Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

642 – A caverna de todos nós
642 – A caverna de todos nós
Olhe em volta, quanta gente precisando de ajuda, quanta ...

Ver mais

641 – O delito de ser livre
641 – O delito de ser livre
Na ofensiva contra a liberdade, fica cada vez mais ...

Ver mais

640 – O monumento à incompetência
640 – O monumento à incompetência
É muito fácil e confortável examinar o passado com os ...

Ver mais

639 – Chega de falar de política
639 – Chega de falar de política
Diversos ouvintes mandam mensagens pedindo para que eu ...

Ver mais

LíderCast 135 – Thalis Antunes
LíderCast 135 – Thalis Antunes
Gestor de Conteúdo da Campus Party, que tinha tudo para ...

Ver mais

LíderCast 134 – Diego Porto Perez
LíderCast 134 – Diego Porto Perez
O elétrico Secretário de Esportes do Governo de ...

Ver mais

LíderCast 133 – Dennis Campos e Cláudio Alves
LíderCast 133 – Dennis Campos e Cláudio Alves
Empreendedores que criam no grande ABC uma agência de ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

O Trivium – uma introdução
Alexandre Gomes
As Sete Artes Liberais era a forma que os jovens eram preparados desde a Antiguidade até a alta Idade Média para educação superior. E a introdução nas Sete Artes era pelo Trivium, um método que ...

Ver mais

Live de terça – a liderança liberal
Carlos Nepomuceno
Live de terçaA liderança liberalTENHA VISÃO MAIS SOFISTICADA SOBRE O NOVO SÉCULO!TURMA PERMANENTE, COMECE HOJE!"O curso me ajudou a pensar o digital como meio e não fim". – JEAN ...

Ver mais

A Tribo da Política – ou a Democracia das Identidades
Alessandro Loiola
Talvez nunca antes na história desses país os recorrentes embates na Internet tenham mostrado de modo tão claro nossa admirável habilidade de nos submetermos à polarização político-ideológica. ...

Ver mais

Coerência, essa cachorra
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Coerência é o nome do bichinho de estimação da lulada, a seita que virou torcida de presídio. Coerência é muito maltratada; não dão atenção a ela, nem a alimentam. Ao contrário, é sempre ...

Ver mais

Cafezinho 132 – Os cagonautas
Cafezinho 132 – Os cagonautas
Seu chefe é um cagonauta? Hummmm...tome cuidado, viu?

Ver mais

Cafezinho 131 – Compartilhe!
Cafezinho 131 – Compartilhe!
Seja a mídia que você quer ver no mundo

Ver mais

Cafezinho 130 – Juniorização
Cafezinho 130 – Juniorização
Está dada vez mais difícil falar com o Presidente, o ...

Ver mais

Cafezinho 129 – Minority Report Tropical
Cafezinho 129 – Minority Report Tropical
O Brasil se transformou na República do Futuro do Subjuntivo.

Ver mais

O (quase) golpe

O (quase) golpe

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Segundo o site do Tribunal Superior Eleitoral, o Projeto de Identificação Biométrica da Justiça Eleitoral tem por objetivo implantar em âmbito nacional a identificação e verificação biométrica da impressão digital para garantir que o eleitor seja único no cadastro eleitoral e que, ao se apresentar para o exercício do voto, seja o mesmo que se habilitou no alistamento eleitoral. O projeto piloto foi realizado em 2008. Tanto o cadastramento biométrico quanto o reconhecimento das digitais durante as eleições foram um sucesso. Nas eleições de 2016, estavam aptos a votar, 46.305.957 eleitores por meio da identificação biométrica (32,13% do eleitorado total de 144.088.912) em 1.541 municípios (27,67% do total, de 5.568). Nestas eleições, todos estão aptos.

Uma das razões centrais desse recadastramento eleitoral era sérias suspeitas de haver título demais pra gente de menos, títulos duplicados e mortos votando animadamente – entre outras barbaridades. Eis que o sistema foi implantado depois de mais de dois anos de milhares de alertas pela TV, rádio, internet, pombo-correio, sinal de fumaça, rádio peão, sermão de padre, fofoca de vizinha e tudo o mais que possa avisar um eleitor. O aviso era claro: Quem não se recadastrasse não votaria em 2018.

Finalizado o recadastramento com pleno sucesso em todo o País, a lulada “descobriu”, olha que maldade, que muitos pobres eleitores, ao não se recadastrarem, seriam impedidos de votar; sem pensar em nada a não ser na defesa desses humildes brasileiros, sem nenhum interesse, resolveu que os direitos dessas vítimas da tecnologia deviam ser protegidos a todo custo! Ah, como é lindo ver em ação esses paladinos da democracia!

O interessante é que a lulada só agitou a ideia depois de terminado o recadastramento, e não antes, como deveria ser. A manobra, suja como tudo o que vem dessa seita messiânica que remete aos piores tempos do stalinismo e do maoísmo, dá a certeza de que realmente os títulos anulados, da ordem de 3,3 milhões, eram realmente irregulares e serviam a interesses políticos escusos.

Como fazem em tudo que lhes desagrada, começaram a criar as mais loucas teorias conspiratórias, alegando que queriam impedir os mais pobres de votar, que isso marginalizaria milhões de eleitores, e que um número tão grande de títulos anulados poderia mudar os rumos de uma eleição. Era aí que morava o golpe: Metade dos títulos anulados era da região Nordeste, em bolsões de eleitores históricos do lulismo. Touché.

                        E como sempre, a lulada correu ao STF, seu tribunal particular até para definir a que horas Lula deve assistir TV na cadeia, para requerer, na maior cara de pau, a coisa mais cínica desde que Calígula nomeou seu cavalo cônsul: Que esses 3,3 milhões de títulos pudessem “valer” na eleição. A decisão no STF saiu quarta, 26, quando Ricardo Lewandowski, ministro que dispensa comentários, chegou a sugerir que esses “pobres excluídos” votassem nas antigas urnas de lona. Inacreditável. Marco Aurélio de Mello, cujos votos parecem sair de algum pesadelo de Salvador Dali, concordou, com aquela cara de quem continua dormindo. Pelamor. Porém, a maioria sã do STF venceu por 5 x 2 e os tais 3,3 milhões de potenciais robôs metafísicos do lulismo não poderão votar da quinta dimensão. O golpe lulista, um entre milhares, naufragou – e que os demais o sigam para o fundo do esgoto, mesmo lugar de onde saíram.

A única coisa realmente relevante a se discutir nessa eleição seria como evitar um novo desastre de 13 anos da pior administração possível da economia, resultando em 14 milhões de desempregados e 4 anos de recessão (tragédia inédita no Brasil), tudo recheado de escândalos como o petrolão, o maior assalto aos cofres públicos em toda a história humana; infelizmente, eleitores e candidatos, reais, fantoches ou os tais 3,3 milhões do além, preferem discutir machismo, feminismo, ditadura de 50 anos atrás, ideologia de gênero e outras bobagens sem a menor urgência ou relevo. Por isso o lulismo resiste como um câncer, sugando-nos, vivendo como o parasita que é. Estamos realmente na merda, independente do resultado da eleição.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes