Iscas Intelectuais
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

661 – A teoria do valor subjetivo
661 – A teoria do valor subjetivo
O mercado é o resultado da interação entre milhões de ...

Ver mais

660 – Na esquina da sua casa
660 – Na esquina da sua casa
Não espere que o Estado se preocupe com o indivíduo. O ...

Ver mais

659 – Empreendedorismo no Palco
659 – Empreendedorismo no Palco
Muitos anos atrás, acho que uns 20, fui convidado para ...

Ver mais

658 – Chá com a gente
658 – Chá com a gente
Este programa reproduz a edição especial do Podcast Chá ...

Ver mais

LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
Empreendedor, que vem lá do nordeste para mudar a vida ...

Ver mais

LíderCast 148 – Bruno Busquet
LíderCast 148 – Bruno Busquet
CEO da Tupiniq,In Inside Out Agency e president do ...

Ver mais

LíderCast 147 – Sherlock Gomes
LíderCast 147 – Sherlock Gomes
Músico, um guitarrista e baixista excepcional cuja ...

Ver mais

LíderCast 146 – Cândido Pessoa
LíderCast 146 – Cândido Pessoa
Um intelectual, professor no Paradigma centro de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Que falta faz Roberto Campos!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Que falta faz Roberto Campos!  Homenagem em três livros “O bem que o Estado pode fazer é limitado; o mal, infinito. O que ele nos pode dar é sempre menos do que nos pode tirar.” Roberto Campos ...

Ver mais

O copo, a água e o STF
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157256876268631 RESUMO DAS LIVES ANTERIORES: https://www.youtube.com/playlist?list=PL7XjPl0uOsj8TxfUISqzcl4YrxYBC0vOw

Ver mais

O Rock, Bruce Springsteen e uma lição sobre liderança!
Jeison Arenhart De Bastiani
Outro dia assisti boquiaberto algo que não sei muito bem como descrever, mas posso afirmar que foi incrível e vou contar para você como um músico (que confesso não acompanhar muito) me deu uma ...

Ver mais

100 dias de Bolsonaro
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
100 dias de Bolsonaro Mais dúvidas e incertezas do que avanços concretos “O discurso liberal, que parece ser o principal pilar da agenda econômica, está sendo obscurecido por dois outros ...

Ver mais

Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Há silêncios e silêncios. Há o silêncio das pedras. Há ...

Ver mais

Cafezinho 168 – O que nos define
Cafezinho 168 – O que nos define
O que nos define são os adversários que vencemos.

Ver mais

Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
“O otimista é o pessimista bem informado”, lembra ...

Ver mais

Cafezinho 166 – O nobre
Cafezinho 166 – O nobre
Este Brasil de 2019 é muito diferente daquele de 2015.

Ver mais

CAPÍTULO 2 – NATUREZA E FUNÇÃO DA LINGUAGEM (parte 1)

CAPÍTULO 2 – NATUREZA E FUNÇÃO DA LINGUAGEM (parte 1)

Alexandre Gomes -

Continuando o trabalho em resumir (e aprender com) o Trivium, segue agora a primeira parte do resumo do capítulo 2 do livro. Sim, primeira parte porque esse é um capítulo extenso, com várias informações a serem entendidas e resumir tudo de uma vez ia gerar um texto muito longo e a apreensão das lições iria se perder; por isso o resumo virá em partes. Vamos lá!

A LINGUAGEM tem uma FUNÇÃO tripla:

– comunicar o pensamento;

– comunicar a volição (vontade);

– comunicar a emoção.

As volição e emoção (vontades e desejos) podem ser expressas por gritos ou exclamações, que também são chamados de INTERJEIÇÕES. Por exemplo, aquele “ah-há!!” que significa “te encontrei!” ou “aí está você!”, ou um “hã?” que expressa uma dúvida sobre algo. Nenhuma dessas expressões é uma palavra em si, ou de alguma linguagem específica. São expressões internacionais e compreendidas independente da língua nativa de quem fala ou escuta.

Os seres humanos, por serem animais racionais, e capazes de acumular conhecimento, passam a necessitar de algo mais que gritos e exclamações para se expressarem. É necessário articular os sons na forma de frases. É através de sons unidos que são criadas as frases. Tais frases tornam a comunicação possível. Perceba: por sermos racionais, temos algo a dizer. Como também somos seres sociais, temos alguém a quem dizer algo. Por fim, por sermos animais necessitamos de um meio FÍSICO para comunicar ideias de uma mente isolada (de todas as outras) para outra mente igualmente isolada.

Modos de Comunicação:

Há somente dois modos possíveis de comunicar ideias através de um meio material:

Por IMITAÇÃO;

Por meio de um SÍMBOLO.

A IMITAÇÃO é um meio efetivo, mas limitado para expor a essência das coisas. Por exemplo, eu posso desenhar um cachorro para alguém e essa pessoa saberá que eu estou tratando desse animal, e não de uma planta. Porém, quem vê meu desenho de um cachorro não vai entender nada mais além disso: “um cachorro”, se eu desejo dizer algo mais além de mostrar um cachorro, terei que usar outro modo de comunicação para ir até a essência do que quero falar.

O SÍMBOLO é um signo sensível arbitrário, cujo significado é imposto a ele por convenção. Todo SIGNO tem um significado, quer por natureza, quer por convenção.

– SIGNOS NATURAIS: uma nuvem é signo (sinal) de chuva; a fumaça é signo de fogo. Perceba que a ideia é passada claramente para quem a vê, sem a necessidade de um vocabulário, alfabeto ou língua específicos. É quase como a interjeição apresentada acima – só que o que é dito é através de elementos presentes na realidade.

– SIGNOS POR CONVENÇÃO: em um sinal de trânsito, convencionamos que a luz verde é indicativa de movimento, já a luz vermelha, uma ordem para PARAR. Os símbolos por convenção podem ser classificados em dois tipos diferentes: ESPECIAIS E COMUNS.

ESPECIAIS: são signos criados por especialistas e de alcance internacional. Uma tabuada é entendida do mesmo jeito seja por um brasileiro, que lerá em português, bem como por um alemão, que lerá em alemão.

COMUNS (palavras): inventada por pessoas comuns para atender necessidades de comunicação no curso da vida. Por isso é mais adequada para comunicação que as línguas especiais, ainda que seja menos precisa e ambígua, no sentido de que uma palavra pode ter dois ou mais significados. Um exemplo para ambiguidade de significados pode ser o verbo “assistir”, que tem a mesma grafia (signo) seja quando significa ver algo, seja quando significa ajudar alguém. E se formos pro inglês, piora, pois há vários verbos que tem a mesma grafia quando estão no tempo verbal presente ou passado — é só lembrar do verbo ler (to read), que a grafia para o presente [ele] lê (read) é a mesma para [ele] leu (read); apenas com o som da voz diferenciamos, pois no primeiro caso ouvimos rêad (presente) e no segundo caso ouvimos réad (passado).

Para concluir esta primeira parte, vou ilustrar como é comum menosprezarmos a evolução dos signos para expressar ideias e conceitos. Você deve lembrar dos algarismos romanos. Eles são bem bacanas para escrever o número dos séculos, por exemplo. Mas imagine realizar operações básicas com numerais romanos? Um cálculo simples como 235 x 4, em algarismos romanos [CCXXXV x IV], teria que ser feita da seguinte maneira:

CC x IV = DCCC

XXX x IV = CXX

V x IV = XX

Resultado: DCCCCXXXX, que poderia ser reescrito CMXL, que é a versão romana de 940. Viu que trabalheira? Agora imagine essa questão no Enem deste ano…

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes