Iscas Intelectuais
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

666 – O diabo é o pai do rock
666 – O diabo é o pai do rock
Existem dezenas de explicações para o 666 ser chamado ...

Ver mais

665 – O Vale
665 – O Vale
A trilha para o sucesso envolve trabalho duro e ...

Ver mais

664 – Sobre lagartas e borboletas
664 – Sobre lagartas e borboletas
Cara, como mudar é difícil... perder peso...manter ...

Ver mais

663 – A crisálida
663 – A crisálida
A maturidade entende que existe a escuridão no mundo, ...

Ver mais

LíderCast 154 – Diógenes e Michelle Cezila
LíderCast 154 – Diógenes e Michelle Cezila
Empreendedores brasileiros, que se mudam para os ...

Ver mais

LíderCast 153 – Rafael Bernardes
LíderCast 153 – Rafael Bernardes
Empreendedor em TI, que capacita outros profissionais ...

Ver mais

LíderCast 152 – Lucia Moyses
LíderCast 152 – Lucia Moyses
Escritora, psicóloga e neuropsicóloga, um papo sobre ...

Ver mais

LíderCast 151 – Irineu Toledo
LíderCast 151 – Irineu Toledo
Radialista, uma das vozes mais marcantes e conhecidas ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Bolsonaro errou, mas nem tanto
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Bolsonaro fala demais, e sem freios. Não faz a necessária reflexão prévia. Ele precisa lembrar, urgentemente, que não é mais deputado nem está no balcão do boteco. O cargo que ocupa merece todo o ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – DIMENSÕES LÓGICA E PSICOLÓGICA DA LINGUAGEM (parte 8)
Alexandre Gomes
  Eu prometo que esse segundo capítulo vai acabar! Acho que terá umas 12 partes… Mas vamos lá! De volta à diversão. É claro que a linguagem tem aspectos LÓGICOS e PSICOLÓGICOS, veja ...

Ver mais

O Brasil da TV Globo, do Whatsapp e as manifestações do dia 26/05
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157340715398631 LINKS DAS OUTRAS LIVES: ...

Ver mais

Eu não acredito na democracia moderna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Eu não acredito na democracia representativa moderna. * * * Concordo com Schumpeter: no modelo de democracia do século XX, os indivíduos comuns são simplesmente consumidores de produtos políticos ...

Ver mais

Cafezinho 179 – Correndo riscos
Cafezinho 179 – Correndo riscos
Somos capazes de milagres quando parece que nada mais ...

Ver mais

Cafezinho 178 – O Exorcista
Cafezinho 178 – O Exorcista
O Brasil está sofrendo um imenso exorcismo, e o demônio ...

Ver mais

Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
A negatividade tem suas raízes no medo de ser ...

Ver mais

Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Gostou? Compartilhe! Só assim, fazendo a nossa parte, ...

Ver mais

TRIVIUM CAP.2 – FORMA DA LINGUAGEM (parte 3)

TRIVIUM CAP.2 – FORMA DA LINGUAGEM (parte 3)

Alexandre Gomes -

Pois bem, no texto anterior eu falei sobre a MATÉRIA da palavra – lembra? Que a matéria da linguagem é o seu corpo (SOM); ou seja, palavras. Também falei sobre a FORMA da linguagem, que é a sua ALMA. Ou melhor, seu significado. Portanto, as palavras podem significar tanto INDIVÍDUOS quanto ESSÊNCIAS.

Qual a diferença, então? (entre indivíduo e essência)

INDIVÍDUO é qualquer ser físico que exista. E por físico, digo algo que tenha substância, matéria. Que você possa tocar. Logo, todo ser material que exista (ou tenha existido) é um INDIVÍDUO. Pois esse ser É ELE MESMO E NÃO OUTRO. Se a coisa que vejo é uma pedra, logo não é uma calopsita; que também não pode ser… o Pablo Vittar! – que é outro individuo por si só, diferente de qualquer outro ser.

ESSÊNCIA é aquilo que faz o ENTE (indivíduo) ser o que é, e sem o qual não seria o TIPO que é. Perceba, ESSÊNCIA é aquilo que torna um indivíduo SEMELHANTE aos outros de sua classe. Algo como: tanto um abacateiro como um coqueiro são árvores porque têm raiz, caule e folhas. João e Augusto são homens porque ambos têm o cromossomo Y. Note que há um (ou um conjunto de) elemento comum que agrupa indivíduos distintos, mesmo havendo diferenças evidentes entre eles.

Em resumo, ESSÊNCIA é o conceito abstrato que agrupa INDIVÍDUOS em uma CLASSE.

Já INDIVÍDUO é o ser MATERIAL (e por isso único) que o diferencia de outros indivíduos de sua CLASSE ou ESPÉCIE.

GÊNERO, no caso, é a ampliação da ideia abstrata de ESPÉCIE (ou CLASSE). Ou seja, quando existe um elemento ABSTRATO (essência) comum a duas ou mais espécies, temos um GÊNERO. Exemplo: ANIMAL é um gênero que junta o homem, o cavalo, o peixe e até o caramujo!

Porém, não pode fazer parte do gênero animal um pé de tamarindo, por mais que se goste da fruta.

O caráter ABSTRATO do conceito Gênero é tal, que é IMPOSSÍVEL pintar um retrato de “animal”. Muito menos um quadro de um TIPO ou ESPÉCIE (o mesmo pode ser dito de uma ideia abstrata em si). Por exemplo, ninguém desenha a CLASSE cachorro, o que é possível é desenhar um cão individual: o Scooby-doo, por exemplo. E quando disse antes que não é possível desenhar/pintar uma ideia abstrata em si é por que não existe um símbolo universal que represente o medo. O que temos, no máximo, é a expressão facial de pavor, comum em todos os homens – olhos arregalados, sobrancelhas levantadas e boca aberta.

Notou que para representar uma ideia abstrata, necessitamos de um indivíduo material para exibir um SENTIMENTO? E que essa comunicação foi UNIVERSAL, algo como um SIGNO NATURAL (lembra da lição anterior sobre fumaça ser um sinal natural para fogo?). Ah, importante! Não confunda indivíduo com pessoa, certo? Estamos tratando de ENTES, então um indivíduo pode ser tanto um ser humano, um animal ou um objeto (ou coisa).

Voltando ao tema de hoje… você percebeu que usei várias vezes expressões como “agrupar” e “juntar”? Contudo, tenha muito cuidado para não confundir AGREGADO – que é um ajuntamento aleatório de indivíduos, com ESPÉCIE ou GÊNERO. Para esses dois últimos, é necessário haver um elemento essencial que une tais indivíduos. Já um AGREGADO, é apenas um amontoado, ou segmentação, de algo – ou seja, algo como o conjunto de objetos em uma sala de estar (poltrona, mesa de centro, tapete, abajur, televisor).

Perceba, o termo “mulheres do século XIX” pode parecer uma espécie, mas é só um AGRUPAMENTO! Pois exclui as mulheres de todos os outros séculos! (passados e futuros).

ESPÉCIES ou GÊNEROS SEMPRE significam uma ESSÊNCIA que inclui todos os indivíduos sem distinção de tempo e espaço.

Concluindo os termos deste trecho estudado hoje:

Essência: é o que faz um ENTE ser o que É.

Espécie: é uma CLASSE composta por ENTES (indivíduos) que têm em comum a mesma ESSÊNCIA ESPECÍFICA.

Gênero: é uma CLASSE MAIS AMPLA, composta por duas ou mais espécies DIFERENTES, mas que mesmo assim compartilham uma ESSÊNCIA ESPECÍFICA COMUM.

Agregado: é um grupo que consiste de dois ou mais INDIVÍDUOS, arbitrariamente colocados juntos, sem que haja uma ESSÊNCIA ESPECÍFICA COMUM.

Alguns exemplos pra fixar:

  1. O conjunto árvore e tartaruga pode ser chamado de “seres vivos” [Gênero], mesmo o primeiro item sendo da ESPÉCIE vegetal e o segundo da ESPÉCIE animal;
  2. O conjunto Pablo Vittar e um relógio quebrado é apenas um Agregado de ENTES (INDIVÍDUOS) sem essência específica comum. O cantor é só um humano, e o relógio quebrado um objeto mecânico inanimado que não funciona. É quase impossível encontrar uma característica que os una. Eu poderia forçar a barra e apontar a amplíssima classe dos entes sólidos, para finalmente agrupar Vittar e um relógio quebrado no mesmo GÊNERO.

E eu não vou entrar na discussão da utilidade de um Pablo Vittar ou de um relógio quebrado. Todos sabemos que um relógio quebrado está certo duas vezes por dia!

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes