Iscas Intelectuais
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

666 – O diabo é o pai do rock
666 – O diabo é o pai do rock
Existem dezenas de explicações para o 666 ser chamado ...

Ver mais

665 – O Vale
665 – O Vale
A trilha para o sucesso envolve trabalho duro e ...

Ver mais

664 – Sobre lagartas e borboletas
664 – Sobre lagartas e borboletas
Cara, como mudar é difícil... perder peso...manter ...

Ver mais

663 – A crisálida
663 – A crisálida
A maturidade entende que existe a escuridão no mundo, ...

Ver mais

LíderCast 154 – Diógenes e Michelle Cezila
LíderCast 154 – Diógenes e Michelle Cezila
Empreendedores brasileiros, que se mudam para os ...

Ver mais

LíderCast 153 – Rafael Bernardes
LíderCast 153 – Rafael Bernardes
Empreendedor em TI, que capacita outros profissionais ...

Ver mais

LíderCast 152 – Lucia Moyses
LíderCast 152 – Lucia Moyses
Escritora, psicóloga e neuropsicóloga, um papo sobre ...

Ver mais

LíderCast 151 – Irineu Toledo
LíderCast 151 – Irineu Toledo
Radialista, uma das vozes mais marcantes e conhecidas ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Bolsonaro errou, mas nem tanto
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Bolsonaro fala demais, e sem freios. Não faz a necessária reflexão prévia. Ele precisa lembrar, urgentemente, que não é mais deputado nem está no balcão do boteco. O cargo que ocupa merece todo o ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – DIMENSÕES LÓGICA E PSICOLÓGICA DA LINGUAGEM (parte 8)
Alexandre Gomes
  Eu prometo que esse segundo capítulo vai acabar! Acho que terá umas 12 partes… Mas vamos lá! De volta à diversão. É claro que a linguagem tem aspectos LÓGICOS e PSICOLÓGICOS, veja ...

Ver mais

O Brasil da TV Globo, do Whatsapp e as manifestações do dia 26/05
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157340715398631 LINKS DAS OUTRAS LIVES: ...

Ver mais

Eu não acredito na democracia moderna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Eu não acredito na democracia representativa moderna. * * * Concordo com Schumpeter: no modelo de democracia do século XX, os indivíduos comuns são simplesmente consumidores de produtos políticos ...

Ver mais

Cafezinho 179 – Correndo riscos
Cafezinho 179 – Correndo riscos
Somos capazes de milagres quando parece que nada mais ...

Ver mais

Cafezinho 178 – O Exorcista
Cafezinho 178 – O Exorcista
O Brasil está sofrendo um imenso exorcismo, e o demônio ...

Ver mais

Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
A negatividade tem suas raízes no medo de ser ...

Ver mais

Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Gostou? Compartilhe! Só assim, fazendo a nossa parte, ...

Ver mais

Diferentes tipos de capital

Diferentes tipos de capital

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Diferentes tipos de capital

 “O mais valioso de todos os capitais é aquele investido em seres humanos.”

 

 

 

 

 

 

Alfred Marshall

Logo na primeira aula do curso de ciências econômicas aprendi que a economia é a ciência que estuda a combinação dos recursos escassos de forma a satisfazer, da melhor forma possível, as ilimitadas necessidades humanas[1]. Aprendi, então, que os recursos, fatores ou meios de produção dividem-se em humanos (ou trabalho), naturais (ou terra) e capital. Este, por sua vez, divide-se em capital físico, incluindo instalações, máquinas, equipamentos, e capital financeiro, englobando os diversos ativos monetários e financeiros.

Bem mais tarde, conheci uma definição que me agrada bastante. É do economista francês Léon Walras, um dos principais expoentes da revolução marginalista na segunda metade do século XIX. Para ele,

[Capital é] toda espécie de riqueza social que não é inteiramente consumida, ou é consumida apenas lentamente; todo bem útil limitado em quantidade, que sobrevive ao primeiro uso; em suma, que pode ser usado mais de uma vez; uma casa, uma peça de mobiliário.

Com o tempo, conheci a expressão capital humano, que, segundo Eduardo Giannetti,

representa o grau de capacitação da comunidade para o trabalho qualificado, a inovação científica, a liderança e a organização a nível empresarial privado e na vida pública. Ele é constituído não somente pelo investimento das famílias e da sociedade como um todo na capacidade produtiva das pessoas, mas também por elementos de natureza ética como, por exemplo, a capacidade dos indivíduos de perceber e agir consistentemente com base em interesses comuns, ou ainda de respeitar na prática regras gerais de conduta – as “regras do jogo” – das quais todos os participantes se beneficiam, embora para isso precisem restringir alguns de seus interesses pessoais – ou de grupo – mais imediatos.

Embora tal ideia remonte a Alfred Marshall no fim do século XIX, ganhou força com dois economistas laureados com o Nobel, Theodore Schultz e Gary Becker[2]. No Brasil, além de Eduardo Giannetti, Ricardo Paes de Barros e Marcelo Neri são dois de seus principais divulgadores.

Mais algum tempo, conheci a expressão capital social, definido como o conjunto de conexões de uma rede social, que por meio de confiança e reciprocidade pode aumentar a produtividade de indivíduos e organizações públicas e privadas. Embora o conceito remonte ao sociólogo Pierre Bourdieu, quem consagrou a ideia foi Robert Putnam, professor da Universidade de Harvard e autor de uma obra que se tornou referência, Making democracy work.[3]

Por fim, conheci a expressão capital político. Tendo também Pierre Bourdieu como um de seus idealizadores, significa o leque de apoios que o político que participa e vence processos eleitorais consegue arregimentar e que lhe dá respaldo – tanto parlamentar como da opinião pública – para implantar suas propostas.

No Brasil, vimos diferentes experiências sobre capital político. Fernando Henrique Cardoso e Lula se elegeram com votação expressiva e governaram com elevado capital político. Dilma Roussef reelegeu-se com baixíssimo capital político em razão da vitória eleitoral muito apertada. Esse frágil capital político favoreceu o rápido desgaste que culminou no seu impeachment. Michel Temer, por sua vez, assumiu o cargo sem ter sido pessoalmente votado, mas contando com o apoio de parcela expressiva da população. Seu capital político esvaiu-se em pouco tempo graças à necessidade de substituir ministros nos primeiros dias após ter tomado posse. O vazamento da conversa com Joesley Batista logo em seguida encerrou precocemente sua gestão.

Fazendo uma analogia, pode-se dizer que elevado capital político é uma espécie de sinal verde para o governante avançar com seus projetos, ao passo que baixo capital político equivale ao sinal vermelho.

Vemos, agora, a situação de Jair Bolsonaro. Eleito com margem considerável de votos, inicia seu governo com amplo capital político e, sabiamente, tem procurado utilizar esse capital encaminhando ao Congresso desde logo o conjunto de reformas tidas como essenciais. Preocupa-me, porém, o acúmulo de questiúnculas, como a que envolveu a demissão do ministro Gustavo Bebiano, que vai minando esse capital político.

Se problemas dessa natureza continuarem ocorrendo, o sinal verde logo dará lugar ao sinal amarelo.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas e webgráficas

BECKER, Gary. Human Capital: a theoretical and empirical analysis, with special reference to education. New York: Columbia University Press, 1964.

BOURDIEU, P. The forms of capital. In RICHARDSON, J. (ed.). Handbook of theory and research for the sociology of education. New York: Greenwood Press, 1986.

GIANNETTI DA FONSECA, Eduardo. A ideia do capital: sua evolução e sua presença hoje. In GALL, Norman et al. Nova era da economia mundial. São Paulo: Pioneira/Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial, 1989, pp. 37 -52.

MARSHALL, Alfred. Princípios de economia: tratado introdutório. Tradução revista de Rômulo de Almeida e Ottolmy Strauch. Introdução de Ottolmy Strauch. São Paulo: Abril Cultural, 1982. (Os Economistas)

MIGUEL, Luís Felipe. Capital político e carreira eleitoral: algumas variáveis na eleição para o congresso brasileiro. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, nº 20, junho de 2003. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782003000100010.

PUTNAM, Robert D. Making Democracy Work: civic traditions in modern Italy. Princeton University Press, 1992, apud Braudel Papers no 10, 1995.

_______________ Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1997.

RAMOS, José Maria Rodriguez. Lionel Robbins: Contribuição para a Metodologia da Economia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. 1993.

REIS, Bruno Pinheiro W. Capital social e confiança: questões de teoria e método. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, nº 21, novembro de 2003. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782003000200004.

SCHULTZ, Theodore W. O valor econômico da educação. Tradução de P. S. Werneck, revisão técnica de Calógeras A. Pajuaba, 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

___________________. Investindo no povo. Tradução de Élcio Gomes de Cerqueira. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

_______________ O Capital Humano: Investimentos em Educação e Pesquisa. Tradução de Marco Aurélio de Moura Matos. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

WALRAS, Léon. Compêndio dos elementos de economia política pura. Apresentação de Dionísio Dias Carneiro Netto. Tradução de João Guilherme Vargas Netto. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Os Economistas)

[1] Esta é uma das diversas definições de economia. Outra, muito citada, é a do economista inglês Lionel Robbins, para quem “economia é a ciência que estuda o comportamento humano como um relacionamento entre fins e meios escassos que têm usos alternativos”.

[2] Mais recentemente, James Heckman foi também laureado com o Prêmio Nobel de Economia por suas pesquisas a respeito do retorno econômico da educação.

[3] Contábil ou financeiramente, Capital Social é o valor que os sócios ou acionistas estabelecem para sua empresa no momento da abertura. Trata-se, portanto, da quantia bruta que é investida, o montante necessário para iniciar as atividades de uma nova empresa, considerando o tempo em que ela ainda não vai gerar lucro suficiente para se sustentar.

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado