Artigos Café Brasil
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

682 – LíderCast 13
682 – LíderCast 13
É isso que é o LíderCast. Uma homenagem a quem ...

Ver mais

681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
Agrotóxicos surgiram na Segunda Guerra Mundial, para ...

Ver mais

680 – Nova Previdência 2
680 – Nova Previdência 2
A Nova previdência é o primeiro passo para colocar o ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
Marilia Guimarães e Eduardo Dantas – a dupla ...

Ver mais

LíderCast 168 – Pedro Hipólito
LíderCast 168 – Pedro Hipólito
CEO da Five Thousand Miles, empresa portuguesa que se ...

Ver mais

LíderCast 167 – João Kepler
LíderCast 167 – João Kepler
Especialista em empreendedorismo, startups, marketing e ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro exagera?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Como se já não enfrentássemos todos os problemas possíveis – e mais uns imaginados – Bolsonaro parece se esforçar para piorar os reais e parir os imaginários. Por qual razão o ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – CARACTERÍSTICAS GRAMATICAIS DOS SUBSTANTIVOS (parte 3)
Alexandre Gomes
Até agora mostrei maneiras um pouco diferentes de se ver um SUBSTANTIVO. Usando um tanto de Lógica e  Filosofia para explicar SUBSTANTIVOS e ADJETIVOS. E só para te lembrar: toda a Realidade é ...

Ver mais

Viva Narciso
Jota Fagner
Origens do Brasil
A nossa vaidade nos impede de construir um ambiente mais tolerável A palavra “insentão”, popularizada nos últimos anos, serve para classificar a pessoa que não se deixa iludir pelo canto da ...

Ver mais

O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento  “A leitura é a chave para se ter um universo de ideias e uma tempestade de palavras.” Eduarda Taynara Gonçalves Pereira  (ex-aluna da EEEP ...

Ver mais

Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Basta uma olhada nos jornais televisivos diários para ...

Ver mais

Cafezinho 210 – Gosto médio
Cafezinho 210 – Gosto médio
Vida em sociedade implica no exercício diário da ...

Ver mais

Cafezinho 209 – Sobre fatos e desejos
Cafezinho 209 – Sobre fatos e desejos
Quem mostra a você o ato, conclui a intenção e sonega a ...

Ver mais

Cafezinho 208 – O Mas
Cafezinho 208 – O Mas
Preste atenção em quem usa o “mas” como desculpa ou ...

Ver mais

UFC no STF

UFC no STF

Luciano Pires -

Escrevi um texto sobre a Ética da Agressão, no qual comentei sobre a situação atual no Brasil quando parece aumentar a quantidade de pessoas que não conseguem argumentar e apelam para o xingamento e desqualificação dos interlocutores. Mas existem momentos em que o confronto, mais que esperado, é necessário.

Na retomada do julgamento do mensalão, em Agosto de 2013, assistimos a mais um confronto entre o Presidente do STF, Ministro Joaquim Barbosa, e seu colega Ricardo Lewandowski. A razão é conhecida por todos: Levandowski age como advogado de defesa dos réus, tentando de qualquer forma encontrar meios de reduzir suas penas, para isso até mesmo revendo votos já dados ou criando interpretações marotas para leis. Joaquim Barbosa, já cansado das malandragens de Lewandowski, o interpelou de forma dura, acusando-o de querer fazer “chicanas”. Aconteceu então uma áspera discussão que se prolongou nos bastidores. Chicana, no mundo Jurídico, quer dizer dificuldade criada pela apresentação de um argumento com base em um detalhe ou ponto irrelevante; abuso dos recursos, sutilezas e formalidades da justiça; trapaça, tramóia. A dura interpelação de Barbosa custou-lhe críticas. Ele foi chamado de intempestivo, descontrolado, mal humorado, desequilibrado, que age em desacordo com a liturgia de seu cargo, etc. E várias entidades vieram a público com desagravos ao pobre Lewandowski, que foi maltratado pelo malvado Joaquim.

Na década de 1990, Rorion Gracie criou nos EUA um campeonato onde lutadores de várias modalidades se enfrentavam praticamente sem limites. Era o Vale Tudo, que tinha por intenção mostrar que o Jiu-Jitsu, especialidade dos Gracies, tinha supremacia sobre qualquer outro estilo de luta. Mais tarde o Vale Tudo se transformou no UFC – Ultimate Fight Championship. Naquela época, os lutadores do UFC eram especialistas. Embora hoje os especialistas estejam em baixa, ainda há lutadores que têm como ponto forte a “trocação”, a porrada. Saem batendo, chutando, dando cotoveladas, e algumas vezes conseguem nocautear o adversário. É sempre um espetáculo violento, não raro com o ringue cheio de sangue, o que leva a platéia ao delírio e choca os que não conseguem engolir tanta violência.

Já o Jiu-Jitsu é uma arte suave. Não tem porrada. É saber aproveitar movimentos leves, sinuosos, que acabam levando à submissão do adversário. Sem sangue, sem violência.

Joaquim Barbosa é um trocador num ambiente do Jiu-Jitsu, faz barulho, tira sangue, nocauteia o adversário. É tudo menos suave. Gosta mesmo é de trocação. É um pugilista, um lutador de Muay-Thai, esse é seu estilo, no qual se sente bem. Quando acerta o ponto, é nocaute. Mas tem gente que fica indignada com a brutalidade, a violência.

O maior campeão de Jiu-Jitsu no UFC foi Royce Gracie, que bateu adversários muito mais fortes, pesados e agressivos, por vários anos. Até encontrar especialistas em trocação que treinaram Jiu-Jitsu. Então a arte suave deixou de ter supremacia. Ganha quem se especializa em várias modalidades, que dá porrada quando precisa e parte para a arte suave quando necessário.

Eu gosto do estilo do Joaquim Barbosa. Acho que falta ao Brasil gente assim, que chama as coisas pelo nome que elas têm, que explode quando se sente tratado como idiota. Que parte para a porrada quando acha que é preciso.

Para ficar no ponto, só falta treinar Jiu-Jitsu.

Só então os confrontos necessários realmente valerão a pena.

Luciano Pires