mais marcantes e conhecidas ...

Ver mais

LíderCast 150 – Ana Letícia Maciel
LíderCast 150 – Ana Letícia Maciel
Executiva que larga tudo para empreender com um ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – DIMENSÕES LÓGICA E PSICOLÓGICA DA LINGUAGEM (parte 8)
Alexandre Gomes
  Eu prometo que esse segundo capítulo vai acabar! Acho que terá umas 12 partes… Mas vamos lá! De volta à diversão. É claro que a linguagem tem aspectos LÓGICOS e PSICOLÓGICOS, veja ...

Ver mais

O Brasil da TV Globo, do Whatsapp e as manifestações do dia 26/05
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157340715398631 LINKS DAS OUTRAS LIVES: ...

Ver mais

Eu não acredito na democracia moderna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Eu não acredito na democracia representativa moderna. * * * Concordo com Schumpeter: no modelo de democracia do século XX, os indivíduos comuns são simplesmente consumidores de produtos políticos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro tende a ser considerado melhor presidente do país até 2022?
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157323556458631

Ver mais

Cafezinho 178 – O Exorcista
Cafezinho 178 – O Exorcista
O Brasil está sofrendo um imenso exorcismo, e o demônio ...

Ver mais

Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
A negatividade tem suas raízes no medo de ser ...

Ver mais

Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Gostou? Compartilhe! Só assim, fazendo a nossa parte, ...

Ver mais

Cafezinho 175 – Não use sua ignorância
Cafezinho 175 – Não use sua ignorância
Quando você não conhece o objeto de sua análise, será ...

Ver mais

Tô de olho no sinhô!

Tô de olho no sinhô!

Luciano Pires -

O jornal O Estado de São Paulo divulgou pesquisa do Ibope sobre a simpatia do eleitor por partidos políticos. Em 20 anos, de junho de 1988 até maio de 2007, uma das curvas permaneceu estável: 40% dos eleitores não simpatizavam com partido algum. Mas nas pesquisas de 2010 e 2012 a curva mudou de tendência e cresceu para 50% e 56% respectivamente. E agora em 2013, depois do mensalão e das loucuras que aconteceram e ainda estão por vir, a curva deve subir mais um pouco.

Por volta de 1982 o PMDB tinha a simpatia de 25% dos eleitores, caindo para 5% em 2012. O PSDB, que vinha de 10% em 1994, chegou a 5% em 2012. O PT, que vinha de 15% entre 1998 e 2000 e subiu para 33% entre 2002 e 2003, terminou 2012 com 24%. Enquanto isso Lula e Dilma alcançavam índices de popularidade excepcionais, mostrando que o brasileiro descola a figura do governante dos partidos de onde eles vêm.

Enquanto isso, a maior empresa de relações públicas do mundo, a Edelman, divulgou a edição 2013 da pesquisa que ela realiza desde 1998, o “Trust Barometer”. Ela entrevistou mais de 31.000 formadores de opinião em 26 países, examinando o índice de confiança em quatro instituições: governo, negócios, mídia e ONGs. Em 2011 o Brasil estava em primeiro lugar na lista, com um índice espetacular de 80% de confiança nas quatro instituições. Em 2012 caímos para 14º lugar, com 51%, subindo em 2013 para 12º com 55%.

Na edição de 2013 (que você encontra aqui: http://bit.ly/VjDa7j) , a avaliação global da capacidade de ação dos governantes revelou que 85% dos participantes acreditam que eles são incapazes de resolver os problemas sociais; 86% acham que são incapazes de tomar decisões éticas e morais, e 87% acham que jamais falam a verdade sobre questões complexas ou impopulares.

Há que se mergulhar profundamente na pesquisa para tirar conclusões que sirvam de reflexão sobre quais os caminhos da sociedade, mas de imediato dá para sacar que existe uma clara distinção entre “confiar no governo” e “confiar nos governantes”. A pesquisa da Edelman mostrou que, globalmente, 41% dizem confiar no governo, mas apenas 13% confiam nos governantes. E como confiança, simpatia ou popularidade não são a mesma coisa, fica evidente que existe um claro processo de destruição de valor em andamento. O resultado é uma transição da confiança: a pesquisa mostra que a maioria dos respondentes considera uma pessoa comum ou um professor, duas vezes mais confiável que um governante, o que abre uma avenida bem pavimentada para as redes sociais em relação às ruas esburacadas das mídias tradicionais.

Isso dá pano pra manga. Essa reflexão me trouxe à lembrança o humorista Clayton Silva, que faleceu nos primeiros dias de 2013. Era dele o personagem da Praça é Nossa que usava o bordão:

– Tô de olho no sinhô.

O recado para os políticos é claro: continuem assim que uma hora o caldo entorna.

Luciano Pires