Iscas Intelectuais
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A chave de fenda
Chiquinho Rodrigues
Toninho Macedo era um daqueles músicos de fim de semana. Amava música e tocava seu cavaquinho “de brincadeira” (como ele dizia) aos sábados e domingos em uma banda de pagode ali do bairro onde ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Cafezinho 229 – Manicômio Legal
Cafezinho 229 – Manicômio Legal
O manicômio legal no qual estamos presos.

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

Ah… aí tem!

Ah… aí tem!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Devidamente guardado pelo resto de sua criminosa vida na inexpugnável prisão de Oristano, localizada na ilha da Sardenha, o terrorista de extrema-esquerda Cesare Battisti finalmente está cumprindo pena pelos seus crimes pavorosos. Bandido profissional sob o manto de ”defensor” de alguma coisa difusa que todo comuna alega vagamente, esse monstro matou covardemente 4 pessoas e aleijou um adolescente. O assassino era “militante” dos Proletários Armados Pelo Comunismo, organização terrorista cujo nome explica muito bem sua função criminosa nos anos 70. Conseguiu fugir da Itália, palco das atrocidades, para a guarida do governo de François Mitterrand, o bobão francês. Quando este bateu as botas Louboutin de comunista milionário, Battisti também bateu… asas, sempre às custas da esquerda internacional, olha só que coisa meiga. Acabou no Brasil, sempre fugindo da justiça com documentos falsos (que sujeito sem imaginação, né, Olga Benário?) plenamente ciente que Lula e sua turma, então no poder, fariam de tudo para elevá-lo à qualidade de herói mundial, cobrindo-o de carinho e dinheiro. Trotskista de butique sabe muito bem cuidar dos seus. Bom, o resto da novela todo mundo conhece.

Mas resta inexplicada grande parte da trajetória do terrorista no Brasil e na malfadada fuga para a Bolívia. Quem o amparava financeiramente? Quem pagava seus advogados? Qual o botão do poder acionado para movimentar todo o corrupto governo Lula para brindá-lo com o status de “refugiado político” (!), e ao mesmo tempo tachar a rica e culta Itália, uma democracia tão antiga quanto amiga, de ditadura sanguinária abrigando um judiciário mefistofelicamente desonesto? Qual a razão de tanto empenho para proteger um bandido a qualquer custo, criando até uma crise diplomática? Mistérios que só o maoísmo de fachada poderia explicar.

Quem pagou pela casa que habitava? E suas constantes viagens? E os dólares e euros apreendidos em sua posse? Foram um presente? De quem? Não adianta a alegação de que os livrecos escritos por ele renderam o suficiente para isso; não passa de uma chicana para fazer crer aos tolos que ele era um trabalhador honesto. Haja cara de pau.

Há outro fato no caso, tão misterioso quanto curioso: Toda a lulada apostava num outro porto seguro para Battisti, sabendo que Bolsonaro não ia facilitar as coisas para o terrorista. O alvo agora era a Bolívia, comandada pelo camarada Evo Morales, que tantas vezes chamou Lula de “irmão”, que por sua vez financiou o inocente plantio de folhas de coca com dinheiro a fundo perdido do BNDES, mesmo depois de termos a Petrobrás de lá ocupada por soldados e encampada pelos jagunços de Morales em 2006; inesquecível sua ameaça de invadir militarmente o Brasil caso Dilminha fosse impichada. Por um desses sarcasmos da História, o tão amado terrorista foi entregue à justiça italiana justamente por Morales, que parece ter entendido que essa brincadeira infantil de servir ao marxismo cumpanhêro não leva a nada. Não por acaso, dias antes havia chamado Bolsonaro de irmão(!!), causando uma parada cardíaca nos fanáticos de sempre. Fica a questão: Morales traiu seu bando bolivariano/lulista por simples pragmatismo? Qual a razão de tantos afagos ao antigo inimigo “fascista-nazista-extrema-direita” que hoje é presidente do Brasil? Por quais motivos Battisti foi entregue pela Bolívia diretamente à Itália, sem pedido formal de extradição entre esses países? Como é que Evo caçou e prendeu Battisti em tão pouco tempo? A situação é tão nebulosa quanto os discursos de Dilma. Bom, pensando bem, nem tanto. Mas que a coisa toda é estranha… ah, isso é.

E agora, Lênin, múmia derretida? E agora, Trotski, seu picareta (no bom e no mau sentido)? O ditador venezuelano Nicolás Maduro, lulistas e demais membros do clã alegarão que Evo Morales é um ultradireitista a serviço da CIA e do departamento de Estado americano? Que se vendeu ao imperialismo e ao capital internacional? Que é apenas um traidor aproveitando-se da situação, como acusaram Antônio Palocci e Hélio Bicudo? Ou vão se fazer de bobos, fingindo que nada aconteceu pra não diminuir ainda mais uma já minguada turminha de aproveitadores internacionais, carpideiras de Fidel? Pior: A própria esquerda italiana repudia Battisti e também o considera um monstro, aplaudindo sua prisão. Mas isso é um detalhe insípido para as pujantes comunidades do contra-tudo-e-todos-que-estão-aí.

Agora só falta Gleisi Hoffman organizar uma caravana com o MST para ficar na porta do presídio que abriga Battisti, gritando todas as manhãs “Buongiorno, compagno Cesare!”

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes