Iscas Intelectuais
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

683 – O peixe
683 – O peixe
E aí, hein? Dar o peixe ou ensinar a pescar? Será que ...

Ver mais

682 – LíderCast 13
682 – LíderCast 13
É isso que é o LíderCast. Uma homenagem a quem ...

Ver mais

681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
Agrotóxicos surgiram na Segunda Guerra Mundial, para ...

Ver mais

680 – Nova Previdência 2
680 – Nova Previdência 2
A Nova previdência é o primeiro passo para colocar o ...

Ver mais

LíderCast 170 – Rodrigo Galvão
LíderCast 170 – Rodrigo Galvão
Rodrigo Galvão assumiu aos 35 anos de idade a posição ...

Ver mais

LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
Marilia Guimarães e Eduardo Dantas – a dupla ...

Ver mais

LíderCast 168 – Pedro Hipólito
LíderCast 168 – Pedro Hipólito
CEO da Five Thousand Miles, empresa portuguesa que se ...

Ver mais

LíderCast 167 – João Kepler
LíderCast 167 – João Kepler
Especialista em empreendedorismo, startups, marketing e ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro exagera?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Como se já não enfrentássemos todos os problemas possíveis – e mais uns imaginados – Bolsonaro parece se esforçar para piorar os reais e parir os imaginários. Por qual razão o ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – CARACTERÍSTICAS GRAMATICAIS DOS SUBSTANTIVOS (parte 3)
Alexandre Gomes
Até agora mostrei maneiras um pouco diferentes de se ver um SUBSTANTIVO. Usando um tanto de Lógica e  Filosofia para explicar SUBSTANTIVOS e ADJETIVOS. E só para te lembrar: toda a Realidade é ...

Ver mais

Viva Narciso
Jota Fagner
Origens do Brasil
A nossa vaidade nos impede de construir um ambiente mais tolerável A palavra “insentão”, popularizada nos últimos anos, serve para classificar a pessoa que não se deixa iludir pelo canto da ...

Ver mais

O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento  “A leitura é a chave para se ter um universo de ideias e uma tempestade de palavras.” Eduarda Taynara Gonçalves Pereira  (ex-aluna da EEEP ...

Ver mais

Cafezinho 214 – Entropia 2
Cafezinho 214 – Entropia 2
Entropia precisa de manutenção, de consertar o que é ...

Ver mais

Cafezinho 213 – Entropia
Cafezinho 213 – Entropia
Encontrar e consertar uma goteira ou uma trinca é ...

Ver mais

Cafezinho 212 – Cérebros roídos
Cafezinho 212 – Cérebros roídos
Na República das Banalidades, o que não é visto e nem ...

Ver mais

Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Basta uma olhada nos jornais televisivos diários para ...

Ver mais

Diferentes tipos de capital

Diferentes tipos de capital

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Diferentes tipos de capital

 “O mais valioso de todos os capitais é aquele investido em seres humanos.”

 

 

 

 

 

 

Alfred Marshall

Logo na primeira aula do curso de ciências econômicas aprendi que a economia é a ciência que estuda a combinação dos recursos escassos de forma a satisfazer, da melhor forma possível, as ilimitadas necessidades humanas[1]. Aprendi, então, que os recursos, fatores ou meios de produção dividem-se em humanos (ou trabalho), naturais (ou terra) e capital. Este, por sua vez, divide-se em capital físico, incluindo instalações, máquinas, equipamentos, e capital financeiro, englobando os diversos ativos monetários e financeiros.

Bem mais tarde, conheci uma definição que me agrada bastante. É do economista francês Léon Walras, um dos principais expoentes da revolução marginalista na segunda metade do século XIX. Para ele,

[Capital é] toda espécie de riqueza social que não é inteiramente consumida, ou é consumida apenas lentamente; todo bem útil limitado em quantidade, que sobrevive ao primeiro uso; em suma, que pode ser usado mais de uma vez; uma casa, uma peça de mobiliário.

Com o tempo, conheci a expressão capital humano, que, segundo Eduardo Giannetti,

representa o grau de capacitação da comunidade para o trabalho qualificado, a inovação científica, a liderança e a organização a nível empresarial privado e na vida pública. Ele é constituído não somente pelo investimento das famílias e da sociedade como um todo na capacidade produtiva das pessoas, mas também por elementos de natureza ética como, por exemplo, a capacidade dos indivíduos de perceber e agir consistentemente com base em interesses comuns, ou ainda de respeitar na prática regras gerais de conduta – as “regras do jogo” – das quais todos os participantes se beneficiam, embora para isso precisem restringir alguns de seus interesses pessoais – ou de grupo – mais imediatos.

Embora tal ideia remonte a Alfred Marshall no fim do século XIX, ganhou força com dois economistas laureados com o Nobel, Theodore Schultz e Gary Becker[2]. No Brasil, além de Eduardo Giannetti, Ricardo Paes de Barros e Marcelo Neri são dois de seus principais divulgadores.

Mais algum tempo, conheci a expressão capital social, definido como o conjunto de conexões de uma rede social, que por meio de confiança e reciprocidade pode aumentar a produtividade de indivíduos e organizações públicas e privadas. Embora o conceito remonte ao sociólogo Pierre Bourdieu, quem consagrou a ideia foi Robert Putnam, professor da Universidade de Harvard e autor de uma obra que se tornou referência, Making democracy work.[3]

Por fim, conheci a expressão capital político. Tendo também Pierre Bourdieu como um de seus idealizadores, significa o leque de apoios que o político que participa e vence processos eleitorais consegue arregimentar e que lhe dá respaldo – tanto parlamentar como da opinião pública – para implantar suas propostas.

No Brasil, vimos diferentes experiências sobre capital político. Fernando Henrique Cardoso e Lula se elegeram com votação expressiva e governaram com elevado capital político. Dilma Roussef reelegeu-se com baixíssimo capital político em razão da vitória eleitoral muito apertada. Esse frágil capital político favoreceu o rápido desgaste que culminou no seu impeachment. Michel Temer, por sua vez, assumiu o cargo sem ter sido pessoalmente votado, mas contando com o apoio de parcela expressiva da população. Seu capital político esvaiu-se em pouco tempo graças à necessidade de substituir ministros nos primeiros dias após ter tomado posse. O vazamento da conversa com Joesley Batista logo em seguida encerrou precocemente sua gestão.

Fazendo uma analogia, pode-se dizer que elevado capital político é uma espécie de sinal verde para o governante avançar com seus projetos, ao passo que baixo capital político equivale ao sinal vermelho.

Vemos, agora, a situação de Jair Bolsonaro. Eleito com margem considerável de votos, inicia seu governo com amplo capital político e, sabiamente, tem procurado utilizar esse capital encaminhando ao Congresso desde logo o conjunto de reformas tidas como essenciais. Preocupa-me, porém, o acúmulo de questiúnculas, como a que envolveu a demissão do ministro Gustavo Bebiano, que vai minando esse capital político.

Se problemas dessa natureza continuarem ocorrendo, o sinal verde logo dará lugar ao sinal amarelo.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas e webgráficas

BECKER, Gary. Human Capital: a theoretical and empirical analysis, with special reference to education. New York: Columbia University Press, 1964.

BOURDIEU, P. The forms of capital. In RICHARDSON, J. (ed.). Handbook of theory and research for the sociology of education. New York: Greenwood Press, 1986.

GIANNETTI DA FONSECA, Eduardo. A ideia do capital: sua evolução e sua presença hoje. In GALL, Norman et al. Nova era da economia mundial. São Paulo: Pioneira/Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial, 1989, pp. 37 -52.

MARSHALL, Alfred. Princípios de economia: tratado introdutório. Tradução revista de Rômulo de Almeida e Ottolmy Strauch. Introdução de Ottolmy Strauch. São Paulo: Abril Cultural, 1982. (Os Economistas)

MIGUEL, Luís Felipe. Capital político e carreira eleitoral: algumas variáveis na eleição para o congresso brasileiro. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, nº 20, junho de 2003. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782003000100010.

PUTNAM, Robert D. Making Democracy Work: civic traditions in modern Italy. Princeton University Press, 1992, apud Braudel Papers no 10, 1995.

_______________ Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1997.

RAMOS, José Maria Rodriguez. Lionel Robbins: Contribuição para a Metodologia da Economia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. 1993.

REIS, Bruno Pinheiro W. Capital social e confiança: questões de teoria e método. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, nº 21, novembro de 2003. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782003000200004.

SCHULTZ, Theodore W. O valor econômico da educação. Tradução de P. S. Werneck, revisão técnica de Calógeras A. Pajuaba, 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

___________________. Investindo no povo. Tradução de Élcio Gomes de Cerqueira. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

_______________ O Capital Humano: Investimentos em Educação e Pesquisa. Tradução de Marco Aurélio de Moura Matos. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

WALRAS, Léon. Compêndio dos elementos de economia política pura. Apresentação de Dionísio Dias Carneiro Netto. Tradução de João Guilherme Vargas Netto. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Os Economistas)

[1] Esta é uma das diversas definições de economia. Outra, muito citada, é a do economista inglês Lionel Robbins, para quem “economia é a ciência que estuda o comportamento humano como um relacionamento entre fins e meios escassos que têm usos alternativos”.

[2] Mais recentemente, James Heckman foi também laureado com o Prêmio Nobel de Economia por suas pesquisas a respeito do retorno econômico da educação.

[3] Contábil ou financeiramente, Capital Social é o valor que os sócios ou acionistas estabelecem para sua empresa no momento da abertura. Trata-se, portanto, da quantia bruta que é investida, o montante necessário para iniciar as atividades de uma nova empresa, considerando o tempo em que ela ainda não vai gerar lucro suficiente para se sustentar.

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado