Iscas Intelectuais
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

674 – Balde de Caranguejos
674 – Balde de Caranguejos
O termo “mentalidade de caranguejo” é utilizado em ...

Ver mais

673 – LíderCast 12
673 – LíderCast 12
Mais uma temporada do LíderCast, agora é a 12. Mais um ...

Ver mais

672 – A mão invisível do mercado
672 – A mão invisível do mercado
Você certamente já ouviu falar de livre mercado, aquele ...

Ver mais

Café Brasil 671 – Antifrágil
Café Brasil 671 – Antifrágil
Um dos livros sumarizados no Café Brasil Premium foi o ...

Ver mais

LíderCast 161 – Murilo Gun
LíderCast 161 – Murilo Gun
Criador, inovador, pensador, provocador. Uma figura ...

Ver mais

LíderCast 160 – Parker Treacy
LíderCast 160 – Parker Treacy
Norte americano do setor automotivo ­financeiro, ...

Ver mais

LíderCast 159 – Paulo Ganime
LíderCast 159 – Paulo Ganime
Jovem deputado federal pelo partido Novo, engenheiro e ...

Ver mais

LíderCast 158 – Georgios Frangulis
LíderCast 158 – Georgios Frangulis
Fundador e CEO da Oakberry Açaí Bows, que está ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Resumos das aulas do COF e temas diversos
Eduardo Ferrari
Resumos de aulas do COF
Bom dia, Boa Tarde, Boa noite! Vida longa ao Café Brasil e à Confraria! Em primeiro lugar, gostaria de agradecer ao Luciano Pires pelo espaço e a oportunidade de publicar alguns dos meus resumos. ...

Ver mais

Não se sai do campo de concentração de ônibus com ar condicionado….
Carlos Nepomuceno
LIVE COMPLETA.

Ver mais

Velhos amigos
Chiquinho Rodrigues
Como é que pôde um simples pedaço de pau, preso em seis cordas, mexer tanto  com a vida de uma pessoa?

Ver mais

A análise do discurso histórico do Paulo Guedes na XP
Carlos Nepomuceno
LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157462927933631

Ver mais

Cafezinho 195 – No mundo da lua
Cafezinho 195 – No mundo da lua
Colocar o homem na lua custou mais de 20 bilhões de ...

Ver mais

Cafezinho 194 – O banco
Cafezinho 194 – O banco
E aquele monte de dinheiro à minha disposição? Esqueça. ...

Ver mais

Cafezinho 193 – A zona do equilíbrio
Cafezinho 193 – A zona do equilíbrio
Quer saber? Antes de ser do meretrício, as zonas eram ...

Ver mais

Cafezinho 192 – A arte de comer picanha
Cafezinho 192 – A arte de comer picanha
Antes de dizer “não comi e não gostei” ou “não leio ...

Ver mais

Tiroteio no Saloon

Tiroteio no Saloon

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

“Sou do Mato Grosso. Lá a gente lida com chantagista assim: é matar ou morrer”.                                                                      

A dramática frase acima foi replicada pelo site O Antagonista, dando como fonte a Folha de São Paulo: https://www.oantagonista.com/brasil/matar-ou-morrer

Lendo a frase, digna de faroeste dos anos 60, o cidadão imaginaria que o autor da pérola seria um John Wayne, um Clint Eastwood, Alan Ladd, Charles Bronson, Yul Brinner ou Lee Van Cleef.  Mas para decepção dos cinéfilos, e mais ainda de qualquer brasileiro, o dito é de um ministro do Supremo Tribunal Federal, o inconfundível Gilmar Mendes.

A alegada razão para esse ato de macheza duelística ao meio dia, numa rua poeirenta de uma cidadezinha do Texas com os Colt .45 cuspindo chumbo, tem uma causa tão estranha como as palavras resultantes: De acordo com Mendes, um colega do STF estaria sendo chantageado. Não deu detalhes, nem apresentou provas, nem o nome da suposta vítima, nem ao menos identificou o chantagista; tampouco revelou qual seria o motivo da chantagem ou quais as exigências do criminoso. Só deu a entender que a Lava Jato, operação mais vitoriosa da história da República no desmonte do crime organizado, extrapola seus limites. Não acusou frontalmente ninguém. Só jogou o dólar de prata pro alto pra ver se algum cowboy acerta (o atual levanta-que-eu-corto). Sem pegar no pianista, por favor, hein?

Peralá: um ministro do STF faz uma acusação desse porte, de extrema gravidade – como se reclamasse que o sorvete veio com pouca cobertura – e fica tudo por isso mesmo? Negativo. Muito corretamente, a deputada estadual Janaína Paschoal (PSL/SP), alertou que Gilmar Mendes deve ser ouvido com urgência pela Procuradoria Geral da República para que se apure essa alegação assustadora, com imediata abertura de inquérito. Mendes, o indefectível, não deu mais nenhuma pista depois de lançar o pomo da discórdia sobre a mesa do saloon. Silêncio total. Não se ouve nem o tilintar dos copos. Só o vento lá fora, empurrando o mato seco pelas ruas.

Até as moças de corpete apertado e pernas de fora que animam o saloon sabem que há guerra declarada entre Mendes e figurões da Lava Jato – incluídos no rol delegados federais, juízes, receita federal e membros do ministério público, como se esses fossem os bandidos. Os verdadeiros criminosos estão devidamente identificados (em parte) e muitos já cumprem pena pela destruição do Estado e desvio de rios de dinheiro público. Estão acusando o xerife, e não os pistoleiros. É o rabo balançando o cachorro. Ou o cavalo do bandido, como queiram.

Por mais que o brasileiro esteja com o couro grosso diante de excessos praticados por membros de todas as modalidades de poder, acreditando serem donos do País, e não meros servidores públicos, ainda é assustador ouvir ministros do Supremo batendo boca em plena sessão, xingando uns aos outros, dando entrevistas de cunho partidário, antecipando votos pela TV ou fazendo jogo de cena político. É absolutamente impensável um ato tresloucado semelhante na suprema corte de qualquer país que já tenha abandonado a Idade Média. Mas aqui é o Brasil brasileiro, é a jecaria, é a roça, a terra dos jagunços, o atraso, a ignorância travestida de “progressismo”. Não temos nem o charme dos antigos westerns.

Em outra entrevista, Mendes afirmou que a receita federal “está sendo usada como órgão de pistolagem de outras instituições”. Ou seja, tiroteio no saloon. Sempre quebram o espelho do bar e algum bandido é atingido na escada, se esborrachando nas mesas de baixo.

Não deu outra: Os procuradores responderam que Gilmar Mendes “continua a ofender gratuitamente a honra de magistrados e servidores porque acredita estar acima do bem e do mal.” Sacaram antes e acertaram o alvo. Mas por enquanto é só treino.

A hora do duelo final entre a turma dos mocinhos e a dos bandidos tá chegando? É uma gente tão estranha, o submundo do poder é tão vasto, envolve tantos mistérios com tantos interesses inconfessáveis… Tá mais pra Star Wars do que faroeste.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes