Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

TRIVIUM CAP.2 – LINGUAGEM E SEUS SÍMBOLOS (parte 4)

TRIVIUM CAP.2 – LINGUAGEM E SEUS SÍMBOLOS (parte 4)

Alexandre Gomes -

O caminho até agora está ficando longo, não é? Por mais que eu use exemplos próximos da realidade; ainda assim, eu e você estamos buscando entender conceitos abstratos. Afinal, estamos falando sobre os nomes das coisas (materiais e imateriais). Pois bem! No texto de hoje vamos tratar justamente como se organizam e dividem as palavras! Ou melhor dizendo: os SIMBOLOS – uma vez que cada palavra significa (simboliza) pelo menos alguma coisa.

A linguagem emprega QUATRO TIPOS de símbolos para representar a REALIDADE, que se organizam da seguinte forma:

– Dois tipos são para a descrição do INDIVÍDUO:

  1. a) o símbolo próprio, que são os nomes próprio dos indivíduos. Tais como: Machado de Assis, Rio Amazonas, Cidade do Recife, etc. e;
  2. b) o símbolo empírico, que são as descrições particulares. Tais como: o atual gerente da loja, a mulher que estava histérica, a mobília desta casa (notou que houve uma especificação no tempo, no espaço ou em ambos?)

Perceba que a LINGUAGEM seria IMPOSSÍVEL se houvesse apenas SÍMBOLOS PRÓPRIOS. Basta que você imagine quantas combinações de letras seriam necessárias para designar pessoas, lugares ou épocas específicas. Palavras gerais como “ano”, não existiriam. Haveria apenas – talvez – um nome próprio… algo como… Tibúrcio! E quando este [ano] acabasse, nunca mais tal nome seria usado; (ok, essa seria a parte boa, nos livraríamos de Tibúrcio). Mas quantas combinações pronunciáveis seríamos capazes de criar para cada ano? Cada mês, semana, dia e por aí vai?

Seria loucura!!

Notou que não podemos viver só com símbolos próprios? Os símbolos empíricos servem justamente que eu diga aqui para você “Luciano Pires produz um podcast excelente!” e você entenda que estou listando um símbolo próprio (Luciano Pires) e dois símbolos empíricos (podcast e excelente) – sendo o  símbolo “podcast” uma descrição particular de um tipo de gravação de áudio e o segundo símbolo, um adjetivo de qualidade acima do ótimo (que é outro adjetivo, mas você me entendeu) – vamos deixar o verbo (produz) e o adjunto para depois, ok? (mesmo assim, cada um deles é um símbolo).

A consequência de uma LINGUAGEM feita puramente por símbolos próprios é que a única forma de compartilhar qualquer conhecimento seria por EXPERIÊNCIAS COMUNS. Ou seja, qualquer conhecimento descoberto por um grupo seria parecido com uma piada interna – só aqueles que vivenciaram a experiência reveladora entenderiam do que estava sendo dito, pois não haveria um símbolo empírico para explicar para quem não viu o evento que gerou o conhecimento novo.

O que fica claro é: ideias gerais ou universais não poderiam ser expressas em uma linguagem que só tivesse símbolos próprios. Ou seja, SEM uma linguagem de símbolos empíricos pré-existente, você DIFICILMENTE seria capaz de entender o funcionamento de uma chave grifo (ou de cano), pois as chances de vê-la funcionando são bem pequenas.

E se você pensa que o problema de comunicação seria apenas hoje em dia, imagine explicar a utilidade de um arco-e-flecha para um jovem caçador na Antiguidade sem uma caça gentil, que se dispusesse a ficar parada como alvo até que o caçador experiente demonstrasse VÁRIAS VEZES o uso da ferramenta para o aprendiz. Sem os símbolos empíricos não conseguiríamos sair das cavernas, não é?

Isso nos leva para os próximos dois tipos de descrição da REALIDADE: são os símbolos que descrevem a ESSENCIA das coisas.

  1. O nome comum: criança, cadeira, hora, quadrado, etc. Todos esses são nomes comuns, listados em dicionários e que dão a ESSÊNCIA das coisas que descrevem. Juntando todas as espécies e gêneros. Perceba, SALTO é um tipo (espécie) de movimento; voar, andar e rastejar são outra ESPÉCIE (ou tipo). <esmo sendo cada um deles também um movimento (o que os une é que todos têm o mesmo gênero).
  2. A descrição geral: termos como: animal racional, triangulo equilátero e rei da Inglaterra. Perceba que mesmo usando NOMES COMUNS para criar uma descrição geral (ou universal), foi possível chegar a ESSÊNCIA de cada coisa. Reforçando: quando digo REI da Inglaterra eu busquei destacar duas coisas: os reis, entre todos os homens, e os reis ingleses entre todos os reis.

Porém, algo muito sério deve ser destacado. Juntar aleatoriamente nomes comuns não criam descrições gerais válidas. Uma vez que as DESCRIÇÕES GERAIS precisam REPRESENTAR UMA ESSÊNCIA ou NATUREZA DE CLASSE que seja intrinsecamente POSSÍVEL, ainda que não exista de fato. Vamos aos bons exemplos, certo? É válido usar descrições gerais como: sereia, extraterrestre e corintiano honesto. Tais coisas NÃO EXISTEM, mas como podemos IMAGINÁ-LAS, ELAS SÃO POSSÍVEIS.

Agora, tente imaginar um CÍRCULO QUADRADO? Ou um QUADRADO TRIANGULAR? Percebam que as palavras se encaixam tranquilamente, mas elas fazerem sentido… não faz, certo? Talvez faça na cabeça de quem acha que só porque as palavras soam bem, elas comandam a realidade.

O ponto é: enfileirar nomes comuns e dizer que criou um novo conceito impossível de ser imaginado não é sinal de grande inteligência, ou profundidade de pensamento. É apenas burrice. Ou malandragem retórica para impressionar pessoas simples. Se você está pensando que estou fazendo proselitismo político, está enganado. Porém, se sua lembrança o/a levou para alguns livros que falam de Segredo Quântico, Magia Quântica e asneiras similares… aí sim, você acertou em boa parte do que estou falando aqui.

Pois bem, gentil leitora; caro leitor. Você já deve ter notado que a frequência aumentou. Então oficializo aqui: todos os dias 07 e 21 do mês tem post sobre o Trivium. Então comente, critique e/ou me xingue nos comentários, que tentarei responder (educadamente, é claro). Agora, se realmente tem paciência, entre na Confraria Café Brasil que sempre estou lá – e garanto: tem gente muito mais interessante por lá.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes