Artigos Café Brasil
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

687 – A herança maldita
687 – A herança maldita
Uma apresentação, com números, do descompromisso, a ...

Ver mais

686 – O Meu Everest
686 – O Meu Everest
Em 2001 eu fiz talvez a maior viagem da minha vida. ...

Ver mais

685 – Entrevista no Ranking dos Políticos
685 – Entrevista no Ranking dos Políticos
O Ranking dos Políticos é uma iniciativa civil para ...

Ver mais

684 – Susceptibilidade à negatividade
684 – Susceptibilidade à negatividade
Você está na boa, trabalhando ou fazendo suas coisas, ...

Ver mais

LíderCast 174 – Eduardo Albano
LíderCast 174 – Eduardo Albano
Diretor de conteúdo da Ubook, plataforma que está ...

Ver mais

LíderCast 173 – Henrique Prata
LíderCast 173 – Henrique Prata
O homem que fundou o Hospital do Câncer de Barretos, ...

Ver mais

LíderCast 172 – Paulo Vieira
LíderCast 172 – Paulo Vieira
Paulo Vieira está à frente da Next Academy, maior ...

Ver mais

LíderCast 171 – Fabiana Salles
LíderCast 171 – Fabiana Salles
Uma empreendedora que, a partir da criação de um ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Sem enredo
Chiquinho Rodrigues
Ainda bem que o U2 pegou um avião e foi pra puta-que-pariu! Eu já não aguentava mais, cara! Te juro que se eu visse o Bono Vox mais uma vez no Jornal Nacional ou na droga de um palanque qualquer ...

Ver mais

O melhor lugar da vida pra você usar a criatividade é na própria vida
Henrique Szklo
Muito se fala sobre a criatividade, mas a maioria não sabe exatamente para que serve, como utilizá-la, em que momento nem seu significado mais profundo. O número excepcional de atividades que ...

Ver mais

Nosso Pearl Harbor
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quando o Japão atacou os Estados Unidos, em 1941, destruindo a base aeronaval de Pearl Harbor, o então presidente Franklin D. Roosevelt discursou no congresso, externando toda a sua revolta pelo ...

Ver mais

Destaques da Aula 5 do Curso on-line de Filosofia (COF)
Eduardo Ferrari
Resumos e Artigos
Lembremos que o objetivo dessa série é chamar atenção para o conteúdo do Curso On-line de Filosofia, que pode ser acessado na página do Seminário de Filosofia. Os principais destaques da aula de ...

Ver mais

Cafezinho 221 – Desemprego Qualificado
Cafezinho 221 – Desemprego Qualificado
A escassez de talentos está se transformando em ...

Ver mais

Cafezinho 220 – Mulheres gostosas fazem sexo e morrem no Everest
Cafezinho 220 – Mulheres gostosas fazem sexo e morrem no Everest
Assim como dinheiro atrai dinheiro, popularidade atrai ...

Ver mais

Cafezinho 219 – Brasil recusado na OCDE
Cafezinho 219 – Brasil recusado na OCDE
Para essa gente, o Brasil não pode dar certo.

Ver mais

Cafezinho 218 – Ignorância Pluralística
Cafezinho 218 – Ignorância Pluralística
Colocando em você o medo de ser apontado como o único ...

Ver mais

Um jeito de ver o mundo

Um jeito de ver o mundo

Luciano Pires -

Terminando minha palestra Comunicação Em Tempos de Cólera, na qual em determinado momento trato do Brasil que sonhávamos em 1979 e que virou de ponta cabeça 25 anos depois pelas mãos daquela moçada que tinha todas as respostas, várias perguntas surgiram na plateia. E uma delas, recorrente: o que eu achava da divisão entre esquerda e direita no Brasil. Deve ser a pergunta que mais ouço…

Dá para responder a pergunta daquela plateia jovem de muitas formas, eu escolhi fazê-lo combatendo uma falsa dicotomia. Decidi bater na tecla de que ser de direita ou de esquerda não tem nada a ver com ser bom ou mau, mas com a forma como o indivíduo vê o mundo.

Essa falsa dicotomia, transformada em rótulo que reduz as discussões, foi pacientemente construída ao longo de 60 anos: a esquerda é boazinha, se preocupa com a natureza, com os índios e com os explorados. A direita é má, ditadora, capitalista, desmatadora e exploradora. Se você é de esquerda você é bom se é de direita é mau. É isso que foi ensinado a você durante sua infância e juventude, um estereótipo muito fácil de assimilar. Quem estuda um pouquinho, um pouquinho só, imediatamente percebe que isso é uma caricatura conveniente, a serviço de uma ideologia, da manutenção de uma certa elite no poder.

E eu prossegui na resposta: o esquerdista vê o mundo de fora para dentro, primeiro o planeta, depois a sociedade, então o país, a cidade, a tribo e o indivíduo. Ele pensa primeiro no coletivo, considera o indivíduo uma unidade desprezível, egocêntrica, egoísta, cobiçosa e que, quando largado livre, explora outro indivíduo. Por isso o pensamento de esquerda acredita que um governo forte é necessário para definir como o indivíduo deve viver. Para o esquerdista as mudanças só acontecem no coletivo, em grupos compostos por gente altruísta que sempre chegam magicamente às melhores soluções. Por isso quer assembleias intermináveis, onde todo mundo tem de opinar e é praticamente impossível sair do mínimo divisor comum.

Já quem é de direita pensa ao contrário: de dentro para fora. Primeiro o indivíduo, depois a tribo, o país, a sociedade e o planeta. Para o direitista, a mudança acontece a partir da liberdade de escolha e de ação individual, que é o que provoca mudanças. Por isso não quer um governo onipresente, não quer coletivismo, não quer assembleias infinitas. Quer resolver a partir da ação livre e individual.

Fala a verdade, não é muito mais bonita a posição generosa da esquerda, que quer o bem de todos a partir das ações de todos? Como resistir? Nesse pacote cabe tudo: da defesa de minorias ao aquecimento global.

Pois é.

Dentro dessas duas visões de mundo você distribui os anarquistas, os liberais, os conservadores, os socialistas, os comunistas, os corinthianos, etc.

Quando a gente entende como essa questão do de-dentro-pra-fora-de-fora-pra-dentro funciona, passa a compreender que aquele sujeito que defende o indefensável, que sai na rua gritando “#égolpe”, que quer a volta dos militares, que cospe na cara de quem usa a camisa do Bolsonaro, que agride uma pessoa por ela ser gay e que quer calar na porrada quem fala o que ele não quer ouvir, pode ser um cara legal. Sim, pode ser aquele vizinho que toma um chopinho com você, que ama os filhos, que leva o cachorro pra passear e que quer, sinceramente, um mundo melhor. Só que de um jeito diferente do seu.

Ser de direita ou de esquerda, a princípio, não deveria definir o caráter de ninguém, apenas indicar a forma como a pessoa vê o mundo. Mas é claro que essas escolhas apontam numa direção…

A forma que eu escolhi para ver o mundo, considerando essas definições, é a da direita: o indivíduo como motor das mudanças. Se eu quero mudar algo, começo comigo, considerando meus defeitos e limitações, sem acreditar em mágicas, utopias ou gente que vende o céu no futuro desde que eu vá pro inferno no presente.

No fim das contas, eu – não “nós” ou “eles” – sou o motor das mudanças. Se eu encontrar outros “eus” com esse mesmo tipo de pensamento, aí sim talvez tenhamos um grande “nós” capaz de acelerar as mudanças, sem vitimismo, sem colocar  culpa no sistema, sem reducionismos. Apenas exercitando aquilo que deve ser nosso maior valor: a liberdade individual.

Mas esse é só meu jeito de ver o mundo.