Iscas Intelectuais
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

678 – Dominando a Civilidade
678 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

677 – Teorias da Conspiração
677 – Teorias da Conspiração
Vivemos numa sociedade assolada por grandes ...

Ver mais

676 – Homem na Lua 2
676 – Homem na Lua 2
Cinquenta anos atrás o homem pousou na Lua. Mas parece ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
Um dos mais influentes profissionais de comunicação ...

Ver mais

LíderCast 164 – Artur Motta
LíderCast 164 – Artur Motta
Professor que fez transição de carreira e usa podcasts ...

Ver mais

LíderCast 163 – Amanda Sindman
LíderCast 163 – Amanda Sindman
Profissional de comunicação, jornalista e mulher trans. ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Resumo da Aula 2 do Curso On-line de Filosofia (COF)
Eduardo Ferrari
Resumos e Artigos
A segunda aula do COF, ministrada em 21 de março de 2009, teve a duração de 3h43min e foi resumida em menos de cinco minutos de leitura, com o objetivo de levar ao conhecimento do leitor uma ...

Ver mais

A quem interessa a divisão da sociedade?
Jota Fagner
Origens do Brasil
O atual estado de intolerância ao pensamento diferente, manifesto nas agressões que começam nas redes sociais e terminam em confrontos físicos no meio da rua, é o resultado de um processo de ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – MORFOLOGIA CATEGOREMÁTICA (parte 2)
Alexandre Gomes
Depois de listar todas as CATEGORIAS DE PALAVRAS, de acordo com a Gramática Geral irei tratar com mais calma de cada categoria. Seguindo a lista da lição anterior, vamos começar pelo grupo das ...

Ver mais

Simples assim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Simples assim Excelência em Educação Dia 10 de agosto, compareci a um evento muitíssimo interessante. Estimulado pela chamada do convite eletrônico – Avanços na educação pública: o que podemos ...

Ver mais

Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
O problema do agrotóxico no Brasil não é dos ...

Ver mais

Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Ainda existe hoje uma cultura, muito estimulada por ...

Ver mais

Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Quem é o idiota que quer deliberadamente envenenar seus ...

Ver mais

Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Se não bastassem as dificuldades para comprar, ...

Ver mais

TRIVIUM: CAP.2 – NATUREZA E FUNÇÃO DA LINGUAGEM (parte 1)

TRIVIUM: CAP.2 – NATUREZA E FUNÇÃO DA LINGUAGEM (parte 1)

Alexandre Gomes -

Continuando o trabalho em resumir (e aprender com) o Trivium, segue agora a primeira parte do resumo do capítulo 2 do livro. Sim, primeira parte porque esse é um capítulo extenso, com várias informações a serem entendidas e resumir tudo de uma vez ia gerar um texto muito longo e a apreensão das lições iria se perder; por isso o resumo virá em partes. Vamos lá!

A LINGUAGEM tem uma FUNÇÃO tripla:

– comunicar o pensamento;

– comunicar a volição (vontade);

– comunicar a emoção.

As volição e emoção (vontades e desejos) podem ser expressas por gritos ou exclamações, que também são chamados de INTERJEIÇÕES. Por exemplo, aquele “ah-há!!” que significa “te encontrei!” ou “aí está você!”, ou um “hã?” que expressa uma dúvida sobre algo. Nenhuma dessas expressões é uma palavra em si, ou de alguma linguagem específica. São expressões internacionais e compreendidas independente da língua nativa de quem fala ou escuta.

Os seres humanos, por serem animais racionais, e capazes de acumular conhecimento, passam a necessitar de algo mais que gritos e exclamações para se expressarem. É necessário articular os sons na forma de frases. É através de sons unidos que são criadas as frases. Tais frases tornam a comunicação possível. Perceba: por sermos racionais, temos algo a dizer. Como também somos seres sociais, temos alguém a quem dizer algo. Por fim, por sermos animais necessitamos de um meio FÍSICO para comunicar ideias de uma mente isolada (de todas as outras) para outra mente igualmente isolada.

Modos de Comunicação:

Há somente dois modos possíveis de comunicar ideias através de um meio material:

Por IMITAÇÃO;

Por meio de um SÍMBOLO.

A IMITAÇÃO é um meio efetivo, mas limitado para expor a essência das coisas. Por exemplo, eu posso desenhar um cachorro para alguém e essa pessoa saberá que eu estou tratando desse animal, e não de uma planta. Porém, quem vê meu desenho de um cachorro não vai entender nada mais além disso: “um cachorro”, se eu desejo dizer algo mais além de mostrar um cachorro, terei que usar outro modo de comunicação para ir até a essência do que quero falar.

O SÍMBOLO é um signo sensível arbitrário, cujo significado é imposto a ele por convenção. Todo SIGNO tem um significado, quer por natureza, quer por convenção.

– SIGNOS NATURAIS: uma nuvem é signo (sinal) de chuva; a fumaça é signo de fogo. Perceba que a ideia é passada claramente para quem a vê, sem a necessidade de um vocabulário, alfabeto ou língua específicos. É quase como a interjeição apresentada acima – só que o que é dito é através de elementos presentes na realidade.

– SIGNOS POR CONVENÇÃO: em um sinal de trânsito, convencionamos que a luz verde é indicativa de movimento, já a luz vermelha, uma ordem para PARAR. Os símbolos por convenção podem ser classificados em dois tipos diferentes: ESPECIAIS E COMUNS.

ESPECIAIS: são signos criados por especialistas e de alcance internacional. Uma tabuada é entendida do mesmo jeito seja por um brasileiro, que lerá em português, bem como por um alemão, que lerá em alemão.

COMUNS (palavras): inventada por pessoas comuns para atender necessidades de comunicação no curso da vida. Por isso é mais adequada para comunicação que as línguas especiais, ainda que seja menos precisa e ambígua, no sentido de que uma palavra pode ter dois ou mais significados. Um exemplo para ambiguidade de significados pode ser o verbo “assistir”, que tem a mesma grafia (signo) seja quando significa ver algo, seja quando significa ajudar alguém. E se formos pro inglês, piora, pois há vários verbos que tem a mesma grafia quando estão no tempo verbal presente ou passado — é só lembrar do verbo ler (to read), que a grafia para o presente [ele] lê (read) é a mesma para [ele] leu (read); apenas com o som da voz diferenciamos, pois no primeiro caso ouvimos rêad (presente) e no segundo caso ouvimos réad (passado).

Para concluir esta primeira parte, vou ilustrar como é comum menosprezarmos a evolução dos signos para expressar ideias e conceitos. Você deve lembrar dos algarismos romanos. Eles são bem bacanas para escrever o número dos séculos, por exemplo. Mas imagine realizar operações básicas com numerais romanos? Um cálculo simples como 235 x 4, em algarismos romanos [CCXXXV x IV], teria que ser feita da seguinte maneira:

CC x IV = DCCC

XXX x IV = CXX

V x IV = XX

Resultado: DCCCCXXXX, que poderia ser reescrito CMXL, que é a versão romana de 940. Viu que trabalheira? Agora imagine essa questão no Enem deste ano…

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes