Artigos Café Brasil
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Tô de olho no sinhô!

Tô de olho no sinhô!

Luciano Pires -

O jornal O Estado de São Paulo divulgou pesquisa do Ibope sobre a simpatia do eleitor por partidos políticos. Em 20 anos, de junho de 1988 até maio de 2007, uma das curvas permaneceu estável: 40% dos eleitores não simpatizavam com partido algum. Mas nas pesquisas de 2010 e 2012 a curva mudou de tendência e cresceu para 50% e 56% respectivamente. E agora em 2013, depois do mensalão e das loucuras que aconteceram e ainda estão por vir, a curva deve subir mais um pouco.

Por volta de 1982 o PMDB tinha a simpatia de 25% dos eleitores, caindo para 5% em 2012. O PSDB, que vinha de 10% em 1994, chegou a 5% em 2012. O PT, que vinha de 15% entre 1998 e 2000 e subiu para 33% entre 2002 e 2003, terminou 2012 com 24%. Enquanto isso Lula e Dilma alcançavam índices de popularidade excepcionais, mostrando que o brasileiro descola a figura do governante dos partidos de onde eles vêm.

Enquanto isso, a maior empresa de relações públicas do mundo, a Edelman, divulgou a edição 2013 da pesquisa que ela realiza desde 1998, o “Trust Barometer”. Ela entrevistou mais de 31.000 formadores de opinião em 26 países, examinando o índice de confiança em quatro instituições: governo, negócios, mídia e ONGs. Em 2011 o Brasil estava em primeiro lugar na lista, com um índice espetacular de 80% de confiança nas quatro instituições. Em 2012 caímos para 14º lugar, com 51%, subindo em 2013 para 12º com 55%.

Na edição de 2013 (que você encontra aqui: http://bit.ly/VjDa7j) , a avaliação global da capacidade de ação dos governantes revelou que 85% dos participantes acreditam que eles são incapazes de resolver os problemas sociais; 86% acham que são incapazes de tomar decisões éticas e morais, e 87% acham que jamais falam a verdade sobre questões complexas ou impopulares.

Há que se mergulhar profundamente na pesquisa para tirar conclusões que sirvam de reflexão sobre quais os caminhos da sociedade, mas de imediato dá para sacar que existe uma clara distinção entre “confiar no governo” e “confiar nos governantes”. A pesquisa da Edelman mostrou que, globalmente, 41% dizem confiar no governo, mas apenas 13% confiam nos governantes. E como confiança, simpatia ou popularidade não são a mesma coisa, fica evidente que existe um claro processo de destruição de valor em andamento. O resultado é uma transição da confiança: a pesquisa mostra que a maioria dos respondentes considera uma pessoa comum ou um professor, duas vezes mais confiável que um governante, o que abre uma avenida bem pavimentada para as redes sociais em relação às ruas esburacadas das mídias tradicionais.

Isso dá pano pra manga. Essa reflexão me trouxe à lembrança o humorista Clayton Silva, que faleceu nos primeiros dias de 2013. Era dele o personagem da Praça é Nossa que usava o bordão:

– Tô de olho no sinhô.

O recado para os políticos é claro: continuem assim que uma hora o caldo entorna.

Luciano Pires