Artigos Café Brasil
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A chave de fenda
Chiquinho Rodrigues
Toninho Macedo era um daqueles músicos de fim de semana. Amava música e tocava seu cavaquinho “de brincadeira” (como ele dizia) aos sábados e domingos em uma banda de pagode ali do bairro onde ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Cafezinho 229 – Manicômio Legal
Cafezinho 229 – Manicômio Legal
O manicômio legal no qual estamos presos.

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

Vossa Excelência Achacadora

Vossa Excelência Achacadora

Luciano Pires -

O bicho pegou na Câmara dos deputados quando o ex-ministro Cid Gomes confirmou em alto e bom som que ali existem “400 ou 300 achacadores”. Quem assistiu ao embate Cid x deputados ficou, como diria aquela, estarrecido. Mas só os bobinhos achavam que Cid baixaria a crista e humildemente pediria desculpas. Não é de sua natureza.

Eu tive uma compreensão ampliada do embate. Ninguém diz o que Cid disse e permanece ali com um sorrisinho enquanto o mundo cai, só se comporta assim quem é maluco ou está desempenhando um papel. Sei que a tentação de considerar Cid maluco é grande, mas ele é antes de qualquer coisa um boquirroto e tenho convicção que serviu de instrumento para desestabilizar o legislativo. Puro jogo de poder.

Tive essa percepção ampliada por um livrinho que acabo de ler, chamado “O Nobre Deputado” de autoria do juiz de direito Márlon Reis que, através de um personagem fictício, o deputado Cândido Peçanha, descreve como o poder transforma dinheiro em mais poder, mais dinheiro, mais poder.

Na abertura do primeiro capítulo, está escrito: “…estou aqui para contar a verdade que todo político esconde de seus ‘eleitores’. Por que escrevi ‘eleitores’ entre aspas? Porque não existem eleições. A grande farsa eleitoral brasileira é o tema deste livro”. O que vem na sequência é, como diria aquela outra vez, estarrecedor: uma descrição detalhada dos intestinos do poder, de como tudo se move em torno do dinheiro e nós, eleitores, não fazemos qualquer diferença.

O livro descreve como age um achacador, o sujeito que usa sua posição de poder para exigir algo em troca, que pressiona, chantageia, rouba e engana, mas que é tratado como autoridade. Que flana impune sobre as leis, protegido pelo super poder que ganhou nas urnas: o de representar “o interesse do povo em diversos níveis: meu país, meu Estado, minha cidade, meus amigos, minha família, meus interesses próprios. Nessa ordem crescente.”

De certa forma eu já sabia do que o livro tratava, mas não tinha a riqueza de detalhes sobre até onde um achacador pode chegar, sobre como estamos reféns de um sistema que se auto protege, permitindo que vigaristas enriqueçam da forma mais pérfida imaginável, desviando dinheiro de quem mais necessita.

O livro, ao focar na história fictícia de um personagem inspirado em fatos reais, pode ser perigosamente interpretado como uma generalização, como um exagero, especialmente se você tiver simpatia por este ou aquele político ou partido. Talvez alguém se sinta tentado a dizer que o autor “esqueceu as regras de convivência democrática, desrespeitou o parlamento brasileiro de forma pueril, leviana e sem consistência, porque aponta o dedo, faz acusações, mas não diz o crime, não dá os nomes.” Não por acaso, essas foram as iradas palavras do Deputado Leonardo Picciani, do PMDB, para o ex-ministro Cid Gomes no embate na Câmara dos Deputados.

A semana na qual li o livro terminou num domingo marcante, o mesmo que deu início à semana na qual se deu o embate entre Cid e os deputados , o 15 de março de 2015, quando centenas de milhares de brasileiros foram às ruas para dizer “basta”.

Basta de quê?

Da certeza de que tanto Cid Gomes quanto os deputados que o atacaram expondo seus desmandos enquanto governador, estão certos.

Da angústia de imaginar que os achacadores podem não ser 300 ou 400, mas 1.000, 5.000, 10.000, 100.000…

Da certeza de saber que é tudo por dinheiro.

Basta.