Iscas Intelectuais
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Bolsonaro errou, mas nem tanto

Bolsonaro errou, mas nem tanto

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Bolsonaro fala demais, e sem freios. Não faz a necessária reflexão prévia. Ele precisa lembrar, urgentemente, que não é mais deputado nem está no balcão do boteco. O cargo que ocupa merece todo o respeito (de mão dupla), e a liturgia inerente é mais do que apenas isso; é essencial. Quanto aos filhos dele, o caso parece perdido; mas isso é papo pra outro barril.

Tudo bem; falou demais outra vez, mas torceram a frase completa do presidente. Ele nunca disse, como o lulista Chico Pinheiro alegou de boca cheia, que os integrantes do protesto que tomou as ruas de muitas cidades do País no dia 16 (alegadamente em defesa da educação) seriam todos “idiotas”. Bolsonaro afirmou, isso sim, que entre os manifestantes havia lulistas e que estes seriam, na opinião dele, idiotas úteis usando os demais como massa de manobra.

Dois problemas: Idiotas ou não, vivemos em uma democracia e é direito deles participar de manifestações, justas ou não, hipócritas ou não. Outro: Presidente não pode falar dessa maneira, nunca. Sendo verdade ou não. Já bastam os exemplos podres de Lula e Dilma, com suas baixarias, imundícies e asneiras dignas de enforcamento.

Ou seja: Bolsonaro errou – de novo. Ele parece ser o maior adversário de si próprio. Mas, como tudo na vida, esse episódio tem o reverso da moeda.

Quando presidente, Lula não só cortou muito mais do que Bolsonaro, como defendeu ardorosamente a redução no orçamento educacional https://www.poder360.com.br/governo/bolsonaro-usa-video-de-lula-para-explicar-contingenciamento-petista-rebate-post   e ninguém deu um pio, todos muitos satisfeitos com o corte e desvio de verbas pelos quais, entre outras canalhices, Lula hoje é um condenado. Muitos dos tais “defensores da educação” que foram às ruas na fatídica quarta-feira, em pleno horário de trabalho (já que “defendem” a educação, não deveriam protestar num domingo e evitar perda de aulas?), trajavam roupa vermelha, uniformes de grupos terroristas, e portavam bandeiras comunistas, de sindicatos ou de movimentos sem-terra, além de cartazes (com erros de Português pavorosos, como o da foto), muitos deles com os dizeres “Lula livre”. Será que fundiram as demandas para que Lula saia da cadeia e termine o ensino fundamental? Talvez, mas a marcha era partidária, ideológica, e até religiosa – dado o messianismo prestado ao chefão preso; ali, a menor das preocupações era a educação. Assim fosse de fato, teriam a mesma atitude quando dos cortes executados por Lula & Dilma.

Ah sim: Os cortes da dupla do mal eram realmente cortes, e não contingenciamento, como no caso atual. Trocando em miúdos, a verba não obrigatória para gastos específicos foi deslocada pelo MEC para outras funções, como o ensino básico. Bolsonaro apenas realocou dinheiro que seria gasto, majoritariamente, em contratação de pessoal terceirizado, sem concurso público. No caso da dupla maligna, o dinheiro simplesmente sumiu da educação e fim. Não houve passeata nem chiadeira. Faltaram aplaudir as falcatruas lulistas. A mídia mal deu a notícia. Tudo era lindo e maravilhoso. Até o feio era lindo. Aliás, deu-se o mesmo fenômeno quando o ex-presidente (e atual condenado) quis a reforma da Previdência https://gauchazh.clicrbs.com.br/politica/noticia/2019/05/governo-defende-reforma-da-previdencia-com-argumentos-usados-por-lula-dilma-e-fhc-cjvfodcy9026n01peg7bz1v3l.html todo mundo amou de paixão algo que, agora, classificam como absurdo.

Da mesma forma, os aguerridos defensores da educação melancia (verde/amarela por fora e vermelha por dentro, fora as sementes) deveriam admitir que ninguém jogou jagunços e tanques de guerra sobre eles durante as manifestações, como seu ídolo Nicolás Maduro fez e faz na Venezuela. Aqui protesta-se à vontade, sem medo de fuzilamento. É bom lembrar que Dilminha, toda revoltada com o impeachment que se agigantava em 2016, convocou o então comandante do exército, Eduardo Villas Boas, e “exigiu” que o general lançasse seus soldados sobre os manifestantes. Ouviu um sonoro NÃO e teve um chilique. Pra quem desconhece o fato: https://www.oantagonista.com/brasil/maior-entrega-de-villas-boas  .O general pode ter salvo milhares de vidas inocentes, nenhuma delas hipnotizada pelo messianismo lulista, divulgado pelo mundo através dos coroinhas de missa negra, meu caro Augusto Nunes.

Voltando à hipocrisia: O corte lulista/dilmista foi da ordem de 9,5% das verbas não obrigatórias; o contingenciamento de Bolsonaro foi de 7,5%. Países absolutamente milionários investem de 4% a 6% do PIB em educação. Estamos no patamar de 8%, e ainda se afirma que é pouco. Não gastamos pouco, gastamos mal. Mas o lulismo e seus adeptos vivem numa realidade paralela impossível de acompanhar, tamanha a sórdida cara de pau com que desenvolvem seus raciocínios toscos, e tão rasos que uma formiguinha atravessaria com água pelas canelas, como dizia o grande Nélson Rodrigues. Poderia ser chamado de “Efeito Paulo Freire”, em nome da mistificação.

*****

Perante o Congresso Nacional, fruto talvez do cansaço ou do atropelo na dicção, o ministro Abraham Weintraub trocou a menção ao escritor Franz Kafka por “kafta”. Surgiu um montão de inteligentinhos rindo da gafe. Seria o caso de perguntar a esses literatos cultíssimos o nome de dois ou três livros do grande romancista do surreal. Não sabem nem do que se trata, mas riem porque lhes foi mandado que o fizessem. Fantoches ridículos.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes