Iscas Intelectuais
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Noblesse Oblige

Noblesse Oblige

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Não dá pra saber quem é pior: A autora da bobagem, orgulhosa de sua total falta de noção, ou quem a defende, alegando lutar contra uma misoginia tão falsa quanto a cara de pau do arrivismo coitadista que impera no mundo.

A autora: Deputada estadual Ana Paula da Silva (PDT), recém empossada na Assembleia Legislativa de Santa Catarina. O defensor: Paulo Sampaio, em blog abraçado pelo Universa, braço do UOL para qualquer assunto sem o menor sentido mas passível de utilização pelo feminazismo para atacar homens, preferencialmente os que não sejam fãs ardorosos do politicamente correto, movimento dirigido pelos que não tem muito o que fazer e preferem jogar a culpa de seu fracasso no sucesso alheio. A obra: A ida da deputada à própria posse na Assembleia com um decote mais apropriado para ir à boate, e não ao poder legislativo daquele Estado. Pra quem quiser ler os argumentos do empedernido defensor da debutante deputada sem-noção: https://paulosampaio.blogosfera.uol.com.br/2019/02/06/vou-continuar-vestindo-o-que-eu-quero-diz-deputada-atacada-por-decote

Antes que os apressadinhos de sempre se manifestem com suas pedradas pseudo justiceiras, é óbvio que a deputada não merece ser xingada, humilhada ou ameaçada por simplesmente não saber se vestir, por desconhecer o mais básico dress code que qualquer estilista de fundo de quintal poderia lhe ensinar. Mas é inacreditável que uma pessoa pública,  representante do povo, transforme seu péssimo gosto ao vestir-se em um inexistente “ataque” machista-nazista-misógino-opressor. Pior, que um séquito de mimizentos profissionais encampe esse discurso ridículo. A deputada não poder ser ofendida por trocar de vestes no escuro ou mergulhar no guarda-roupa (ou estava pagando aposta?), mas deveria admitir o ridículo de um decote daqueles em uma ocasião política pública e formal.

Saber se vestir é respeito a si própria, minha senhora, e aos outros também. Discurso machista? Não mesmo. Uma feminista épica real (e não aproveitadora de ocasião como a maioria das atuais), rainha da moda mundial, Coco Chanel (Gabrielle Bonheur Chanel, 1883-1971), assinava embaixo. Roupa indicada para animar festinha de despedida de solteiro não é indicada para ocasiões formais como enterros. Qualquer Glorinha Kalil da vida concordaria de imediato. Atenção: Cada um usa o que quiser, e quando quiser. Daí a querer “lacrar” em eventos político/democráticos públicos é de um ridículo total, e não acaba bem. Benito Mussolini que o diga.

Dress code não tem nada a ver com censura, muito menos com machismo. Não se vai à praia de nudismo dentro de um escafandro, nem à missa pelado com um espanador colorido nos aconchegos. É muito simples, e o resto é vontade de aparecer, vamos combinar, ou falta aguda de simancol. Mas a tentação de usar crítica sadia como alegação de nazismo-machismo-etc é absolutamente irresistível para os vitimistas-arrivistas. A neófita deputada disse que não se deixará “violentar” (taspariu) para “agradar” (!) os outros. Pelamor, minha senhora. Menos, né? Entrevistada sobre o caso, como não poderia deixar de ser, agarrou-se aos falidos argumentos da extrema pobreza infantil e do tal “empoderamento” feminino, neologismo ridículo de um anglicismo pernóstico, para se dar razão, embora alegue ser “vítima” de machismo… vindo das mulheres machistas (!!), “mais cruéis”, segundo seu espantoso raciocínio.

Coco Chanel enfrentou problemas reais (não inventados para causar pena à plateia), tendo enfrentado tudo isso numa época verdadeiramente machista, e de forma vitoriosa, rompendo padrões estéticos e sociais variados, sempre com muita elegância e sem mimimi. Respeitadíssima, construiu um império da moda, jamais fazendo-se de vítima. Ah, para desespero dos politicamente corretos, Chanel foi salva da morte certa por um amigo íntimo “machista”: Winston Churchill, em 1944. Pois é.

Aprendam, admitam, saibam reconhecer. Ao menos com um pouco de elegância, em lugar de chafurdar na teimosia conveniente. “Lacrar” é um ridículo transitório de alto custo pessoal, até uma chacrete sabe disso.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes