Artigos Café Brasil
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

O chamado da tribo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O chamado da tribo Grandes pensadores para o nosso tempo “O liberalismo é inseparável do sistema democrático como regime civil de poderes independentes, liberdades públicas, pluralismo político, ...

Ver mais

A chave de fenda
Chiquinho Rodrigues
Toninho Macedo era um daqueles músicos de fim de semana. Amava música e tocava seu cavaquinho “de brincadeira” (como ele dizia) aos sábados e domingos em uma banda de pagode ali do bairro onde ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Cafezinho 230 – Onde começam as grandes causas
Cafezinho 230 – Onde começam as grandes causas
Você tem a força. Mas antes de colocá-la nas grandes ...

Ver mais

Cafezinho 229 – Manicômio Legal
Cafezinho 229 – Manicômio Legal
O manicômio legal no qual estamos presos.

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Vem pra briga!

Vem pra briga!

Luciano Pires -

Tenho um podcast, programa em áudio distribuído pela internet, chamado Café Brasil. Simples, com reflexões, bom humor e música popular brasileira diferenciada. O programa nasceu em maio de 2005 na rádio Mundial de São Paulo e se transformou em podcast em setembro de 2006. Um dia achei que daria para veicular o programa em alguma emissora de alcance nacional e fiz o que a lógica manda: fui procurar as grandes redes. Algumas se interessaram, desde que eu tivesse 40 mil reais por mês para pagar pela veiculação. Argumentei sobre o conteúdo, senti que falava para as paredes. E depois vieram as fórmulas: mude o tom aqui, corte ali, bote outro tipo de música, não fale disto que é proibido, nem daquilo que “nosso público não aceita”. Aplicando as recomendações, meu programa ficaria igual às porcarias que vão ao ar diariamente, repletas de música idiota, texto idiota, apresentador à altura, falando para um público idiota.

A maioria das emissoras de rádio e televisão não faz parte da indústria da informação. Faz parte da indústria da propaganda.

Conteúdo? Só como isca para a publicidade. Existem cada vez menos exceções, mas para essas emissoras, jovens são vazios, só se preocupam com festas, só ouvem gente gritando e música enlatada repetitiva e de qualidade duvidosa. Mulheres são donas de casa, vazias, que só precisam de receitas de bolo e alguém comentando sobre a vida de celebridades. Ouvintes e espectadores são vistos como alguém de quem tirar algum.

Conteúdo? Ah, que bobagem.

Conclusão: é praticamente impossível vencer pelo conteúdo quando tratamos com diretores artísticos das emissoras de grande audiência. Propostas que não repitam fórmulas convencionais dificilmente são aceitas, a aversão a riscos é o grande assassino da criatividade. Mais fácil nivelar por baixo, fazer como todo mundo faz e brigar pela mediocridade dos anunciantes, que também preferem não fazer loucuras. De dentro das salas dos diretores de programação das grandes redes não sairá nenhuma ideia inovadora. São perigosas demais. A menos que caiam nas graças do dono da emissora… ou então que eles estejam desesperados.

E quem é que pode desesperá-los? Nós. Eu. Você. O público.

As pessoas ainda não inertes estão de saco cheio das fórmulas prontas, dos programinhas repetitivos com as mesmas propostas rasas e comerciais. É isso que explica o sucesso cada vez maior da anárquica programação da internet, que não tem o compromisso de agradar a todo mundo ao mesmo tempo, que traz de volta o inesperado, o irreverente, o politicamente incorreto, pulverizando a rotina insossa do blá, blá, blá de cada dia. A internet traz a liberdade de escolha, a independência, transferindo o poder definitivamente para o público e deixando muito claro que nós, espectadores, temos poder para provocar a renovação. Basta dar nossa atenção, nossa audiência, para o que presta e pressionar os patrocinadores a parar de injetar dinheiro nas porcarias que infestam as mídias tradicionais e sociais. Nunca foi tão fácil.

Eu estou fazendo minha parte. Minha audiência as porcarias não têm, e sempre que posso, provoco os diretores de marketing das empresas que dão o dinheiro que sustenta as barbaridades. Mas 10 anos atrás achei que era possível ir um pouquinho além.

Sozinho, pequenino, desconhecido, metido a besta e com a ajuda dos ouvintes, já publiquei 520 programas, totalizando 266 horas de conteúdo, 2.600 músicas apresentadas  e milhares de ideias valorizando a liberdade de expressão e semeando a autonomia de pensamento.

Liberdade.

E se você quer saber, a briga está só começando. Existem  centenas de outros como eu, colocando no ar suas ideias independentes através de podcasts, videocasts e blogs. E você tem um papel primordial. Gostou? Compartilhe! Tem penetração em alguma rádio e está interessado num conteúdo que não seja imbecil? Dê um alô pra gente. Só assim, fazendo a nossa parte, criando e compartilhando conteúdo pertinente, podemos nos livrar da ditadura da baixaria, do irrelevante, do medíocre.

O Brasil precisa de mais gente lutando por liberdade.

Obrigado a você que aceitou comprar a briga.