Iscas Intelectuais
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

683 – O peixe
683 – O peixe
E aí, hein? Dar o peixe ou ensinar a pescar? Será que ...

Ver mais

682 – LíderCast 13
682 – LíderCast 13
É isso que é o LíderCast. Uma homenagem a quem ...

Ver mais

681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
Agrotóxicos surgiram na Segunda Guerra Mundial, para ...

Ver mais

680 – Nova Previdência 2
680 – Nova Previdência 2
A Nova previdência é o primeiro passo para colocar o ...

Ver mais

LíderCast 170 – Rodrigo Galvão
LíderCast 170 – Rodrigo Galvão
Rodrigo Galvão assumiu aos 35 anos de idade a posição ...

Ver mais

LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
Marilia Guimarães e Eduardo Dantas – a dupla ...

Ver mais

LíderCast 168 – Pedro Hipólito
LíderCast 168 – Pedro Hipólito
CEO da Five Thousand Miles, empresa portuguesa que se ...

Ver mais

LíderCast 167 – João Kepler
LíderCast 167 – João Kepler
Especialista em empreendedorismo, startups, marketing e ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro exagera?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Como se já não enfrentássemos todos os problemas possíveis – e mais uns imaginados – Bolsonaro parece se esforçar para piorar os reais e parir os imaginários. Por qual razão o ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – CARACTERÍSTICAS GRAMATICAIS DOS SUBSTANTIVOS (parte 3)
Alexandre Gomes
Até agora mostrei maneiras um pouco diferentes de se ver um SUBSTANTIVO. Usando um tanto de Lógica e  Filosofia para explicar SUBSTANTIVOS e ADJETIVOS. E só para te lembrar: toda a Realidade é ...

Ver mais

Viva Narciso
Jota Fagner
Origens do Brasil
A nossa vaidade nos impede de construir um ambiente mais tolerável A palavra “insentão”, popularizada nos últimos anos, serve para classificar a pessoa que não se deixa iludir pelo canto da ...

Ver mais

O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento  “A leitura é a chave para se ter um universo de ideias e uma tempestade de palavras.” Eduarda Taynara Gonçalves Pereira  (ex-aluna da EEEP ...

Ver mais

Cafezinho 214 – Entropia 2
Cafezinho 214 – Entropia 2
Entropia precisa de manutenção, de consertar o que é ...

Ver mais

Cafezinho 213 – Entropia
Cafezinho 213 – Entropia
Encontrar e consertar uma goteira ou uma trinca é ...

Ver mais

Cafezinho 212 – Cérebros roídos
Cafezinho 212 – Cérebros roídos
Na República das Banalidades, o que não é visto e nem ...

Ver mais

Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Basta uma olhada nos jornais televisivos diários para ...

Ver mais

A vida é muito melhor com boechatividade

A vida é muito melhor com boechatividade

Henrique Szklo -

Como a maioria dos brasileiros, fiquei consternado com a morte do jornalista Ricardo Eugênio Boechat. Não posso dizer que eu era exatamente um fã, mas como sob minha perspectiva, ele utilizou em sua carreira – explícita ou subliminarmente – toda a liturgia intrínseca ao pensamento criativo, tinha a minha admiração genuína e espontânea. E como forma de homenagem e reconhecimento, no dia de hoje cometi a ousadia de me referir a este jeito encantador de usar nossa cabeça, como pensamento boechat.

Existem jornalistas tão ou mais famosos do que Ricardo Eugênio em nosso país. Mas suspeito que nenhum deles causaria a comoção que sua morte causou no brasileiro. E se alguém me perguntar o porquê, minha resposta será: ele era diferente. E ele era boechat.

Não é fácil ser boechat

Nem todo diferente é boechat, mas todo boechat é diferente. Em nenhum dos casos a vida é fácil. O descompassado vai sempre se deparar com desafios numa proporção maior do que as pessoas que se mantém dentro de uma pretensa normalidade. Vai correr mais riscos, vai enfrentar cotidianamente demônios externos e internos, vai ser frequentador assíduo do inferno. A vantagem do autêntico boechat é que ele poderá, eventual e fugazmente, sentar ao lado de Deus. O direito ou o esquerdo, tanto faz.

A coragem de ser diferente

Ser boechat não é para qualquer um. Ser boechat é uma profissão de risco. Por isso considero todo boechat um herói que, com coragem e destemor, enfrenta diariamente um turbilhão de almas resistentes e estancadas, inconformadas com qualquer mínima mudança. Quem tem dificuldade em mudar é particularmente agressivo com aquele que teima em brincar com o senso comum, classificando-o imediatamente de inimigo número zero.

Jornalista boechat?

No jornalismo, por ser um serviço que teoricamente vive em busca da verdade, o pensamento boechat pode inadvertidamente desviar o foco da informação pragmática e descambar para a fantasia. Verdade é verdade e a boechatividade, por sua inerente natureza, poderá subverte-la e, consequentemente, desconstrui-la. Mas não é assim que a coisa funciona. Pelo menos não necessariamente.

Será que se eu quiser dar um toque boechat na minha matéria não estarei arriscando perder meu prestígio e a minha credibilidade? Vai. Então não vale a pena! Claro que vale. Eu disse que pra ser boechat é preciso coragem. Me desculpem os bananas, mas a vida sem boechatividade é apenas uma sequência modorrenta de dias rumo ao fechamento de sua matéria corporal. Sejamos práticos. Se você se satisfaz com pouco, é com pouco que você tem de viver.

Onde o Ricardo Eugênio era boechat

Ser boechat, entre outras milhares de definições, é ter a capacidade de fazer a mesma coisa que todo mundo faz de um jeito diferente, que no caso específico do jornalismo, é uma mudança de perspectiva diante de um mesmo fato. O boechat é aquele que muda a posição da câmera para observar um fenômeno que, por uma questão de conforto, todo mundo enxerga do mesmo ponto de vista. Uma palavra inesperada, uma construção diferente de texto, um olhar inusitado, uma maneira única de se expressar pode fazer toda a diferença. O público sempre vai prestar mais atenção numa notícia dada de forma boechat.

Dizem que o Ricardo Eugênio era caçador de furos, workahólic e, mais importante, tinha faro para perceber se algo era notícia ou não. Ou seja, as coisas estavam ali, escancaradas diante de todo mundo, mas ele tinha o dom de ser um dos poucos a encontrar Wally. E a capacidade de observação é um componente indispensável para o desenvolvimento de um pensamento boechat. Quem não percebe os pequenos detalhes não entende a grande fotografia.

O Ricardo Eugênio era questionador. E o questionamento interminável está na raiz profunda do pensamento boechat. O boechat é, antes de tudo, um chato. Não se conforma com nada e vive fazendo novas perguntas. O conformado prefere que as coisas continuem como sempre. O boechat quer que as coisas sejam como nunca. A familiaridade, por definição, é entorpecente e banal. Não provoca impacto. E jornalismo sem impacto é como óculos sem lentes: não fazem você enxergar as coisas de um jeito diferente, portanto, não servem para nada.

Li em algum lugar que o Ricardo Eugênio assumia para todos que não sabia nada, mesmo sobre aqueles temas que obviamente sabia muito. Este é um clássico do pensamento boechat. Na verdade, uma demonstração de sabedoria. Nunca, nunca podemos nos satisfazer ou nos conformar com o quanto sabemos sobre o assunto com o qual estivermos trabalhando. Sempre haverá novas informações, novos jeitos de enxergar, novos indutores que poderão nos levar a lugares que nem imaginávamos.

O senso de humor também é uma característica típica dos boechats. Quem não tem senso de humor jamais será um boechat de verdade. E Ricardo Eugênio, não à toa, tinha de sobra. Pegue todos os grandes boechats da história da humanidade e você sempre irá encontrar um pequeno toque que seja de humor inteligente. Aliás, desconfie de quem não tem senso de humor.

Não é pra qualquer um

Arrisco dizer que pessoas genuinamente boechats são mais queridas e admiradas, como se demonstrou com a morte do Ricardo Eugênio. Isso porque o trabalho de um boechat é dar uma sacodida em nosso cérebro, gerar reflexões, criar imagens inusitadas, estimular nossa imaginação e reverenciar nossa inteligência. Mas não é qualquer boechat que consegue isso. É preciso ter um toque de Ricardo Eugênio.

 

CONTRATE MINHA PALESTRA: whatsapp 11 98466-0112, com Lena

Ver Todos os artigos de Henrique Szklo