Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Os 7 erros da Folha de São Paulo sobre o “escândalo do Fake News”.
Carlos Nepomuceno
Veja o vídeo aqui.

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Por Manágua

Por Manágua

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A pequena república da Nicarágua tem vivido um banho de sangue desde os anos 60, quando do início da Revolução Sandinista. A revolta tinha esse nome em ao líder popular Augusto César Sandino, executado em 1934 por ordem de Anastasio Somosa Garcia, ditador derrubado em 1979 pelos sandinistas da Frente Sandinista de Libertação Nacional. Quem comandava a FSLN era Éden Pastora, o misterioso “Comandante Zero”. Dessa derrubada do governo ditatorial e construção de um novo, teoricamente (ou alegadamente) democrático, surgiu uma nova figura, da qual muito ainda se ouviria falar: Daniel Ortega.

Com a vitória sandinista, em pouco tempo um fato saltava aos olhos: Os sofridos nicaraguenses estavam apenas trocando uma ditadura por outra, comunista e disfarçada de “popular”. A turma de Pastora foi perdendo força e Ortega tornou-se presidente em 1985, prometendo justiça, prosperidade, paz e aquela coisa toda que nós brasileiros conhecemos muito bem pelos populistas governos de esquerda, bons de garganta e péssimos de realização.

Ortega nunca deixou de ser um bandido, assassino e assaltante de bancos. Pior, foi treinado pelos cubanos para aumentar o alcance do império comunista que tentaram estender pela América Latina toda. Tornou-se presidente, como tantos outros criminosos a mando do comunismo internacional, em eleições suspeitíssimas (quando não totalmente fraudadas), bem ao estilo cubano. Permaneceu no poder até 1990, quando o pobre e pequeno país passou por um curto período verdadeiramente democrático. Mas (e sempre há um “mas”) Ortega retomou o poder através de eleições mais sujas que as cuecas de Che Guevara, e ali permanece até hoje. Detalhe: A vice-presidente é sua mulher, uma bruxa completamente louca, que se arroga poderes sobrenaturais. Ambos torram o dinheiro do povo com roupas, carros, mansões e viagens, exatamente como seus colegas de ideologia sempre fazem.

Pois bem: Um dia a conta chega, mesmo para os fantoches do populismo de esquerda radical. Não existe almoço grátis; dinheiro não dá em árvore, embora alguns tenham recebido generosa mesada soviética por anos a fio. Gastar o cheque especial ou fazer fiado tem limite, tovarich. Macroeconomia não é conta de boteco nem se salva com discursos inflamados. Números, exatamente como baionetas, servem para muita coisa – menos para sentar em cima, parafraseando Emílio Castelar y Rippol, célebre intelectual e político espanhol, na segunda metade do século XIX.

Resumo da ópera: Exatamente como em Cuba, Venezuela ou qualquer outro lugar onde um grupo de psicopatas enfie goela abaixo do povo esse comunismo real ou ficto, de fachada, a miséria dá o tom. A Nicarágua está à beira da guerra civil, com a população violentamente reprimida pelos jagunços paramilitares da ditadura local. Os mortos e desaparecidos (traduzindo: mortos ainda não oficializados) passam de 600, e uma das últimas vítimas foi Raynéia Gabrielli Lima, jovem e inocente estudante brasileira assassinada covardemente pelos bandidos de Ortega. Onde isso vai parar? No fundo de uma oceânica poça de sangue, óbvio. Monstros como ele e Nicolás Maduro, seu colega de chicote, foice e martelo, só largam o osso quando nem tutano existe mais, fugindo para baixo das asas protetoras de alguma outra ditadura comunista. Felizmente esses países-fazenda estão rareando e vários dos tiranos boçais acabam na cadeia ou no cemitério, tal como ocorreu na Líbia, Romênia, Albânia e outros.

Exatamente como o câncer, esses ditadores assassinos comunistas nunca sabem quando é hora de parar; roem seus hospedeiros até a morte, mesmo que isso resulte também no seu fim. Como na famosa parábola do escorpião, faz parte da natureza deles. Não é apenas o vício ou a maldade, é a demência do poder absoluto. Bandidos.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes