Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

639 – Chega de falar de política
639 – Chega de falar de política
Diversos ouvintes mandam mensagens pedindo para que eu ...

Ver mais

638 – O efeito Dunning-Kruger
638 – O efeito Dunning-Kruger
Cara, eu fico besta com a quantidade de gente que ...

Ver mais

637 – LíderCast 10
637 – LíderCast 10
Olha só, chegamos na décima temporada do LíderCast. Com ...

Ver mais

636 – As duas éticas da eleição
636 – As duas éticas da eleição
Gravei um LíderCast da Temporada 11, que só vai ao ar ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
Henrique Szklo e Lena Feil – Henrique se apresenta como ...

Ver mais

LíderCast 130 – Katia Carvalho
LíderCast 130 – Katia Carvalho
Mudadora de vidas, alguém que em vez de apenas lamentar ...

Ver mais

LíderCast 129 – Guga Weigert
LíderCast 129 – Guga Weigert
DJ e empreendedor, que a partir da experiência com a ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Quem não é capaz de rir de si mesmo será sempre um intolerante em potencial
Henrique Szklo
Humorista de verdade não tem lado, não tem ideologia, não tem bandeira. Independentemente de sua posição pessoal, tem de ser livre o suficiente para atirar em tudo o que se mexe e no que não se ...

Ver mais

Capitalismo Versus Esquerdismo*
Alessandro Loiola
Uma das consequências involuntárias do capitalismo é que ele coloca diferentes culturas e sociedades em contato direto muito mais amplo umas com as outras. Liga as pessoas entre si muito mais ...

Ver mais

A cavalgada de um cowboy
Jota Fagner
Origens do Brasil
Cowboy não havia dormido bem. Tinha feito corridas até às duas da manhã. O trabalho como moto-taxista costumava não render muito, mas em época de alta temporada a demanda era muito grande. ...

Ver mais

O ENEM e a (anti-)educação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Nos dois últimos fins-de-semana, milhões de candidatos ao ensino superior realizaram as provas do ENEM. O vestibular é o telos do ensino fundamental e médio no Brasil. As escolas privadas assumem ...

Ver mais

Cafezinho 125 – O chute
Cafezinho 125 – O chute
Se o governador mentiu ou se enganou, peço desculpas ...

Ver mais

Cafezinho 124 – À luz do sol
Cafezinho 124 – À luz do sol
É assim, com a luz do sol, que a gente faz a limpeza.

Ver mais

Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Ter consciência sobre o que é certo e errado todo mundo ...

Ver mais

Cafezinho 122 – Vira a chave
Cafezinho 122 – Vira a chave
Mudar de assunto no calor dos acontecimentos é ...

Ver mais

McCarthy não; Nuremberg sim.

McCarthy não; Nuremberg sim.

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Luis Fernando Veríssimo é lulista cinicamente disfarçado de isentão. O escritor descobriu ser esquerdista só depois do fim da ditadura militar, tempo em que ganhou muito, mas muito dinheiro mesmo, com seus livros. Quando descobriu-se lulista convicto, passou a reescrever suas ideias de forma suave, sua especialidade como mestre das palavras, camuflando seu esquerdismo caviar, de butique, através do qual defende o comunismo (mas só para os outros), enquanto usufrui das benesses do capitalismo sujo, decadente, desigual, selvagem, que ele tanto abomina da boca pra fora. Ou seja, a imagem perfeita do camarada padrão da esquerda, e obrigatório no lulismo, esse stalinismo moreno da vanguarda do atraso, que trata como “progressistas” dogmas derrubados no século XIX pela evidência do silogismo de sua fonte – e de seus resultados devastadores que deveriam ter sido derrubados junto com o muro de Berlim.

Em texto recente, Veríssimo seguiu essa modinha ridícula de tachar como nazista qualquer um que não se ajoelhe diante do altar de missa negra lulista: Alegou haver uma caça às bruxas ameaçando os pobres, inocentes e incorruptíveis lulistas infiltrados no governo e nas estatais satélites, num escandaloso cabidão de empregos que pode ultrapassar 25 mil vagas. Cinicamente, sob o disfarce de praticamente perseguido por defender os desvalidos de extrema esquerda, claras “vítimas” dos desmandos de um governo que nem ao menos começou (!), sugeriu que os vampiros reaças/nazistas, que aí vêm marchando com sede de sangue digna de Calígula, identifiquem suas pobres vítimas com uma estrela vermelha, alegando que isso já funcionou no passado. A referência pseudo-intelectual aos campos de concentração que vitimaram a inocente população judia durante a 2ª Guerra Mundial (com apoio entusiasmado da comunista URSS) é mais do que nojenta; é mentirosa, e já abordamos o caso aqui:  http://www.portalcafebrasil.com.br/iscas-intelectuais/sempre-sempre-godwin/

Outros coleguinhas “intelectuais” (aqui na Banânia “intelectual” é um título outorgado – muitas vezes auto outorgado – por mérito ideológico, não por intelecto), alimentados pelo mesmo cinismo, pretendem comparar um governo democraticamente eleito, que nem ao menos iniciou os trabalhos, com o Macarthismo dos anos 50 nos EUA; não sabem nem o que isso significa, mas acusam o governo eleito de criminoso e ponto final. Também fingem ignoram que não há caça às bruxas como o biruta McCarthy tentou fazer, mas sim uma identificação (necessária) dos ocupantes de lugares-chave do governo que usam seus cargos em benefício de si e de sua alucinada seita, desmoralizando o Brasil no exterior. Se querem dar um nome justo a essa procura, e se há que julgar essas pessoas pelo que fizeram no atacado e continuam fazendo no varejo, a lulada poderia lembrar-se de outro fato histórico; não há nada de Macarthismo, mas pode haver muito de Tribunal de Nuremberg (1945/1946), que identificou, prendeu, julgou e condenou muitos criminosos nazistas que tentavam se ocultar da justiça. Exagero? Foi a esquerda lulista, fragorosamente derrotada nas eleições, que começou com essa besteira.

O fato de os lulistas, capitaneados por sua entidade máxima enjaulada em Curitiba, se acreditarem acima do bem e do mal, não faz desaparecer magicamente os crimes cometidos por essa tigrada sob a desculpinha cafajeste de “proteger” o povo. Deus tá vendo, e as planilhas da Odebrecht também.

Joseph McCarthy era doido e usou seu mandato de senador (1947-1957) para acusar injustamente seus desafetos, acusando-os de serem comunistas. Diferentemente, o Tribunal de Nuremberg seguiu a lei para julgar e condenar monstros que brandiam o cinismo como principal arma para justificar ou negar seus crimes, alegando, por exemplo, que só cumpriam ordens, ou que apenas defendiam seu povo oprimido pelo inimigo. Qualquer semelhança não é mera coincidência, né, camaradas companheiros?

Ah sim, senhor Veríssimo: As pobres vítimas do nazismo foram obrigadas a usar as humilhantes estrelas amarelas para serem identificados e dizimados. Já seus amiguinhos lulistas ostentam orgulhosamente suas estrelas vermelhas, justamente para serem afrontosamente identificados, e se locupletar com essa seita pretensamente salvacionista que resulta apenas arrivista.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes