Iscas Intelectuais
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Café Brasil 670 – A nova Previdência
Café Brasil 670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

LíderCast 154 – Diógenes e Michelle Cezila
LíderCast 154 – Diógenes e Michelle Cezila
Empreendedores brasileiros, que se mudam para os ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

O terrorismo do país da mesada
Carlos Nepomuceno
LIVE COMPLETA.

Ver mais

O que é Respeito?*
Alessandro Loiola
Quando éramos crianças, fomos ensinados, por bem ou por mal, a respeitar nossos pais e professores, nossa família, as autoridades, as regras, as leis, os sentimentos das pessoas, os emblemas de ...

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Cafezinho 184 – O desequilíbrio do gênio
Cafezinho 184 – O desequilíbrio do gênio
Só consigo entender isso como o desequilíbrio do gênio.

Ver mais

Cafezinho 183 – Ostracismo social
Cafezinho 183 – Ostracismo social
Olhando os jornais e tevês, parece que estamos inertes, ...

Ver mais

Complexo e outros males

Complexo e outros males

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Uma das expressões que a esquerda (radical ou não) adora usar é o tal “complexo de vira-latas”. Essa gente não tem a menor ideia do que seja isso, nem de quem cunhou a expressão, mas a macaqueia reiteradamente, invocando-a como mantra para suas asnices nacionaleiras dignas do milênio passado; na sua visão troglodita, significaria uma espécie de medo, uma vergonha, um certo derrotismo de que o brasileiro sofreria em relação aos outros países do mundo, principalmente quanto aos mais ricos. Taspariu. A cegueira dos lulistas é tão intensa que transcende a ideologia mais furada do mundo até alcançar a realidade paralela onde seu guru presidiário reina, e onde Gleisi Hoffman navega. É tão grave o estado demencial que chega a ser difícil separar a insanidade do puro interesse travestido de… insanidade.

O pernambucano Nélson Falcão Rodrigues (1912-1980) foi um dos mais importantes dramaturgos do Brasil, seguido e perseguido por toda e qualquer trupe do ramo; todos sonham em atuar sob seus textos. Polêmico, também foi jornalista, escritor, cronista, e escrevia com uma verve absolutamente invejável. Construía frases impagáveis, dignas de seu, digamos, “antecessor” Barão de Itararé (Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly, 1895-1971), humorista, mestre do assim chamado hibridismo linguístico. Deixe de preguiça e veja no Google.

Voltando: Nélson se definia como reacionário; em resposta às críticas, principalmente sobre seus textos de uma realidade dolorosa, uma crueza ímpar, se dizia um sentimental, e um “anjo pornográfico”. Tinha absoluto desprezo pelo comunismo e pela esquerda em geral, e lamentava profundamente a militância comunista do filho. Ironia da vida; dele e de qualquer outro que habite essa nau dos insensatos chamada planeta Terra.

Apaixonado pelo futebol e agoniado com a derrota da seleção para o Uruguai em pleno Maracanã (1950), não se conformava em ver o título de campeão mundial escapar daquela forma. Intuiu sobre parte da culpa ser de nossa incapacidade futebolística ao ombrear com as demais potências no esporte. Teríamos tudo, inclusive os craques, mas esse complexo atávico nos impediria de ganhar. Interessante teoria; mas para o determinado esporte quando ainda não éramos campeões do mundo, e até cabível nos distantes anos 50 do século XX; mas nunca no sentido usado pelo lulismo.

Nélson Rodrigues escreveu (e representa) tudo que a esquerda brasileira odeia. Mas como esses aí nunca leem um livro decente nem ao menos folhearam um de sua autoria – ou de nenhum outro tipo, como o presidiário-chefe da seita declarou. Ler é um hábito chato, bufou em rede nacional. Também afirmou que estudar e falar inglês são bobagens, mas vamos deixar isso pra outra discussão.

Citar Nélson Rodrigues num país onde a mediocridade campeia é chic; para os lulistas, funciona como uma pretensa sofisticação que poucos se dão ao trabalho de conferir através de uma simples leitura; é chato, como prega seu líder presidiário. Daí, para embasar o movimento brilhantemente apelidado de “megalonanico” nas relações internacionais dos tempos lulistas, fantasiaram (e insistem nessa demência) que naquela fase o Brasil “era respeitado lá fora”, e hoje não seria mais em razão do tal complexo de vira-latas. Quem repete isso não conhece o Brasil, nem “lá fora”, e nem a obra de Nélson. Mas papagueia as desculpas genéricas e os ataques tolos a tudo que não seja exatamente o que pregam.

É como citar Macunaíma, o herói sem nenhum caráter, de Mário de Andrade, para definir um sujeito em evidência amoral. O autor nunca disse ou sugeriu isso; referia-se, sim, ao personagem que não tinha nenhuma característica de herói, não tinha jeito nem tipo para isso. Mas como mais vale uma ideia criada do nada do que a leitura de um clássico… Ficamos assim. Outras pérolas virão, principalmente dessa gente que adora Marx, porém nunca leu uma única página de seus livros. Não precisa ser culto, camarada; basta parecer e enganar os trouxas. Assim é, na vida e nas eleições.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes