Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica “Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários ...

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem
Henrique Szklo
Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da ...

Ver mais

Somos quem podemos ser
Jota Fagner
Origens do Brasil
Já faz um tempo que venho desiludido quanto aos resultados da educação. Ainda acredito que ela seja essencial, mas já consigo enxergar que não basta. Uma pessoa bem instruída não é garantia de ...

Ver mais

História da riqueza no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
História da riqueza no Brasil  Cinco séculos de pessoas, costumes e governos “A proposta de uma revolução copernicana na análise e interpretação da história do Brasil – esta é a marca ...

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Meu voto é estratégico, para aquilo que o momento exige.

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem

Henrique Szklo -

Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da sua classe. E emenda dizendo que, se ganhar na loteria, vai comprar uma casa, um carro e uns dois ou três deputados. De qualquer maneira, o fenômeno relatado neste artigo não se restringe aos políticos brasileiros. Tampouco ouso afirmar, pois seria leviano de minha parte, que todos os políticos são assim. Mas não vamos aqui perder tempo analisando minorias. Afinal, ninguém liga pra elas.

Os políticos, em todo o mundo, sofrem do que eu chamo de CCB – Comportamento Criativo Bipolar. Se por um lado, são extremamente imaginativos e engenhosos, por outro demonstram uma incapacidade singular de gerar ideias minimamente criativas.

A classe política tem uma destreza quase sobrenatural para arregimentar fundos não oficiais e não declarados para desenvolvimento de suas atividades particulares com acúmulos financeiros crescentes e devidamente expatriados, ou seja, meter a mão, roubar mesmo. Sofisticados, tratam o dinheiro público com tanta intimidade e apreço que não encontram nenhum empecilho em se locupletar das formas mais argutas e admiráveis. É de dar inveja. Se usassem todo esse talento para o bem…

Mas isso é fácil de explicar. Não existe atividade profissional mais criativa que a do crime. Sempre seguidos de perto pelas autoridades, os criminosos (que às vezes são as próprias autoridades, diga-se) precisam estar sempre inovando, buscando novas formas de gerar receita, de não perder share de mercado, de estrangular a concorrência (literalmente), de garantir o retorno de seus investimentos, de eliminar jornalistas, policiais e juízes enxeridos. Enfim, de dar chapéu em todo e qualquer mecanismo de segurança que é criado diariamente para, inutilmente, tentar detê-los.

Políticos profissionais demonstram um desempenho verdadeiramente invejável na arte de bater carteiras, desviar verbas, apropriar-se do que não é seu, extorquir empresários que querem ser extorquidos, dilapidar patrimônios públicos, surrupiar democraticamente qualquer caraminguá que distraidamente cruzar pelo seu caminho. Afinal, roubar é que nem cozinhar: precisa ter uma boa mão. E o mais importante: eles deitam à noite em seu travesseiro de plumas de ganso geneticamente modificado e dormem feito crianças. Mas não as crianças que eles deixam sem escola, remédio e merenda, porque essas não dormem, claro.

Tudo isso é surpreendente, principalmente se comparado à total falta de criatividade na hora de explicar à população quando são pegos com uma mão na cumbuca. Com uma não. Com as duas. Tem também as mãos da mulher e dos filhos, das noras, do ex-cunhado, da babá, do cachorro (que afinal também é gente) e de quem mais estiver passando por ali naquela hora: o instalador da TV a cabo, o encanador e o entregador de pizza. Haja cumbuca. E haja pizza. Aliás, especificamente em nosso país, a classe política é uma das maiores produtoras de laranjas do mundo. Este é o Brasil que dá certo! Outra injustiça com nosso país é afirmar que aqui nada é organizado. E o crime, não conta?

Está na hora de inventar desculpas mais plausíveis

Voltando aos políticos, esta incapacidade de criar desculpas minimamente aceitáveis me decepciona um pouco. Como especialista em criatividade, posso afirmar que somos todos criativos e, quando vejo alguém não expressando todas as suas potencialidades no desenvolvimento de ideias inovadoras, me dá até uma certa tristeza. Que desperdício de talento.

Mas vamos ser justos. Esta falta absoluta de imaginação não é monopólio dos políticos. Não. Todos nós sofremos esta espécie de pane mental quando a nossa vaca vai pro brejo sem direito a um Habeas corpus: o gordo pego em flagrante com a geladeira aberta no meio da noite, o guarda que pega o motorista que estacionou na vaga de deficiente “só por um minutinho”, quando falamos mal de alguém e essa pessoa está escutando, quando você faz no elevador o que todo mundo faz no elevador e entra alguém antes que a tragédia se dissipe, batons e dólares encontrados na cueca e, claro, o caso clássico do cônjuge pego na cama com outro.

É sempre aquela mesma ladainha do “não é o que você está pensando”. E o mais pitoresco é que as pessoas dizem isso exatamente nas vezes em que a outra pessoa está absolutamente certa ao pensar o que está pensando. Mais do que ineficazes, ideias estúpidas como esta só pioram a situação, comprometendo sua credibilidade e sua cara-de-pau.

Não, pessoal, por favor, vamos botar a cabeça pra funcionar. Vamos desenvolver nossa criatividade. Não é possível que a gente não consiga criar nada que convença o outro de que a sua pataquada tem uma explicação sensata, verossímil, um objetivo nobilíssimo ou que, pelo menos, provoque uma dúvida razoável. Em qualquer tribunal do mundo, isso já será suficiente para ser inocentado. Sim, você pode. Afinal, no Brasil o crime não é roubar, é ser pego.

Com relação aos políticos, estou pensando seriamente em criar um curso de desbloqueio criativo específico para esta nobre classe. Não da parte relativa à pilhagem sistêmica, que nesta matéria eles tem mestrado e doutorado, mas com relação à criação de desculpas que não sejam tão esfarrapadas, quase desrespeitosas com a população. Sim, porque o povo merece mais respeito. Merece que se valorize sua inteligência com argumentos sólidos, críveis e, principalmente, de difícil averiguação.

Tenho certeza de que um curso destes faria imenso sucesso em todo mundo. Poderia se chamar “Democracia? Hahaha”.

O público é imenso, já que hoje em dia os políticos brasileiros estão saindo pelo ladrão. Já estou enxergando o roteiro das aulas: como justificar a mudança de opinião sobre as coisas como se fosse resultado de reflexão profunda? Como mudar de lado parecer uma tomada de consciência? Como dizer uma coisa hoje e outra amanhã sem parecer um canalha? Como justificar o passado negro, transformando-o em redenção? Como invalidar documentos assinados em cartório? Como negar vídeos, fotos e sons? Como transformar gatunagem pura e simples em perseguição política? Como meter a mão no dinheiro público de segunda à sábado e ir à igreja pedir proteção a deus aos domingos? Como ser financiado por empresas e aprovar leis que as favoreçam parecer coincidência? Como negar que conhece alguém, mesmo que este alguém seja a sua mãe?

Assunto é o que não vai faltar. Já sei até como começar: gostaria de roubar um pouco do seu tempo…

Ver Todos os artigos de Henrique Szklo