Iscas Intelectuais
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

683 – O peixe
683 – O peixe
E aí, hein? Dar o peixe ou ensinar a pescar? Será que ...

Ver mais

682 – LíderCast 13
682 – LíderCast 13
É isso que é o LíderCast. Uma homenagem a quem ...

Ver mais

681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
681 – Agrotóxicos: remédio ou veneno
Agrotóxicos surgiram na Segunda Guerra Mundial, para ...

Ver mais

680 – Nova Previdência 2
680 – Nova Previdência 2
A Nova previdência é o primeiro passo para colocar o ...

Ver mais

LíderCast 170 – Rodrigo Galvão
LíderCast 170 – Rodrigo Galvão
Rodrigo Galvão assumiu aos 35 anos de idade a posição ...

Ver mais

LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
LíderCast 169 – Marília Guimarães e Eduardo Dantas
Marilia Guimarães e Eduardo Dantas – a dupla ...

Ver mais

LíderCast 168 – Pedro Hipólito
LíderCast 168 – Pedro Hipólito
CEO da Five Thousand Miles, empresa portuguesa que se ...

Ver mais

LíderCast 167 – João Kepler
LíderCast 167 – João Kepler
Especialista em empreendedorismo, startups, marketing e ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que Bolsonaro exagera?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Como se já não enfrentássemos todos os problemas possíveis – e mais uns imaginados – Bolsonaro parece se esforçar para piorar os reais e parir os imaginários. Por qual razão o ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – CARACTERÍSTICAS GRAMATICAIS DOS SUBSTANTIVOS (parte 3)
Alexandre Gomes
Até agora mostrei maneiras um pouco diferentes de se ver um SUBSTANTIVO. Usando um tanto de Lógica e  Filosofia para explicar SUBSTANTIVOS e ADJETIVOS. E só para te lembrar: toda a Realidade é ...

Ver mais

Viva Narciso
Jota Fagner
Origens do Brasil
A nossa vaidade nos impede de construir um ambiente mais tolerável A palavra “insentão”, popularizada nos últimos anos, serve para classificar a pessoa que não se deixa iludir pelo canto da ...

Ver mais

O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O hábito da leitura e seu impacto no desenvolvimento  “A leitura é a chave para se ter um universo de ideias e uma tempestade de palavras.” Eduarda Taynara Gonçalves Pereira  (ex-aluna da EEEP ...

Ver mais

Cafezinho 214 – Entropia 2
Cafezinho 214 – Entropia 2
Entropia precisa de manutenção, de consertar o que é ...

Ver mais

Cafezinho 213 – Entropia
Cafezinho 213 – Entropia
Encontrar e consertar uma goteira ou uma trinca é ...

Ver mais

Cafezinho 212 – Cérebros roídos
Cafezinho 212 – Cérebros roídos
Na República das Banalidades, o que não é visto e nem ...

Ver mais

Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Cafezinho 211 – O crítico e o criativo
Basta uma olhada nos jornais televisivos diários para ...

Ver mais

O Trivium – Capítulo 1

O Trivium – Capítulo 1

Alexandre Gomes -

Imagem de Maria – foto por Rafael Medeiros

Lembra do que foi dito no primeiro texto sobre as sete Artes Liberais? Pois bem, a Irmã Miriam Joseph expõe da maneira dela, e isso pode ajudar a entender o que foi dito antes. Bom, primeiro as damas, certo? Por isso vai primeiro a definição da Irmã: O Trivium contém as Artes da Linguagem, logo, relacionadas com a MENTE. Assim, temos:

LÓGICA: arte de pensar;

GRAMÁTICA: arte de inventar símbolos e combiná-los para expor pensamentos;

RETÓRICA: arte de comunicar.

Agora, lembrando o que foi dito antes, junto com as definições da Ir. Miriam Joseph, temos:

GRAMÁTICA: é a ciência de falar sem erro, pois é a arte de inventar símbolos e combiná-los para expor pensamentos;
RETÓRICA: é a arte de comunicar, seguindo uma disciplina honesta para persuadir sobretudo o que for conveniente;
LÓGICA: é a vacina para a mente ser capaz de distinguir o FALSO do VERDADEIRO, pois é a arte de pensar.

O Quadrivium, são as quatro Artes Liberais da quantidade, ligadas a MATÉRIA. Veja como a Ir. Miriam subdivide em dois grupos:

As Artes que tratam da QUANTIDADE DESCONTÍNUA, ou número:
ARITMÉTICA: teoria do número;
MÚSICA: aplicação PRÁTICA do número

As Artes que tratam da QUANTIDADE CONTÍNUA, ou espaço:
GEOMETRIA: teoria do espaço;
ASTRONOMIA: aplicação PRÁTICA do espaço.

Melhorou agora? Compreendeu mais o alcance da coisa toda? Então, eu faço a pergunta que pode estar na sua cabeça: por quê começar pelo Trivium e não o Quadrivium?

Ah, simples, meu caro (ou minha querida)! Preste atenção neste trecho do livro:

aqueles que primeiro aperfeiçoam suas próprias faculdades através da educação liberal estão deste modo, mais bem preparados para servir aos outros em sua capacidade profissional”. fonte: O Trivium, Ir. Miriam Joseph.

Percebe? Primeiro EU me educo para poder TRABALHAR e melhor servir meu… cliente! Isso é Idade Média viu? Muito antes do ano 1.000! Há séculos de qualquer guru da administração, ou palestrante de auto-ajuda. Por isso eu pergunto: dá para levar a sério aquela conversa mole de Idade das Trevas? Eu não levo…

Bom, voltando ao assunto, vamos para outro ponto interessante. A educação liberal era bem diferente — em objetivo — que as artes utilitárias, ou até mesmo das belas artes. Enfim: porque o Trivium primeiro, não é? Veja, as três Artes estão ligadas à MENTE, logo, ligadas à organização da própria mente do estudante. Compreendidas todas as três, o aluno estará habilitado a compreender as abstrações e raciocínios complexos do seu professor quando tratar de números e formas (Aritmética e Geometria — do Quadrivium). Ou seja, primeiro devemos aprender a pensar e expressar de maneira PRECISA o que pensamos, para então aprendermos como são as coisas fora de nossa mente. Compreendeu até aqui?

Agora, voltando um pouco… você notou o que eu disse antes? Artes Utilitárias e Belas Artes. Conhece? Sabe quais são? Espero que tenha ficado com curiosidade pois tratarei delas agora.
As ARTES UTILITÁRIAS (tais como Vendas, Serviços bancários, Carpintaria, Direito, Medicina, etc) e as SETE BELAS ARTES (Arquitetura, Música Instrumental, Escultura, Pintura, Literatura, Teatro e Dança); ambas são transitivas, ou seja, começam no agente e terminam no objeto. Já as Artes Liberais tanto começam como terminam no agente. Mesmo assim… porque Belas artes? Qual a diferença para tamanho elogio? As Belas Artes se destacam entre as artes utilitárias porque elas têm o potencial, a possibilidade, da eternidade. Somente as sete belas artes têm o poder de elevar o espirito humano. As demais artes utilitárias produzem utilidades (bens e serviços) que atendem as necessidades do homem.

Outro aspecto que se deve compreender neste estudo são as Classes de Bens: os VALIOSOS, os ÚTEIS e os APRAZÍVEIS. Os primeiros (valiosos), são desejados não só por sua própria causa, mas também porque aumentam o valor de quem os possuir (ex.: saúde, virtude, conhecimento); os bens úteis são desejados porque são meios para alcançar os bens valiosos (alimento, dinheiro, livros). Já os bens aprazíveis são desejados por si mesmos, em razão da satisfação que dão àqueles que os têm (felicidade, boa reputação, comida saborosa). Perceba que eles — os bens aprazíveis — nada acrescentam ao valor intrínseco do possuidor, nem são desejados como meio para outro bem de outra classe. Mas podem se associar a bens valiosos ou úteis. Por exemplo, o sorvete, que alimenta (valioso) e é prazeroso, agradável.
Voltando as artes utilitárias (ou servis). Elas permitem que alguém seja um SERVIDOR e ganhe a vida! Ou seja, é um ofício, um trabalho. As Artes Liberais, em contraste, ensinam a viver, treinam as faculdades e as aperfeiçoam. Permitem o indivíduo elevar-se acima de seu ambiente material, para viver uma vida intelectual. Ou seja, tornar-se uma pessoa melhor! Caramba! Isso é auto-ajuda uns quinze séculos antes do primeiro marqueteiro! Outro aspecto das Sete Artes Liberais é que elas também são uma ciência.

Vamos dar um tempo para você processar esse detalhe: as Artes Liberais são também uma ciência.

Entendeu? Ou está se perguntando: qual a diferença, então, entre Arte e Ciência? Veja só, a Arte é algo a se FAZER, e a Ciência é algo a CONHECER. Pois bem, o Trivium é o instrumento de toda a educação em todos os níveis, pois a Gramática, a Lógica e a Retórica são as artes da Comunicação mesma. E esta só tem lugar quando duas mentes, realmente se encontram. Se o ouvinte/leitor recebe as mesmas ideias que o escritor/emissor deseja transmitir, ele (ouvinte) entende — ainda que possa discordar delas.

Agora, vamos voltar ao tempo atual, a sociedade da era da informação, do “big data”, dos robôs que traçam perfis de consumo juntando migalhas de dados de uma pessoa pela internet. Consegue ver isso? Ou se assustar com o alcance da tecnologia de hoje? Então leia isso aqui:

(…) a atividade do estudante é relacionar os fatos apreendidos num todo unificado e orgânico.” John Henry Newman (1801–1890), escritor e sacerdote inglês.

Parece que o que era para ser uma habilidade humana foi perdida e passada para programas de computador, não? Um aprendiz deve usar colchetes mentais para ligar os fatos entre si de modo a formar um todo significativo. O acúmulo de fatos é mera informação e não merece ser chamado de educação, pois sobrecarrega a mente e a embrutece, em vez de desenvolvê-la, iluminá-la e aperfeiçoá-la. As três Artes da linguagem dão disciplina à mente, uma vez que esta encontra expressão na linguagem. As quatro Artes da quantidade dão meios para o estudo da matéria.
Já falei do que é cada uma das três Artes do Trivium. Sendo, essencialmente, as Artes da Comunicação, da Linguagem. Ora, nos comunicamos para expressar nossa apreensão da realidade. Portanto, tomando a realidade como centro, as três Artes se relacionam com a realidade assim:

Lógica: trata da coisa tal como ela é CONHECIDA;
Gramática: trata da coisa tal como ela é SIMBOLIZADA;
Retórica: trata da coisa tal como ela é COMUNICADA.

Reforçando: Lógica > conhecimento / Gramática > símbolo / Retórica > comunicação.

Percebe a escala? O CONHECIMENTO (Lógica) está na MENTE, os SÍMBOLOS (Gramática) são as ferramentas para eu dizer o que conheço para outra pessoa; estabelecendo uma COMUNICAÇÃO (Retórica). Viu como tudo se amarra? Percebe a utilidade daquelas aulas de Gramática no colégio? Entende que faltou (ainda falta) uma aula de Lógica para sabermos pensar com ordem, e uma aula de Retórica para nos expressarmos com clareza? Putz!, até D.R. de casal pode deixar de acontecer com frequência só com esse aprendizado!

Outra coisa: notou que é a RETÓRICA que coroa, completa, as três Artes do Trivium? Ela é a meta do Trivium! Agora, é importante esquecer a ideia de que Retórica é malandragem. Não culpe a Arte pela má intenção de quem a usa. Aristóteles dá a dica: “A Retórica pode ser definida como a faculdade de, em qualquer situação, perceber os meios de persuasão disponíveis.” Ele também alerta: o uso de algo bom para um fim mau, não nega a boa qualidade da coisa mesma.
Quer um exemplo do valor da Retórica? Veja aqui: a Retórica reconhece vários níveis de discurso, tais como o letrado (donzela, corcel), o comum (moça, cavalo), o iletrado (mulézinha), a gíria (cabrita, pangaré) e o técnico (homo sapiens, equus cabalus), cada um com seu uso apropriado. A adaptação da linguagem às circunstâncias, que é a função mesma da Retórica.
Por último, uma ressalva: a Retórica é a maior das artes do Trivium, agora a Lógica é a arte das artes, pois dirige o ato mesmo de raciocinar, que é o motor dos atos humanos.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes