Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

643 – Dominando a Civilidade
643 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

642 – A caverna de todos nós
642 – A caverna de todos nós
Olhe em volta, quanta gente precisando de ajuda, quanta ...

Ver mais

641 – O delito de ser livre
641 – O delito de ser livre
Na ofensiva contra a liberdade, fica cada vez mais ...

Ver mais

640 – O monumento à incompetência
640 – O monumento à incompetência
É muito fácil e confortável examinar o passado com os ...

Ver mais

LíderCast 135 – Thalis Antunes
LíderCast 135 – Thalis Antunes
Gestor de Conteúdo da Campus Party, que tinha tudo para ...

Ver mais

LíderCast 134 – Diego Porto Perez
LíderCast 134 – Diego Porto Perez
O elétrico Secretário de Esportes do Governo de ...

Ver mais

LíderCast 133 – Dennis Campos e Cláudio Alves
LíderCast 133 – Dennis Campos e Cláudio Alves
Empreendedores que criam no grande ABC uma agência de ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

O mundo platônico e suas consequências
Carlos Nepomuceno
Live de terça O mundo platônico e suas consequências Live de terçaO mundo platônico e suas consequênciasTENHA VISÃO MAIS SOFISTICADA SOBRE O NOVO SÉCULO!TURMA PERMANENTE, COMECE HOJE!"O ...

Ver mais

O Trivium – uma introdução
Alexandre Gomes
As Sete Artes Liberais era a forma que os jovens eram preparados desde a Antiguidade até a alta Idade Média para educação superior. E a introdução nas Sete Artes era pelo Trivium, um método que ...

Ver mais

Live de terça – a liderança liberal
Carlos Nepomuceno
Live de terçaA liderança liberalTENHA VISÃO MAIS SOFISTICADA SOBRE O NOVO SÉCULO!TURMA PERMANENTE, COMECE HOJE!"O curso me ajudou a pensar o digital como meio e não fim". – JEAN ...

Ver mais

A Tribo da Política – ou a Democracia das Identidades
Alessandro Loiola
Talvez nunca antes na história desses país os recorrentes embates na Internet tenham mostrado de modo tão claro nossa admirável habilidade de nos submetermos à polarização político-ideológica. ...

Ver mais

Cafezinho 132 – Os cagonautas
Cafezinho 132 – Os cagonautas
Seu chefe é um cagonauta? Hummmm...tome cuidado, viu?

Ver mais

Cafezinho 131 – Compartilhe!
Cafezinho 131 – Compartilhe!
Seja a mídia que você quer ver no mundo

Ver mais

Cafezinho 130 – Juniorização
Cafezinho 130 – Juniorização
Está dada vez mais difícil falar com o Presidente, o ...

Ver mais

Cafezinho 129 – Minority Report Tropical
Cafezinho 129 – Minority Report Tropical
O Brasil se transformou na República do Futuro do Subjuntivo.

Ver mais

É milagre, Crivella?

É milagre, Crivella?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

O Rio de Janeiro continua lindo Gil, e complicado; mais do que isso, espantoso. Não dá pra entender a razão pela qual os fluminenses elegem gente (latu sensu, ófi córsi) como Anthony Garotinho, sua esposa Rosinha, Sérgio Cabral e outros desse naipe. A bola da vez (no mau sentido) é o notório Marcelo Crivella, eleito prefeito dos cariocas.

Sim, claro… nós paulistas não podemos apontar o dedo sujo; afinal, elegemos Paulo Maluf, Fleury Filho, Fernando Haddad e outros da classe dos imperdoáveis sem explicação plausível.

Mas os fluminenses (principalmente os cariocas) parecem insistir nessa mania de rolar morro abaixo (no bom e no mau sentido) através de administrações variando do sofrível ao inaceitável. Com um agravante: Alguns dos mencionados se acreditam bafejados por Deus, arautos do Senhor, uma espécie de caixa postal (e também registradora) dos Céus. Nós paulistas, ao menos, somos vítimas de meros amantes declarados do vil metal. Até agora. Os praianos dirigentes vizinhos querem também arregimentar a fé dos populares, numa versão tupiniquim da estratégia Hearts & Minds utilizada pelos americanos na guerra do Vietnã – se bem que no caso de Garotinho & Cia eles acrescentaram fé, bolsos e carteiras ao rol de vitórias a alcançar perante o inimigo otário – opa, digo, eleitores. Isso simplesmente não pode continuar. Não dá mais. Religião não é política – ou ao menos não deveria ser. A César o que é de César, como deixou claro o grande Sábio.

Crivella partiu pro regaço: Sem medo de ser feliz, foi gravado prometendo (e cometendo) favores especiais a colegas pastores de sua religião, igreja e base eleitoral garantindo passe livre para furar a fila dos doentes à espera de cirurgia na cidade do Rio (entre outros absurdos), para que todos se locupletassem com a gratidão que inevitavelmente viria dos pobres coitados tangidos como gado por essa gente. O áudio vazou, graças a Deus (ou ao diabo, segundo Crivella) e pudemos conhecer a real face desse senhor que utiliza qualquer tipo de manobra arrivista. Muito corretamente, a oposição municipal encurralou o santo pecador em seu milagre da multiplicação de cirurgias, e Crivella está por um triz de ser impichado do cargo de prefeito. Exatamente como Michel Temer fez no Congresso, está tentando fugir da justiça humana (afinal, afirma ter o monopólio da divina) distribuindo cargos e favores para os oportunistas de plantão (com trocadilho para um certo plantonista do judiciário) na tentativa de manter-se no cargo. A tática não é nova, mas costuma funcionar, para indignação dos honestos.

Falando nessa rara e estreita fatia dos honestos, mantenho há anos boa amizade com um xará e colega do Rio, carioca da gema; como ele não deixa de lembrar, com toda a razão, a cidade é uma das mais lindas do mundo – mas a feiúra moral de seus governantes está desmentindo até a Natureza. A que ponto chegamos, xará. Vocês não merecem, nem nós, nem ninguém.

Antes que os apressadinhos de sempre se manifestem, ninguém está pregando sublevação religiosa, ou modernas Cruzadas, volta da Inquisição, intolerância a algum tipo de crença, muito menos outra Noite de São Bartolomeu (se não conhecer, deixe de ser preguicento e localize no Google). Mas é inacreditável que se utilize qualquer religião para justificar imundícies praticadas por políticos injustificáveis. Trata-se de uma – medianamente – nova ideologia disfarçada, na qual Deus deixa de ter qualquer participação, apesar dos veementes álibis contrários. Que o digam os milhares de cariocas prejudicados, morrendo nas filas à espera de uma cirurgia renal, oftalmológica, ortopédica ou outra qualquer. Justiça para eles. Humana, terrena, mundana, comum, dos homens, mas Justiça, não ilusões metafísicas gerando óbolos polpudos e votos.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes