Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Os 7 erros da Folha de São Paulo sobre o “escândalo do Fake News”.
Carlos Nepomuceno
Veja o vídeo aqui.

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!

Mostrem essa coragem toda!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e os inevitáveis especialistas em ser-do-contra, tudo já foi dito. Menos o necessário: 1) Como o Rio chegou a esse ponto? 2) Quem está reclamando tem alguma outra solução?

Noves-fora a interminável masturbação sociológica dos especialistas em nada, assessorados pela nata dos intelectualóides de boteco, é inegável que essa situação não começou, mas tornou-se catastrófica por obra de Leonel Brizola, um maluco travestido de sábio que governou o Rio por duas vezes: Entre 1983/87 e 1991/94. Entre as muitas barbaridades que praticou, instituiu uma espécie de trégua com o tráfico; como todo populista de esquerda (perdão pela redundância) se achava um gênio e dividia o povo em classes. Daí nasceu sua brilhante ideia de “isolar” os traficantes nos morros e favelas (não, não é “comunidade”, é favela mesmo; eufemismo não melhora a realidade), deixando o “asfalto” aparentemente incólume. A ilusão durou o suficiente para os trafiquentos perceberam que não estavam isolados, muito pelo contrário: Estavam fortificados, seguros num castelo inexpugnável, presenteado pelo governador. Para coroar a desgraça, Brizola prometeu leniência da polícia, que ia fazer vista grossa nessa ocupação territorial promovida por um exército extremamente bem armado, mimetizado, conhecedor do território e infiltrado entre moradores.

O tráfico cresceu como nunca, armas de grande poder de fogo chegaram aos milhares às mãos de bandidos e facções enormes, cruéis, instalando ali uma espécie de poder paralelo sob o beneplácito do governo real – uma espécie de República Popular da Droga.

Contando com a proteção de entidades de “paz” e “direitos humanos”, além da falsa sensação de segurança da classe alta refugiada nos nobres enclaves cariocas, aliados ao assistencialismo praticado pelos bandidos junto à população (fruto do absoluto desinteresse do estado e da miséria espalhada pelo populismo esquerdizante), a coisa se transformou nisso aí: Completa e confessada falência da segurança pública nesse Estado da Federação.

Não há como deixar de fora desse sucesso às avessas o patrocínio dos piores governadores do Rio de Janeiro: Garotinho e Rosinha, a dupla inesquecível, e Sérgio Cabral. O trio dispensa comentários, e suas folhas corrida falam por si à falta de melhor currículo. Interessante lembrar que, durante o desgoverno deles e dos amigos e aliados  Lula & Dilma, o quinteto do inferno jactava-se de existir ali um exemplo para o Brasil e para o mundo; as favelas, ops, “comunidades”, estavam pacificadas, o tráfico era coisa do passado, e o céu era o limite para a felicidade carioca, comandada pelos melhores governantes que o planeta podia fornecer. Deu no que deu.

Mas lembrar tudo isso não é só incômodo para os vendedores de ilusão; também cansa. Haja vista a turma que imita pombinhas com as mãos e “abraça” praças e lagoas em luta por uma paz utópica que, acreditam, virá como a chuva redentora em suas passeatas “do bem”. Tudo se resolveria com muito amor ao próximo e compreensão às pobres vítimas de uma sociedade capitalista sem coração.

Essa mesma gente, aliada aos lulistas de sempre, esgoelam-se, furiosos, alegando que o Exército vai subir o morro para exterminar o povo e os direitos civis, que nada disso vai funcionar – embora tenham achado a ideia sensacional em 2014, durante o podre governo Cabral – com militares nos morros e mandados de busca coletivos, que antes a lulada amava e hoje classifica como “guerra contra pobres e pretos”. Hipócritas.

Terminam sua arenga dizendo que intervenção militar “não resolve” o problema do narcotráfico. Ora, ninguém disse que vai resolver, mas é a saída possível no momento.

Bom, esses sábios da paz estão convidados a apresentar alguma solução para o problema que eles mesmos criaram com tanto “amor” dispensado às “pobres vítimas da sociedade”. Por outro lado, os militares certamente convidariam, com muito prazer, todos esses defensores de traficantes a subir o morro na frente deles. Desarmados, claro; afinal violência só gera violência, camaradas. Poderiam usar camisetas brancas, flores, convencendo os bandidos a baixar os fuzis e se entregar na moral. Os demais 80% da população que apoiam a incursão do exército vão assistir pela TV à performance dessa gente que vende discursinho barato como solução pra qualquer coisa. Boa sorte na subida; a descida será com os pés pra frente.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes