Iscas Intelectuais
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

682 – LíderCast 13
682 – LíderCast 13
É isso que é o LíderCast. Uma homenagem a quem ...

Ver mais

681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
Agrotóxicos surgiram na Segunda Guerra Mundial, para ...

Ver mais

680 – Nova Previdência 2
680 – Nova Previdência 2
A Nova previdência é o primeiro passo para colocar o ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
Marilia Guimarães e Eduardo Dantas – a dupla ...

Ver mais

LíderCast 168 – Pedro Hipólito
LíderCast 168 – Pedro Hipólito
CEO da Five Thousand Miles, empresa portuguesa que se ...

Ver mais

LíderCast 167 – João Kepler
LíderCast 167 – João Kepler
Especialista em empreendedorismo, startups, marketing e ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro exagera?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Como se já não enfrentássemos todos os problemas possíveis – e mais uns imaginados – Bolsonaro parece se esforçar para piorar os reais e parir os imaginários. Por qual razão o ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – CARACTERÍSTICAS GRAMATICAIS DOS SUBSTANTIVOS (parte 3)
Alexandre Gomes
Até agora mostrei maneiras um pouco diferentes de se ver um SUBSTANTIVO. Usando um tanto de Lógica e  Filosofia para explicar SUBSTANTIVOS e ADJETIVOS. E só para te lembrar: toda a Realidade é ...

Ver mais

Viva Narciso
Jota Fagner
Origens do Brasil
A nossa vaidade nos impede de construir um ambiente mais tolerável A palavra “insentão”, popularizada nos últimos anos, serve para classificar a pessoa que não se deixa iludir pelo canto da ...

Ver mais

O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento  “A leitura é a chave para se ter um universo de ideias e uma tempestade de palavras.” Eduarda Taynara Gonçalves Pereira  (ex-aluna da EEEP ...

Ver mais

Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Basta uma olhada nos jornais televisivos diários para ...

Ver mais

Cafezinho 210 – Gosto médio
Cafezinho 210 – Gosto médio
Vida em sociedade implica no exercício diário da ...

Ver mais

Cafezinho 209 – Sobre fatos e desejos
Cafezinho 209 – Sobre fatos e desejos
Quem mostra a você o ato, conclui a intenção e sonega a ...

Ver mais

Cafezinho 208 – O Mas
Cafezinho 208 – O Mas
Preste atenção em quem usa o “mas” como desculpa ou ...

Ver mais

Guerra Fria

Guerra Fria

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Guerra Fria

 Antes, durante e depois

“A Guerra Fria foi um período em que a guerra era improvável, e a paz, impossível”.

Raymond Aron

Não sou um cinéfilo, mas tenho o hábito de aproveitar as semanas que antecedem a entrega do Oscar, quando costumam entrar em cartaz os filmes que vão concorrer às diversas categorias da cobiçada estatueta, para assistir a alguns dos concorrentes. Este ano não está sendo diferente.

Entre os indicados – nas categorias de filme estrangeiro, direção e fotografia – está o filme Guerra Fria, dirigido pelo polonês Pawel Pawlinowski. Rodado em preto e branco, a trama começa como uma espécie de documentário, acompanhando músicos amadores da Polônia rural, até uma garota se destacar, ser escolhida para uma escola de artes, em seguida integrar uma companhia e encontrar, entre os professores, o homem de sua vida. Seguem-se os principais eventos que abalaram a macropolítica logo após o fim da Segunda Guerra Mundial. O romance se desenvolve ao longo de 15 anos, intercalando passagens na Polônia, França e Alemanha, durante os quais o diretor se limita a fornecer as informações indispensáveis sobre as inúmeras vezes em que os dois amantes se separam e se reúnem, sem detalhes sobre as circunstâncias exatas do distanciamento.

Nesse intervalo, o casal atravessa difíceis momentos provocados pela situação política da Polônia, cujos dirigentes interferem na programação da companhia. O ápice da interferência ocorre quando um dirigente político polonês “sugere” que se incluam no repertório algumas músicas enaltecendo os grandes líderes da época, em especial o camarada Stalin.

O filme não deverá fazer muito sucesso, mas deve agradar a comunidade de cinéfilos que prestam atenção a aspectos técnicos, tais como direção, fotografia, roteiro, iluminação etc.

O que me despertou atenção foi o título do filme e, nesse sentido, foi mais do que justificada minha decisão de assisti-lo. Os acontecimentos retratados no filme ilustram bem o que ocorria na época da Guerra Fria, que se estendeu do fim da Segunda Guerra até a queda do Muro de Berlim e o desmoronamento do império soviético. Nesse período, as relações internacionais foram marcadas pela intensa disputa entre dois blocos, o capitalista, liderado pelos Estados Unidos, e o socialista, liderado pela Rússia e, posteriormente, pela União Soviética.

Era a época chamada pelos internacionalistas de mundo bipolar, caracterizado, por um lado, pelos momentos de grave tensão, e por outro, por certa previsibilidade e facilidade de entender as ações dos principais atores.

O fim da Guerra Fria marca o encerramento do mundo bipolar, cedendo espaço para o mundo multipolar[1], com um grau de tensão seguramente menor, mas de compreensão e previsibilidade, muitas vezes, bem mais complicadas.

Iscas para quem quiser ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas

FUKUYAMA, Francis. O fim da história e o último homem. Tradução de Aulyde Soares Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

MIGST. Karen A. Princípios de relações internacionais. Tradução de Arlete Simille Marques. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

Referência cinematográfica

Guerra Fria (Cold War)
Direção: Pawel Pawlikowski
Gênero: Drama
Elenco: Joanna Kulig, Tomasz Kot, Borys Szyc, Agata Kulesza, Jeanne Balibar
Duração: 89 minutos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[1] Esta é, pelo menos, a visão predominante entre os internacionalistas. Mas não é consensual. Vale, a respeito, reproduzir o questionamento do resumo final do capítulo 2 do livro Princípios de relações internacionais, de Karen A. Mingst. “O pós-Guerra Fria será caracterizado pela cooperação entre as grandes potências ou será uma era de conflitos entre Estados e entre novas ideias? O mundo pós-Guerra Fria sinaliza um retorno ao sistema multipolar do século XIX? Ou essa era testemunhará um sistema unipolar dominado pelos Estados Unidos e comparável à hegemonia britânica no século XIX?”. Charles Fukuyama foi provavelmente o grande propagador da tese do mundo unipolar com seu livro O fim da história e o último homem. Vide Apêndice, com a figura reproduzida da página 79 do livro Princípios de relações internacionais, que ilustra bem a evolução recente da questão da polaridade no sistema internacional.

 

Apêndice

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado