Iscas Intelectuais
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

661 – A teoria do valor subjetivo
661 – A teoria do valor subjetivo
O mercado é o resultado da interação entre milhões de ...

Ver mais

660 – Na esquina da sua casa
660 – Na esquina da sua casa
Não espere que o Estado se preocupe com o indivíduo. O ...

Ver mais

659 – Empreendedorismo no Palco
659 – Empreendedorismo no Palco
Muitos anos atrás, acho que uns 20, fui convidado para ...

Ver mais

658 – Chá com a gente
658 – Chá com a gente
Este programa reproduz a edição especial do Podcast Chá ...

Ver mais

LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
Empreendedor, que vem lá do nordeste para mudar a vida ...

Ver mais

LíderCast 148 – Bruno Busquet
LíderCast 148 – Bruno Busquet
CEO da Tupiniq,In Inside Out Agency e president do ...

Ver mais

LíderCast 147 – Sherlock Gomes
LíderCast 147 – Sherlock Gomes
Músico, um guitarrista e baixista excepcional cuja ...

Ver mais

LíderCast 146 – Cândido Pessoa
LíderCast 146 – Cândido Pessoa
Um intelectual, professor no Paradigma centro de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Os polirretos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quando a esperteza é muita, come o dono, já dizia Tancredo Neves (1910-1985). Em tempos do politicamente correto, a onda mais ridícula desde a modinha do ioiô ou, quem sabe, fotografar comida,  é ...

Ver mais

Paciência, adjetivos e o amigo do amigo do papai….
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157273773468631 LINKS DAS OUTRAS LIVES: ...

Ver mais

Criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade: indispensável, mas ainda desconhecida “Existe criatividade sem inovação, mas não existe inovação sem criatividade”. Bill Shephard Dois fatores levaram-me a escrever este breve ...

Ver mais

TRIVIUM: CAP.2 – AS DEZ CATEGORIAS DO SER (parte 6)
Alexandre Gomes
Eu tenho que ser sincero com você guria (ou velhinho…) esta parte do segundo capítulo será bem chata, pois iremos tratar de algo realmente formal e de certa forma, burocrático: as Dez ...

Ver mais

Cafezinho 170 – Os monstros da negatividade II
Cafezinho 170 – Os monstros da negatividade II
Os monstros da negatividade são incapazes de ver ...

Ver mais

Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Há silêncios e silêncios. Há o silêncio das pedras. Há ...

Ver mais

Cafezinho 168 – O que nos define
Cafezinho 168 – O que nos define
O que nos define são os adversários que vencemos.

Ver mais

Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
“O otimista é o pessimista bem informado”, lembra ...

Ver mais

É o que temos pra hoje

É o que temos pra hoje

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                            Argumentos voam dos dois lados, mas não adianta fugir à realidade: A imensa maioria da população brasileira quer a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. Fim de papo. E o argumento dessa maioria é de uma simplicidade acaciana; não dá pra permitir mais que assassinos, estupradores, bandidos sádicos de 17 anos e 11 meses de idade cometam tais crimes com a plena ciência de que absolutamente nada lhes acontecerá. Alguns riem quando são detidos; sabem da impunidade etária, e que depois de muito pouco tempo estarão de novo nas ruas, prontos para todo tipo de bandidagem; São nossos 007 tupiniquins… têm licença para matar. O máximo que um monstro desses recebe como “castigo” são três anos de internação numa Fundação Casa. Depois, rua e ficha limpíssima. Pode isso, Arnaldo?

                            Para alguns, não só pode como deve continuar exatamente assim – impunidade absoluta para criminosos menores de 18. Isso é inaceitável na maioria dos demais países – inclusive em Cuba, paraíso dos paladinos de araque, defensores dos menores bandidos, onde a maioridade é alcançada aos 16 anos… se bem que nada disso importa naquela ditadura, onde a Justiça é aquilo que os ditadores Castro desejarem.

                            A redução da maioridade é necessária; bandidos perigosos não podem permanecer intocáveis em razão de alguns dias a contar da data do nascimento. Já os que defendem a manutenção se dedicam a verdadeiras ginásticas mentais para defender o indefensável, tentando explicar a quadratura do círculo. Vejamos:

Reduzir a maioridade penal não resolve o problema da criminalidade”. Claro que não resolve; ninguém disse que resolverá. Mas vai impedir que monstros desse tipo continuem cometendo crimes. Não há solução mágica para criminalidade, há sim a luta contra ela. E é condenando essa gente que se faz justiça.

Reduzir a maioridade penal vai aumentar a criminalidade”. Só rindo. Num país que tem a lei seca mais rígida do mundo, onde comer um bombom com licor e dirigir é mais grave que vários crimes, que tem uma lei de desarmamento enfiada goela abaixo da população honesta, impedindo o cidadão de se defender, onde todos os bandidos se armam até os dentes, e a violência no trânsito mata 60 mil/ano, e os assassinatos por arma de fogo são da ordem de 40 mil/ano… só rindo mesmo. Na Inglaterra, por exemplo, a maioridade penal é alcançada aos 12 anos e a reincidência gira em torno de 8%. Aqui, a maioridade vem aos 18 e a reincidência ultrapassa 80%. Quem está errado, eles ou nós?

A pobre criança vai sair pior do que entrou; cadeia é escola do crime e não reabilita ninguém”. Que pérola… se prender piora, deveríamos soltar todos os presos, sem exceção! Revoguem o código penal de uma vez!

Menos de 0,1% dos crimes são cometidos por menores”. Pura mentira. Não há estatísticas sobre idade dos criminosos nos dados colhidos no ato do cometimento do crime. Isso só é feito posteriormente, e esses dados, os verdadeiros, nuncas são considerados pelos abnegados defensores de bandidos menores de idade.

Faltam vagas nas prisões, que ficarão ainda mais cheias”. Não, péra; se os menores criminosos são tão poucos como eles mesmos afirmam, porque se preocupam com vagas? Além disso, as prisões para os menores serão separadas dos adultos.

                            Qualquer aluno do 2º ano de direito sabe que a pena tem três funções: Punir o criminoso, retirá-lo da sociedade por um tempo para impedi-lo de continuar no crime e, se possível, reabilitá-lo para que não volte a delinquir. Reabilitação é apenas UMA dessas razões. Ironia suprema: a esquerda sempre defende mais e mais estado, mandando em tudo e decidindo tudo… mas quando o estado falha na reabilitação dos presos, prefere mantê-los na rua, e que o povo se dane com o problema. É a cara do leninismo.

                            Aliás, é o pacote completo: Tratam o fumante como um monstro sanguinário, e o menor assassino como um anjo de candura; impedem o cidadão honesto de ter uma arma para se defender, mas deixam os bandidos com arsenal completo, de fuzis a granadas; tomar meio gole de cerveja e dirigir é um horror sem nome, mas defendem a liberação das drogas – inclusive para os mesmos menores com os quais tanto se preocupam. O lulismo fez de nós um País de ilusão, uma terra fictícia, onde o marketing e os discursos artificiais rendem mais que a realidade, essa ingrata.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes