Iscas Intelectuais
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

683 – O peixe
683 – O peixe
E aí, hein? Dar o peixe ou ensinar a pescar? Será que ...

Ver mais

682 – LíderCast 13
682 – LíderCast 13
É isso que é o LíderCast. Uma homenagem a quem ...

Ver mais

681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
Agrotóxicos surgiram na Segunda Guerra Mundial, para ...

Ver mais

680 – Nova Previdência 2
680 – Nova Previdência 2
A Nova previdência é o primeiro passo para colocar o ...

Ver mais

LíderCast 170 – Rodrigo Galvão
LíderCast 170 – Rodrigo Galvão
Rodrigo Galvão assumiu aos 35 anos de idade a posição ...

Ver mais

LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
Marilia Guimarães e Eduardo Dantas – a dupla ...

Ver mais

LíderCast 168 – Pedro Hipólito
LíderCast 168 – Pedro Hipólito
CEO da Five Thousand Miles, empresa portuguesa que se ...

Ver mais

LíderCast 167 – João Kepler
LíderCast 167 – João Kepler
Especialista em empreendedorismo, startups, marketing e ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro exagera?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Como se já não enfrentássemos todos os problemas possíveis – e mais uns imaginados – Bolsonaro parece se esforçar para piorar os reais e parir os imaginários. Por qual razão o ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – CARACTERÍSTICAS GRAMATICAIS DOS SUBSTANTIVOS (parte 3)
Alexandre Gomes
Até agora mostrei maneiras um pouco diferentes de se ver um SUBSTANTIVO. Usando um tanto de Lógica e  Filosofia para explicar SUBSTANTIVOS e ADJETIVOS. E só para te lembrar: toda a Realidade é ...

Ver mais

Viva Narciso
Jota Fagner
Origens do Brasil
A nossa vaidade nos impede de construir um ambiente mais tolerável A palavra “insentão”, popularizada nos últimos anos, serve para classificar a pessoa que não se deixa iludir pelo canto da ...

Ver mais

O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento  “A leitura é a chave para se ter um universo de ideias e uma tempestade de palavras.” Eduarda Taynara Gonçalves Pereira  (ex-aluna da EEEP ...

Ver mais

Cafezinho 214 – Entropia 2
Cafezinho 214 – Entropia 2
Entropia precisa de manutenção, de consertar o que é ...

Ver mais

Cafezinho 213 – Entropia
Cafezinho 213 – Entropia
Encontrar e consertar uma goteira ou uma trinca é ...

Ver mais

Cafezinho 212 – Cérebros roídos
Cafezinho 212 – Cérebros roídos
Na República das Banalidades, o que não é visto e nem ...

Ver mais

Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Basta uma olhada nos jornais televisivos diários para ...

Ver mais

TRIVIUM CAP.2 – CRIAÇÃO DE SÍMBOLOS (parte 5)

TRIVIUM CAP.2 – CRIAÇÃO DE SÍMBOLOS (parte 5)

Alexandre Gomes -

Bom, você percebeu que as PALAVRAS são o meio que utilizamos para comunicar OUTRA PESSOA sobre a ESSÊNCIA das coisas que vemos ou imaginamos. Ou ainda, sobre INDIVÍDUOS que conhecemos.

Logo, é fácil para você, guria (ou velhinho…) compreender que PALAVRAS são SÍMBOLOS DE IDEIAS sobre a realidade. Afinal, são as palavras que usamos para descrever o que pensamos para outra pessoa.

Agora vem a parte chata que envolve qualquer estudo: que é COMO isso (ou algo) acontece.

Como CRIAMOS esses SÍMBOLOS.

Afinal, qual a utilidade disso? [essa é a pergunta de todo estudante faz, diante de um tema difícil que não tem paciência ou disposição para aprender].

A UTILIDADE em entender QUALQUER tema/assunto é duplo – no mínimo:

  1. o uso prático/profissional daquele conhecimento ou técnica. Seja para aplicar ativamente ou para usar o que foi aprendido para compreender novos temas, empregando o conhecimento aprendido para alcançar um novo aprendizado.
  2. Para expansão da própria inteligência. É o cérebro tanquinho, malhado, que o Luciano sempre fala. Quando se compreende algo novo, absorvemos uma nova forma de ver o mundo. Nos tornamos capazes de conectar ideias que antes nos pareciam distantes e sem relação.

Enfim, voltando ao nosso assunto de hoje… criar uma ideia universal envolve vários passos. E tais passos tem muito a ver com o indivíduo que está captando as impressões e pensando a respeito delas (as impressões).

Perceba o seguinte: qualquer um de nós vê a realidade através de nossos sentidos externos; observando objetos reais (pedra, carro, gato, casa, árvore). Desses objetos que observamos, criamos quase que instantaneamente um conceito geral de cada objeto.

Ex.: uma criança que vê um gato pela primeira vez, quando encontra um outro gato, entende claramente que se trata também de outro gato (ou seja, um outro ENTE DA MESMA ESPÉCIE).

Uma vez que nossos SENTIDOS EXTERNOS coletaram dados de REALIDADE, nossos sentidos internos (a imaginação, principalmente) criam uma imagem mental, um FANTASMA do OBJETO INDIVIDUAL PERCEBIDO. Fixamos esse fantasma na memória para usarmos quando bem entendermos.

É quando usamos nosso SENTIDOS INTERNOS que deixamos de ser apenas animais, e realmente honramos a capacidade física de articular SONS. Uma vez que temos uma ideia complexa para ser apresentada a outra pessoa – e não sabemos se essa pessoa conhece aquele objeto. Se não conhecer, ter em nossa memória o fantasma daquele objeto é FUNDAMENTAL.

Vamos recapitular! Nossos sentidos EXTERNOS (visão, tato, audição, olfato e paladar) captam aspectos específicos de um objeto; digamos… um filhote de cão que temos em nossas mãos. (ah, sim! O paladar entrou na jogada porque o pequeno não parou de te lamber no rosto e, óbvio, lambeu a sua boca). Bom, com esse conjunto de impressões sensoriais ABSORVIDOS pelos sentidos e enviados para nossa MENTE, entram em ação os SENTIDOS INTERNOS: a imaginação, a memória sensorial. O instinto e o sentido comum (ou sintetizador).

Continuando no exemplo do cãozinho. Através dos sentidos externos você captou dados sobre aquele SER (indivíduo) específico: o cheiro do filhote, o peso do animal e a textura de seu pelo, escutou seus latidos e viu os olhos curiosos direcionados a você, e o gosto da língua após ser lambido na boca – hehehehe.

Quando todos os dados chegaram à sua mente, o processo de criação de um conceito se iniciou. E a universalização do que você viu, passa a valer para todos os cãezinhos, pois na sua IMAGINAÇÃO está uma imagem básica para todos os filhotes de cães, o seu INSTINTO, junto com a MEMÓRIA SENSORIAL irá proteger você de novas lambidas na boca. E tudo isso estará organizado e preservado na sua mente graças ao SENTIDO SINTETIZADOR, que agregou tudo e acrescentou o cuidado com lambidas indesejadas.

O que eu exemplifiquei acima foi o seguinte: o objeto real observado é único e individual, e a percepção que nossos SENTIDOS EXTERNOS constroem é chamado de PERCEPTO.

Nossos sentidos internos recebem o PERCEPTO e com a IMAGINAÇÃO criam o FANTASMA (que é o percepto retido e olhado quando quer que se queira, pois está em nossa mente) – fantasma que também é individual, para que não nos esqueçamos do objeto observado.

Note que tudo isso acontece quase ao mesmo tempo, e que o MAIS IMPORTANTE ainda não foi descrito, mas já aconteceu!

O CONCEITO foi criado logo após o FANTASMA. O conceito é a abstração criada pela MENTE através do reconhecimento da ESSENCIA do objeto observado. Criando assim uma IDEIA que é UNIVERSAL, IMATERIAL e NÃO LIMITADA em algum LUGAR ou TEMPO específico.

Apenas o HOMEM tem o poder dessa abstração intelectual.

Por quê é assim? Bem, você pode ver isso como um indício de que temos uma alma imortal ou uma combinação genética única que nos presenteou com um cérebro mais complexo que todos os outros animais.

Mesmo assim, cabe um alerta:

O conhecimento INTELECTUAL (ou ABSTRATO) é mais claro, mas é menos vívido que o CONHECIMENTO SENSÍVEL ou CONCRETO. Seria bom exemplos para esclarecer, certo? Então vamos a eles!

Eu posso te dizer que o comprimento da circunferência é o dobro do seguinte cálculo: o raio desse círculo vezes o número Pi (π), ou seja, C=2 πR.

Como também posso pegar um barbante, amarrar um prego em cada ponta, esticando uma linha de 63cm, para enfim desenhar um círculo com raio de 10cm. Se você fizer as contas, irá descobrir que o comprimento deste círculo (de raio 10cm) é exatamente 63cm.

Eu também posso contar sobre a vez em que salvei três engenheiros e um estatístico que não se lembravam da famosa fórmula de Bháskara:

Meu professor de Matemática do ginásio gargalharia se soubesse do que aconteceu.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes