Iscas Intelectuais
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

657 – Brumadinho e a Challenger
657 – Brumadinho e a Challenger
A tragédia da explosão da Challenger em 1986 marcou ...

Ver mais

656 – Rua Ramalhete
656 – Rua Ramalhete
Este programa é uma homenagem ao Tavito, que faleceu em ...

Ver mais

655 – É carnaval
655 – É carnaval
Tem gente boa, muito boa, fazendo a legítima música de ...

Ver mais

654 – Sarau Café Brasil III
654 – Sarau Café Brasil III
Realizamos mais uma edição do Café Brasil Premium, ...

Ver mais

LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
CEO de uma multinacional de trademarketing, a Marco ...

Ver mais

LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
Os jovens empreendedores que criaram a netshow.me, uma ...

Ver mais

LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
Esse alvoroçado não é nome não, é adjetivo. Um ...

Ver mais

LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
O Menta é um facilitador da inovação, um inquieto ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Uma certa ideia de Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Uma certa ideia de Brasil Excelente retrospectiva de 2003 a 2018 “Precisamos ter uma ideia de como nos vemos como país, de nosso passado, nosso presente e nosso futuro.” Pedro Malan Este não é, ...

Ver mais

CAPÍTULO 2 – LINGUAGEM E SEUS SÍMBOLOS (parte 4)
Alexandre Gomes
O caminho até agora está ficando longo, não é? Por mais que eu use exemplos próximos da realidade; ainda assim, eu e você estamos buscando entender conceitos abstratos. Afinal, estamos falando ...

Ver mais

Só envelhece quem perde a curiosidade
Henrique Szklo
O mundo está muito óbvio. As coisas têm sido analisadas pelos pontos de vista mais superficiais e, em geral, equivocados. Julga-se por aparência, por condição financeira, por orientação sexual, ...

Ver mais

Defendam Douglas também
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não conhece Douglas Leandro Clizesqui? Sem problemas. Ninguém conhece. Ele é pai de Douglas Murilo, uma das oito vítimas fatais no massacre da escola estadual em Suzano; o caso todos conhecem. ...

Ver mais

Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Embora pareça que tudo está dentro da esfera criminal, ...

Ver mais

Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Ajudando a compreender o cenário político brasileiro.

Ver mais

Cafezinho 159 – O bobo da corte
Cafezinho 159 – O bobo da corte
O palhaço, o bobo, o gozador, é o único a perceber a ...

Ver mais

Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Dê o primeiro passo para fazer com que o tempo de vida ...

Ver mais

McCarthy não; Nuremberg sim.

McCarthy não; Nuremberg sim.

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Luis Fernando Veríssimo é lulista cinicamente disfarçado de isentão. O escritor descobriu ser esquerdista só depois do fim da ditadura militar, tempo em que ganhou muito, mas muito dinheiro mesmo, com seus livros. Quando descobriu-se lulista convicto, passou a reescrever suas ideias de forma suave, sua especialidade como mestre das palavras, camuflando seu esquerdismo caviar, de butique, através do qual defende o comunismo (mas só para os outros), enquanto usufrui das benesses do capitalismo sujo, decadente, desigual, selvagem, que ele tanto abomina da boca pra fora. Ou seja, a imagem perfeita do camarada padrão da esquerda, e obrigatório no lulismo, esse stalinismo moreno da vanguarda do atraso, que trata como “progressistas” dogmas derrubados no século XIX pela evidência do silogismo de sua fonte – e de seus resultados devastadores que deveriam ter sido derrubados junto com o muro de Berlim.

Em texto recente, Veríssimo seguiu essa modinha ridícula de tachar como nazista qualquer um que não se ajoelhe diante do altar de missa negra lulista: Alegou haver uma caça às bruxas ameaçando os pobres, inocentes e incorruptíveis lulistas infiltrados no governo e nas estatais satélites, num escandaloso cabidão de empregos que pode ultrapassar 25 mil vagas. Cinicamente, sob o disfarce de praticamente perseguido por defender os desvalidos de extrema esquerda, claras “vítimas” dos desmandos de um governo que nem ao menos começou (!), sugeriu que os vampiros reaças/nazistas, que aí vêm marchando com sede de sangue digna de Calígula, identifiquem suas pobres vítimas com uma estrela vermelha, alegando que isso já funcionou no passado. A referência pseudo-intelectual aos campos de concentração que vitimaram a inocente população judia durante a 2ª Guerra Mundial (com apoio entusiasmado da comunista URSS) é mais do que nojenta; é mentirosa, e já abordamos o caso aqui:  http://www.portalcafebrasil.com.br/iscas-intelectuais/sempre-sempre-godwin/

Outros coleguinhas “intelectuais” (aqui na Banânia “intelectual” é um título outorgado – muitas vezes auto outorgado – por mérito ideológico, não por intelecto), alimentados pelo mesmo cinismo, pretendem comparar um governo democraticamente eleito, que nem ao menos iniciou os trabalhos, com o Macarthismo dos anos 50 nos EUA; não sabem nem o que isso significa, mas acusam o governo eleito de criminoso e ponto final. Também fingem ignoram que não há caça às bruxas como o biruta McCarthy tentou fazer, mas sim uma identificação (necessária) dos ocupantes de lugares-chave do governo que usam seus cargos em benefício de si e de sua alucinada seita, desmoralizando o Brasil no exterior. Se querem dar um nome justo a essa procura, e se há que julgar essas pessoas pelo que fizeram no atacado e continuam fazendo no varejo, a lulada poderia lembrar-se de outro fato histórico; não há nada de Macarthismo, mas pode haver muito de Tribunal de Nuremberg (1945/1946), que identificou, prendeu, julgou e condenou muitos criminosos nazistas que tentavam se ocultar da justiça. Exagero? Foi a esquerda lulista, fragorosamente derrotada nas eleições, que começou com essa besteira.

O fato de os lulistas, capitaneados por sua entidade máxima enjaulada em Curitiba, se acreditarem acima do bem e do mal, não faz desaparecer magicamente os crimes cometidos por essa tigrada sob a desculpinha cafajeste de “proteger” o povo. Deus tá vendo, e as planilhas da Odebrecht também.

Joseph McCarthy era doido e usou seu mandato de senador (1947-1957) para acusar injustamente seus desafetos, acusando-os de serem comunistas. Diferentemente, o Tribunal de Nuremberg seguiu a lei para julgar e condenar monstros que brandiam o cinismo como principal arma para justificar ou negar seus crimes, alegando, por exemplo, que só cumpriam ordens, ou que apenas defendiam seu povo oprimido pelo inimigo. Qualquer semelhança não é mera coincidência, né, camaradas companheiros?

Ah sim, senhor Veríssimo: As pobres vítimas do nazismo foram obrigadas a usar as humilhantes estrelas amarelas para serem identificados e dizimados. Já seus amiguinhos lulistas ostentam orgulhosamente suas estrelas vermelhas, justamente para serem afrontosamente identificados, e se locupletar com essa seita pretensamente salvacionista que resulta apenas arrivista.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes