Artigos Café Brasil
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A chave de fenda
Chiquinho Rodrigues
Toninho Macedo era um daqueles músicos de fim de semana. Amava música e tocava seu cavaquinho “de brincadeira” (como ele dizia) aos sábados e domingos em uma banda de pagode ali do bairro onde ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Cafezinho 229 – Manicômio Legal
Cafezinho 229 – Manicômio Legal
O manicômio legal no qual estamos presos.

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

Um bosta

Um bosta

Luciano Pires -

Em 2015 palestrei num grande evento onde assisti uma apresentação do BNDES. Não me lembro se era evento do SEBRAE, mas a apresentação foi entusiasmante. Tava tudo lá: o banco criado para fomentar o empreendedorismo, que poderia garantir financiamento barato a quem quisesse se aventurar a construir um negócio. Até então a ideia que eu tinha do BNDES era do banco inacessível, feito para empresas grandes. Mas aquela apresentação me encantou. O BNDES era pra mim!

Estava lá , num dos primeiros slides: “Fundado em 1952, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) é um dos maiores bancos de desenvolvimento do mundo e, hoje, o principal instrumento do Governo Federal para o financiamento de longo prazo e investimento em todos os segmentos da economia brasileira. Para isso, apoia empreendedores de todos os portes, inclusive pessoas físicas, na realização de seus planos de modernização, de expansão e na concretização de novos negócios, tendo sempre em vista o potencial de geração de empregos, renda e de inclusão social para o País.”

Quando voltei a São Paulo fui atrás, perguntei ao gerente do banco com o qual trabalho e ele me disse que poderia arranjar o contato. Não demorou, estavam os dois aqui na minha frente, o gerente do meu banco e o representante do BNDES. Contei a história do Café Brasil, mostrei o estúdio, expliquei que estava buscando meios para expandir o negócio e que o BNDES, pela apresentação que assisti, poderia ser a solução. Mostrei os planos e as ideias de investimento. De quanto eu precisava?

-Ah, uns R$ 500 mil reais dariam para botar o trem andando.

O cara do BNDES então começou a mostrar o que podia ser feito, que tamanho eu devia ter, que só podia ser para compra de equipamentos, que eu podia escolher o cartão BNDES, que a prestação de contas era um inferno burocrático… e no final concluiu:

– No seu caso, é melhor levantar o dinheiro com o seu banco aqui.

O gerente do banco então me mostrou o que podia fazer: talvez (atente para o talvez) um empréstimo garantido por um imóvel meu, igual a tudo que eu já havia visto por aí, com aqueles juros vampirescos, etc e tal.

Mas e o BNDES? E aquelas taxas de juros baixinhas? E aquele monte de dinheiro à minha disposição?

Esqueça. Não é para meu bico. Sou só um empreendedor brasileiro, que tem uma microempresa, que usa o Simples, que tem 2 funcionários. Não importam meus planos, não interessa o que pretendo ou como pretendo ser. Aquele dinheiro barato que o palestrante mostrou naquela apresentação não é para meu bico. Para ter acesso a ele você tem de ser grande. Faturar milhões. Gastar milhões. Ter milhares de empregados. Ser amigo das pessoas certas. E o mais importante: não precisar do empréstimo.

Aos milhares de pequenos empreendedores como eu sobra o quê? O banco, o “meu” banco, louco para me depenar enquanto jura que me ama.

Escrevo estas linhas no momento em que recebo a notícia de que Eike Batista, procurado pela Polícia Federal por suspeita de lavagem de 100 milhões de dólares, foi avisado da batida policial e se mandou para Nova Iorque, onde estaria hospedado no apartamento de um renomado advogado carioca na Trump Tower.

Naquele mesmo 2015 da apresentação sobre o BNDES que me animou, Eike foi convocado para falar na Câmara dos Deputados sobre a situação dos R$ 10 bilhões em financiamentos obtidos por seu Grupo EBX, que faliu em 2013.

O BNDES deu 10 bilhões pra ele.

Parece que estou ouvindo os dois gerentes quando saíram do meu escritório:

– Mas é um bosta mesmo.