Iscas Intelectuais
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

661 – A teoria do valor subjetivo
661 – A teoria do valor subjetivo
O mercado é o resultado da interação entre milhões de ...

Ver mais

660 – Na esquina da sua casa
660 – Na esquina da sua casa
Não espere que o Estado se preocupe com o indivíduo. O ...

Ver mais

659 – Empreendedorismo no Palco
659 – Empreendedorismo no Palco
Muitos anos atrás, acho que uns 20, fui convidado para ...

Ver mais

658 – Chá com a gente
658 – Chá com a gente
Este programa reproduz a edição especial do Podcast Chá ...

Ver mais

LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
Empreendedor, que vem lá do nordeste para mudar a vida ...

Ver mais

LíderCast 148 – Bruno Busquet
LíderCast 148 – Bruno Busquet
CEO da Tupiniq,In Inside Out Agency e president do ...

Ver mais

LíderCast 147 – Sherlock Gomes
LíderCast 147 – Sherlock Gomes
Músico, um guitarrista e baixista excepcional cuja ...

Ver mais

LíderCast 146 – Cândido Pessoa
LíderCast 146 – Cândido Pessoa
Um intelectual, professor no Paradigma centro de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Os polirretos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quando a esperteza é muita, come o dono, já dizia Tancredo Neves (1910-1985). Em tempos do politicamente correto, a onda mais ridícula desde a modinha do ioiô ou, quem sabe, fotografar comida,  é ...

Ver mais

Paciência, adjetivos e o amigo do amigo do papai….
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157273773468631 LINKS DAS OUTRAS LIVES: ...

Ver mais

Criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade: indispensável, mas ainda desconhecida “Existe criatividade sem inovação, mas não existe inovação sem criatividade”. Bill Shephard Dois fatores levaram-me a escrever este breve ...

Ver mais

TRIVIUM: CAP.2 – AS DEZ CATEGORIAS DO SER (parte 6)
Alexandre Gomes
Eu tenho que ser sincero com você guria (ou velhinho…) esta parte do segundo capítulo será bem chata, pois iremos tratar de algo realmente formal e de certa forma, burocrático: as Dez ...

Ver mais

Cafezinho 170 – Os monstros da negatividade II
Cafezinho 170 – Os monstros da negatividade II
Os monstros da negatividade são incapazes de ver ...

Ver mais

Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Há silêncios e silêncios. Há o silêncio das pedras. Há ...

Ver mais

Cafezinho 168 – O que nos define
Cafezinho 168 – O que nos define
O que nos define são os adversários que vencemos.

Ver mais

Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
“O otimista é o pessimista bem informado”, lembra ...

Ver mais

Como ser um Diabo da Tasmânia

Como ser um Diabo da Tasmânia

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

​​​Como disse certa vez o ex-ministro Pedro Malan, no Brasil até o passado é incerto. Mas o futuro não – ao menos em um caso: Há plena certeza que o tecido social esgarçou e vai rasgar. Toda essa demência politicamente correta, juntamente com os autoproclamados intelectuais e artistas-engajados-militantes revolucionários de internet lutam com toda a fúria digital para transformar o País (e o mundo, se tudo der certo pra eles e errados pra nós) num imenso hospício; caso patológico de dar inveja a Simão Bacamarte, personagem central de O Alienista, obra do grande Machadão. Mas Machado de Assis hoje é bobagem; importante é acuentar o paju, como defende a “mãe” do Enem. Crendeuspai.

​​​O céu é o limite para a imaginação dos inventores de uma nova divisão dos seres humanos; Depois dos aproximadamente 53gêneros classificados pelos brilhantes e resolutosdefensores da mesma liberdade que Stalin defendia, acabando com todos os que ousavam discordar, temos novidade! Gente nem sempre é gente! Democracia é isso aí, pessoal.

​​​Pois bem: Antes que os apressadinhos de sempre venham jogar pedras, sejam elas metafóricas, virtuais ou reais, ninguém tá atacando nenhum tipo de ideologia de gênero. Cada um crê naquilo que lhe convém, e há que se respeitar o modo de pensar das pessoas. E esse respeito é de mão dupla, gostem ou não. Mão dupla no bom sentido, claro. Não pensem bobagem. Olha o assédio. Comportem-se.

​​​Enfim, vamos respeitar as opções de cada um. Mas, mesmo por cima da carne seca, esse povo imaginativo não pode ver uma possibilidade de polemizar que já embarca nela com ganas de combatente; quem discordar é imediatamente tachado de nazista-fascista-misógino-racista-opressor. A ladainha louca, robótica, nunca muda. Porém, sempre há outrodegrau a descer; esses doidos encontram facilmente um jeitinho de alimentar a insanidade geral sob a desculpa da “integração” das minorias. É a hora e a vez, atenção… dos transespécie!

​​​Não, não é brincadeira. Ideologia de gênero é coisa do passado. A onda agora é transgredir. De acordo com a última invenção desse pessoal (ou penúltima; é incrível sua prolífica rapidez insana) a onda é levar a sério pessoas que não são “humanos”. Na verdade, são cachorros, ou aliens, que, infelizmente, são tratados como seres humanos pelos supremacistasmaldososfascistas-racistas-xenófobos; coisas do preconceito reacionário, claro. Não, não é piada, pode crer:  https://universa.uol.com.br/noticias/redacao/2018/11/30/ele-se-veste-como-cachorro-e-diz-nao-ser-uma-pessoa-o-que-e-transespecie.htm

​​​Sim, essas pessoas não são pessoas. São cachorros ou seres vindos do espaço sideral. Taspariu. O pior não é (mais) um movimento que pretende impor ao mundo racional outra demência difundida como forma de justiça social; é ver um dos jornais mais importantes do País dando guarida à loucura como se fosse assunto seriíssimo. Não se espante se logo, logo, surgir o transespécie intergaláctico. Se alguém pode se fantasiar de cachorro pretendendo ser levado a sério (militontos da insanidade e certos paspalhos travestidos de jornalistas aplaudem de pé), por que não “ser” um daqueles personagens do Star Wars? Lembra da antológica cena de Han Solo no bar, cercado de alienígenas? Pois é. Basta escolhero espécime mais exótico e bola pra frente. Seja, acredite; isso é suficiente; esse parece ser o lematresloucado. Chewbacca vive, camaradas! Leve-me ao seu líder!

​​​Impressionante. Comportamento que há pouco tempo demonstraria séria indicação auma urgente consulta psiquiátrica, hoje é incentivado como liberdade de gênero. Diante disso, por que não encarnar uma girafa, um rinoceronte, ou mesmo um tiranossauro? Sim, pois se há os transespécie, porque não haveria os transtempo? Afinal, 60 milhões de anos não podem separar um pobre coitado, vítima oprimida pela sociedade, de sua vida dinossáurica. Olha o preconceito, hein?

​​​Se a moda pegar, sugiro transespéciesda Tasmânia. Os bichos de lá são muito estranhos, será uma super novidade encarnar, por exemplo, uma Equidna. Ou o faminto Diabo da Tasmânia. Já é famoso e seus desenhos animados são muito divertidos.

​​​Pessoas incentivadoras desses pobres coitados, que apresentam claros problemas mentais, a emergirem nessa loucura, piorando suas vidas em nome de uma “liberdade” de espécie (!) alucinada, deveriam responder na justiça por seus atos. Ao menos, aqueles têm a desculpa de não estarem em seus juízo perfeito. Já estes, manipulam os inocentes úteis para “comprovar” suas teses insanas e engrossar as fileiras dos que lutam contra tudo-que-está-aí e pelo “liberou geral”. Não falta muito para pedirem a proibição dos antibióticos. Afinal, vai que aparece alguém que, na verdade, é uma bactéria...

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes